Sociedade

NEGACIONISMO

“Pergunta para o vírus”, responde Bolsonaro sobre prorrogar auxílio emergencial

Em mais uma de suas declarações absurdas e reforçando seu negacionismo, o presidente disse à apoiadores que estavam em frente ao planalto que espera “que o vírus esteja realmente de partida do Brasil”.

quarta-feira 25 de novembro de 2020| Edição do dia

Foto: EVARISTO SA / AFP

Essa e outras declarações foram dadas nesta terça-feira (24) em frente ao Palácio da Alvorada, local acostumado com receber declarações absurdas do presidente.

Ao ser perguntado por apoiadores sobre a possibilidade de prorrogar o auxílio emergencial, Bolsonaro disse: pergunta para o vírus. Disse ainda que a não prorrogação seria um “sinal de que a economia vai pegar e não teremos novos confinamentos no Brasil".

O presidente concluiu com "Então, a gente espera que não seja necessário (a prorrogação do auxílio) e que o vírus esteja realmente de partida do Brasil". Isso em meio à uma alta drástica dos casos e internações, onde vários especialistas já falam da possibilidade de estar se iniciando uma segunda onda do covid-19 no país.

Pode te interessar: "Brasil já está na 2ª onda de Covid-19”, diz pesquisador da Medicina-USP

Declarações no mesmo sentido foram dadas pelo ministro da Economia em um evento virtual nesta segunda-feira (23). Paulo Guedes disse que “os fatos são que a doença cedeu bastante e a economia voltou com muita força. Então, do ponto de vista do governo, não existe a prorrogação do auxílio emergencial”.

Novamente Bolsonaro, Guedes e o governo seguem unificados em seu negacionismo. Na semana em que chegamos a 170 mil mortos pela doença no país e logo após um estudo divulgado pelo Imperial College de Londres apontar uma alta acelerada do contágio, Bolsonaro diz que o vírus está de partida do Brasil.




Tópicos relacionados

Negacionismo   /    Crise do Coronavírus   /    COVID-19   /    Auxílio emergencial   /    Pandemia   /    Coronavírus   /    Paulo Guedes   /    Governo Bolsonaro   /    Jair Bolsonaro   /    Sociedade   /    Política

Comentários

Comentar