Política

CASO MIGUEL

Patrão da mãe de Miguel disputa a reeleição em Tamandaré-PE, pelo PSB

Sérgio Hacker é marido de Sari Cortes Real e prefeito de Tamandaré. Apesar disso, morava no apartamento de luxo onde Miguel, filho de Mirtes, foi assassinado.

segunda-feira 12 de outubro| Edição do dia

Este dia da criança será diferente para Mirtes. Ao invés de comemorar com seu filho, passará lutando por justiça para o mesmo. Será o primeiro que passará sem Miguel, assassinado em 2 de junho.

Ver também: Dia das crianças: #JustiçaParaMiguel Basta de mortes pelos patrões e pelas balas da polícia

O assassinato aconteceu enquanto Mirtes trabalhava na casa de seu patrão, Sérgio Hacker, prefeito de Tamandaré, numa torre de luxo no Recife. Devido à pandemia, Mirtes não podia deixar o filho na escola e tinha de levá-lo ao trabalho. No entanto, também não teve direito à quarentena, sendo obrigada a trabalhar e se expor ao vírus. Além disso, foi revelado que Mirtes contava na folha de pagamento do município, mostrando que na verdade a empregada era paga com o dinheiro público. Se isso por si já é um absurdo a situação piora.

Ao sair de casa para passear com o cachorro da patroa, Sarí Cortes Real, mulher de Sérgio Hacker, pediu para a patroa cuidar a criança de apenas 5 anos. No entanto, enquanto Mirtes estava fora, Sarí simplesmente resolveu deixar a criança no elevador e apertar em andares aleatórios. A criança, sem entender direito, acabou saindo no nono andar e caiu do prédio. Após a queda, ficou agonizando até que sua mãe o encontrou quando voltava do passeio. O menino acabou não resistindo e morreu.

Apesar de ter matado Miguel, Sarí pagou uma fiança de R$20 mil para responder ao processo em liberdade, foi entrevistada no Fantástico, sua defesa foi adiada e foi recebida em horário especial na delegacia.

Já à Mirtes e sua mãe, também empregada do casal, nem mesmo os direitos trabalhistas foram pagos. Mirtes só conseguiu que a audiência fosse marcada para o dia 3 de dezembro graças à pressão que teve da campanha em suas redes sociais. Isso só evidencia o caráter racista da justiça, que protege abertamente Sarí enquanto não garante nem o mínimo à Mirtes.

Apesar de tudo isso, o casal não apresenta remorso. Sérgio Hacker, pretende disputar a reeleição ao cargo, pelo PSB, mesmo partido da oligarquia que hoje governa o estado com Paulo Câmara e a prefeitura do Recife, Geraldo Julio. Na coligação, também estão os direitistas Patriotas, o PSD e o Solidariedade.

Isso não vem do nada. A família Hacker tem uma tradição burguesa e oligárquica. Segundo o Brasil de Fato: "Os Hackers são os maiores proprietários de terras rurais e urbanas na soma dos três municípios (Tamandaré, Rio Formoso e Sirinhaém) e também possui empresas do ramo automotivo (venda, revenda e compra de automóveis) no Recife e em São Paulo (SP)."

Isso é só mais uma prova que a burguesia não liga pra vida dos trabalhadores e de seus filhos, só buscam nos explorar e perpetuar o racismo. O PSB mostra que não é diferente, apesar de tentar ter uma cara mais progressista. Não à toa, seu candidato à prefeitura em São Paulo - Márcio França - tenta dialogar com o Bolsonaro. Nesse sentido é um absurdo achar que se pode barrar a extrema direita com burgueses como o PSB, como faz o PSOL que se alia com esse partido em diversos lugares.




Tópicos relacionados

Miguel Otávio   /    Racismo Estrutural   /    Paulo Câmara (PSB)   /    Pernambuco   /    Recife   /    PSB   /    Racismo   /    Racismo   /    Política

Comentários

Comentar