Política

POLÍTICA

Pedro Fernandes é preso acusado de corrupção em instituição de assistência social

sexta-feira 11 de setembro| Edição do dia

O secretário de educação, que também era uma das principais figuras públicas no governo Witzel, foi preso nesta manhã acusado de desviar cerca de 30 milhões de reais da Fundação Leão XIII, ainda na gestão do ex-governador Pezão. Pedro Fernandes encontra-se agora em prisão domiciliar devido ao COVID 19.

De acordo com a denúncia do Ministério Público estadual, Fernandes teria comandado um esquema de fraudar licitações para um programa de fornecimento de óculos para a população de baixa renda no período de 2015 a 2018, quando ele foi secretário de assistência social e direitos humanos, secretário de ciência e tecnologia de Pezão e, a partir de 2017, secretário de assistência social de Crivella.

Fernandes, que já havia conduzido ataques as universidades durante o governo Pezão, aceitou o convite de Wilson Witzel para assumir a secretária de educação, onde conduziu uma política de ataques aos professores, aprofundando a precarização do trabalho na rede estadual de ensino, promovendo a militarização de escolas periféricas e sucateando as unidades de ensino. Em paralelo ele tentava construir uma imagem de “bom moço” aparecendo em lives e fazendo visitas demagógicas nas escolas, na tentativa de se capitalizar politicamente.

Durante a pandemia, Fernandes que é filho de uma família de políticos na melhor tradição do clientelismo do Rio de Janeiro e que via a pasta da educação apenas como um trampolim político, impôs um desastrado modelo de ensino a distância durante a quarentena, sem internet, sem equipamentos, enquanto os alunos ficaram sem receber cesta básica.

O esquema envolvia também secretarias da prefeitura do Rio de Janeiro comandadas pela deputada Cristiane Brasil, que também teve a prisão decretada. Cristiane Brasil é a filha de Roberto Jeferson do PTB, que ganhou notoriedade por ter sido um dos pivôs do caso do Mensalão. Além disso, durante o governo Temer ela foi impedida pelo STF de assumir o ministério do trabalho, devido a envolvimento em diversos processos trabalhistas.

No entanto não devemos nos enganar em relação as operações da justiça burguesa. O fato de Pedro Fernandes e Cristiane Brasil estarem sendo presos por envolvimento em esquemas de corrupção antigos agora que estamos as vésperas das eleições mostra apenas que essas operações ocorrem seletivamente, escolhendo como e quando fazer sangrar figuras da política, mas sem produzir qualquer mudança nos ataques a classe trabalhadora.

Essas operações escancaram não só que há uma profunda podridão não apenas nos condutores mas também nas instituições deste regime político. Cabe a nós trabalhadores nos organizamos para mudar não só jogadores mas todas as regras desse jogo já marcado pela burguesia, sem nenhuma confiança nessa Justiça e instituições cuja atuação hoje é voltada para aprofundar a crise que vivemos.




Tópicos relacionados

Pedro Fernandes   /    Wilson Witzel   /    Educação   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar