×

Coletiva de Imprensa | "Podemos derrotar a besta": falam os trabalhadores do novo sindicato da Amazon nos EUA

Mais de 20 trabalhadores da Amazon e uma multidão de jornalistas e ativistas se reuniram na última sexta-feira em frente ao Staten Island Warehouse, Nova York, para uma coletiva de imprensa chefiada pelo Sindicato dos Trabalhadores da Amazon (ALU, sigla em inglês). Os trabalhadores sabem que unidos podem vencer a Amazon.

quarta-feira 13 de abril | Edição do dia

Na sexta-feira, o novo sindicato Amazon Work Union (ALU) realizou uma coletiva de imprensa na Staten Island, Nova York, chefiada pelo Presidente do sindicato, Chris Smalls. Mais de 20 trabalhadores se dirigiram a uma multidão de jornalistas e ativistas de esquerda no gramado, juntamente com o Amazon LDJ5 Warehouse, que começarão sua votação de sindicalização em 25 de abril. Do outro lado da rua estava o Armazém JFK8, que fez história ao votar a favor da sindicalização na semana anterior, tornando-se o primeiro armazém da Amazon ao fazê-lo nos Estados Unidos.

Armazéns são edifícios enormes sem janelas cercadas por grandes estacionamentos. Vendo essas estruturas de fora se pode imaginar como andar pelo armazém dia após dia, pode quebrar seu corpo.

Mos, que trabalhou na Amazon por quatro meses, nos diz em uma entrevista: "Você tem que dar uma olhada. Subimos uma escada para pegar mercadorias que podem estar em qualquer lugar desde 2 onças (57 gramas) até 50 libras (23 quilos), para descer uma escada com isso na sua mão. Não há segurança nesse processo. Não há cinto que te mantenha para aquela escada. É perigoso."

Na coletiva de imprensa, alguns trabalhadores compararam este sistema com a escravidão moderna. Outros explicaram que são tratados como máquinas, mas na Amazon, as máquinas são tratadas melhor do que as pessoas.

Quando a coletiva de imprensa começou, Chris Smalls chamou todos os trabalhadores da Amazon na frente. "Isso é sobre todos nós", explicou ele. Quase duas dúzias de trabalhadores, principalmente com as camisas da ALU, ficaram orgulhosamente na frente, algumas com uma faixa dizendo "Sindicato dos trabalhadores da Amazon, ganhamos!"

A coletiva de imprensa durou quase duas horas, com mais de uma dúzia de trabalhadores tomando o microfone e falando sobre suas experiências e análises. O companheirismo, a alegria e o apreço mútuo entre os trabalhadores era palpável. Como eles disseram de novo e de novo, eles não poderiam ter feito isso um sem o outro.

Michelle, uma jovem latina que tinha uma camiseta da ALU, aproximou-se do microfone e leu: "Uma carta aos meus colegas de trabalho: quero agradecer aos meus colegas de trabalho que acreditam que merecemos algo melhor e por acreditar em nós. Fizemos da Amazon a empresa multimilionária que é hoje. "

Os trabalhadores são muito conscientes dos enormes lucros que a Amazon obtém a suas custas. Como disse Brima Sylla, imigrante africano de e trabalhador do armazém sindicalizado: "Sem os trabalhadores não haveria Amazon. Com todos os lucros que tem, não vemos nenhum aumento. E isso é ruim. Precisamos colocar as pessoas a frente dos lucros da empresa, porque quem cria esses lucros? Nós, trabalhadores ". Brima fala sete línguas e participou de atividades de divulgação para trabalhadores africanos.

Também ficou claro para os trabalhadores quanto a Amazon investiu para garantir que não se sindicalizassem. No total, a Companhia gastou pelo menos US $ 4,3 milhões este ano para realizar políticas antissindicais. Um dos trabalhadores explicou: "Esses garotos [Amazon] gastaram milhões para nos dizer que votássemos NÃO. Eles pararam a produção deste edifício pelo menos sete vezes ... [para fazer reuniões antissindical] toda vez que o chão fecha [na seção em que eu trabalho], eles nos amaldiçoam porque dizem que eles perdem US $ 200.000 cada vez que o chão fecha por 10 minutos. Agora eles fecharam todo o edifício e basicamente nos disseram muitas mentiras [para votarmos contra o sindicato]. Eles nos enviaram e-mails, mensagens de texto, tudo".

Os trabalhadores estão conscientes do carácter histórico de sua vitória. O co-fundador de ALU, Derrick Palmer, disse: "Nós acordamos o mundo e sacudimos o movimento operário. Isso é a história em processo. Isso não é apenas um momento. Estamos fazendo história agora. "

Alguns trabalhadores falavam sobre o fato de que a ALU ser um sindicato independente, não filiado aos sindicatos empresariais que são organizados de cima para baixo e que até agora não conseguiram sindicalizar a Amazon.

“Who said you need to follow union rules and regulations to get a union? Throw that shit out and burn it. This is a new day. With new times comes new things. Just like they first started unions back then. The reason we have all these problems when it kinda simmered down, the corporations took advantage of all the rules and regulations and reformed and used them to fit them.”

Um trabalhador observou: "Quem disse que temos que seguir as regras e regulamentos dos sindicatos para poder fundar um novo? Vamos esquecer tudo isso. Isso é algo novo, e com novos tempos novos desafios chegam, tal como fizeram os que começaram os primeiros sindicatos até o momento. A razão pela qual temos todos esses problemas hoje [para formar um novo sindicato], é que as corporações se aproveitaram de todas as regras e regulamentos pré-existentes e as reformularam e os usaram a seu favor ".

Foi a unidade de trabalhadores e a organização de base que produziu essa vitória. E é essa unidade que os trabalhadores usarão para lutar por um novo contrato.

Angie, um dos organizadores do sindicato, disse: "Eu quero agradecer a todos os trabalhadores que votaram. E mesmo aqueles que estão mal informados, estamos aqui para informá-los. Esta não é uma guerra entre nós. Vamos nos juntar e lutar pelo contrato dos nossos sonhos. Se lutarmos juntos, podemos derrotar a besta."

Os trabalhadores exigem um salário de 30 dólares a hora, assim como o fim das horas-extras obrigatórias, entre outras demandas.

Os trabalhadores estão se preparando para a votação da sindicalização no depósito em frente. Maddie, uma trabalhadora desse armazém (LDJ5), explicou o ambiente de repressão: "A Amazon está fazendo tudo o que pode para tentar garantir que os trabalhadores votem NÃO, usando comentários racistas e sexistas para a gente votar contra o sindicato".

Mas os trabalhadores não têm medo. Derrick Palmer disse: "LDJ5, estamos chegando. Temos 2 semanas até esta eleição e vamos chutar a bunda da Amazon. "

A ALU faz parte de uma onda de sindicalização mais ampla da classe trabalhadora após a pandemia. The Washington Post apelidou os jovens de "geration-u" por Union (sindicato); 200 lojas de Starbucks pediram para votar por um sindicato, bem como trabalhadores da Condé Nast, os trabalhadores estudantes da Fordham, na Verizon e outros. Um novo esforço de sindicalização parece surgir todos os dias. Desde a histórica vitória há duas semanas, os trabalhadores de mais de 100 armazéns da Amazon já se aproximaram da ALU, bem como os trabalhadores da Warmart e outras lojas.

Leia mais: Onda de sindicalização nos Estados Unidos: o que vem a seguir para a geração "U"?

Um trabalhador explicou: "Como nós fizemos isso? Não saímos e procuramos especialistas, especialistas, especialistas. Encontramos muitas pessoas malucas como nós que não têm medo de nada. Há muitas pessoas aqui que estão cansadas de serem intimidadas. Então, às vezes você se cansa de ser assediado e sai e bate no assediador. "

Depois de ser abusado por seus chefes, que obtêm enormes lucros com a hiperexploração, os trabalhadores da Amazon estão prontos para contra-atacar.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias