×

Atos 24J | Pelo Fora Bolsonaro e Mourão, vem com a Faísca e Esquerda Diário nos atos do 24J pelo país

No sábado dia 24 de julho estão sendo construídos atos de rua contra Bolsonaro e todos seus ataques. Nós da Faísca e Esquerda Diário estaremos presentes em dezenas de cidades pelo país, defendendo a unidade entre juventude, trabalhadores e setores oprimidos, e uma saída independente contra Bolsonaro e Mourão!

sexta-feira 16 de julho | Edição do dia

No próximo sábado, dia 24 de julho, estão sendo chamados atos contra o governo Bolsonaro em diversas cidades do país, convocados por entidades de trabalhadores e estudantis, como as centrais sindicais e a UNE, assim como por movimentos sociais como a Frente Povo Sem Medo e Brasil Popular, e diversos partidos.

É importante estar nas ruas nesses atos para demonstrar nossa indignação contra o governo Bolsonaro e Mourão, unificando a luta contra os ataques à educação e pelas demandas estudantis e da juventude, com a luta dos trabalhadores, contra as privatizações, como a recente anunciada dos Correios; contra os escândalos de corrupção como o caso da Covaxin, que lucra com nossa vida em meio à pandemia da Covid-19, e contra a miséria de vida que só tem aumentado.

Convidamos todes a construir e compor os blocos do Esquerda Diário e da Faísca que estarão nas ruas neste próximo dia 24J, defendendo a unidade entre os trabalhadores e a juventude pelo Fora Bolsonaro e Mourão. Para lutar contra cada um dos ataques despejados sobre nossas costas, precisamos confiar na força da classe trabalhadora aliada aos estudantes, mulheres, negros, indígenas e LGBTs.

É essa a unidade que precisamos construir e apostar, somente ela será capaz de derrotar Bolsonaro e Mourão. Não podemos acreditar que se aliando com setores de uma suposta direita liberal, que se diz mais democrática e comedida, será possível derrotar o governo. A direita e o centrão, com partidos como PSDB, PV, Cidadania, PSB, que nos governos estaduais e no Congresso defendem medidas que nos atacam, não são bem vindos em nossas manifestações neste 24 de julho! Não podemos nos aliar com setores que são igualmente nossos inimigos e que no momento de aprovar projetos como as reformas trabalhista, da previdência e administrativa, se aliam a Bolsonaro.

Muitos desses partidos de centro e da direita apoiaram o golpe institucional em 2016, a prisão arbitrária de Lula em 2018, defenderam as reformas e a Lei do Teto de Gastos, dentre outros ataques. Se agora pintam um discurso mais democrático e começam a levantar o “fora Bolsonaro” é porque têm interesses políticos claros de se alçar como alternativa - a chamada terceira via - nas eleições de 2022.

Leia mais: Aliar-se com a direita fortalece a luta contra Bolsonaro?

Precisamos confiar em nossas forças e não em alianças com esses partidos e em saídas institucionais como o impeachment que não deixa de ser implorar para Artur Lira colocar Mourão, um general racista e saudosista da ditadura militar, na presidência. O impeachment não é uma resposta para os ataques, as reformas, o desemprego e fome crescentes, não podemos aceitar que Mourão seja uma alternativa na luta contra Bolsonaro.

Não podemos confiar nesse Congresso que passou os cortes da LOA na educação e a privatização da Eletrobrás; no STF que deu interpretação favorável ao Marco Temporal para o PL 490 que ataca indígenas; nos governadores que se dizem contrários ao negacionismo de Bolsonaro, mas que condenaram milhares à contaminação e morte pela Covid-19 sem apresentar nenhum plano de emergência para responder a pandemia; e nem no teatro que é a CPI da Covid, onde os protagonistas são da direita golpista.

Por isso, nós do Esquerda Diário, da Faísca e do grupo internacional de mulheres Pão e Rosas viemos defendendo que precisamos radicalizar nossa luta, canalizando nosso ódio e indignação em uma saída independente que unifique trabalhadores, juventude e setores oprimidos. Precisamos de uma greve geral nacional que afete os lucros dos capitalistas e faça Bolsonaro, Mourão e todo o regime político tremer diante de nossa força.

Não podemos deixar que o PT desvie nossa mobilização para que os atos de rua sejam palanques eleitorais, canalizando nossa força para a estratégia puramente de em 2022 eleger Lula, que cada vez mais vem costurando e acenando acordos com a direita.

Leia mais: 3 propostas para a classe trabalhadora enfrentar a crise política no Brasil

É urgente que as centrais sindicais como CUT e CTB, dirigidas pelo PT e PCdoB convoquem assembleias de base, com amplo direito a voz e voto, em cada local de trabalho e categoria. Assim como a UNE, utilizando do espaço do Congresso que está acontecendo agora, construindo em cada universidade e instituto federal assembleias e debates para organizar a luta. Com massivas assembleias poderíamos tomar a luta em nossas mãos e organizar um plano de luta, por isso chamamos outros partidos da esquerda como PSOL, PSTU, PCB e UP, e movimentos sociais, a defender conosco exigências às centrais sindicais para que convoquem uma greve geral já para derrubar Bolsonaro e Mourão!

Confiando em nossas forças e unidade que poderemos estar à altura dos desafios colocados, batalhando por uma nova Assembleia Constituinte Livre e Soberana imposta pela luta, que, com deputados constituintes eleitos e revogáveis por todo o país, possa revogar todas as reformas e ajustes, dar fim aos privilégios dos políticos e juízes que só defendem os interesses dos grandes empresários capitalistas e não as necessidades da maioria trabalhadora.

Neste dia 24 de julho estaremos defendendo essas ideias, para que nossa força nas ruas não seja canalizada em saídas institucionais que fortalecem o regime político golpista pós 2016 e que nos ataca sem parar, mesmo em meio a fome, desemprego e pandemia. Vem construir conosco os blocos da Faísca e Esquerda Diário, estaremos em dezenas de cidades pelo país gritando Fora Bolsonaro e Mourão!




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias