×

Reta final do 1º turno na França | Paris: milhares de pessoas marcham contra Macron e a extrema-direita

Neste domingo, entre 2.000 e 3.000 pessoas se reuniram em Paris contra a ideologia de extrema-direita uma semana antes das eleições presidenciais. RP, organização que impulsiona a seção francesa da rede Esquerda Diário, esteve presente contra a extrema-direita e contra Macron.

terça-feira 5 de abril | Edição do dia

Créditos da foto: Revolução Permanente
Neste domingo, 3 de abril, a uma semana das eleições presidenciais, entre 2.000 e 3.000 pessoas se manifestaram para exigir “Nem mais um pio” da extrema-direita. Esta manifestação, convocada por organizações políticas e sindicais (NPA, Jeune Garde, CGT- , Solidaires etc.) que se reuniram uma última vez na rua antes do primeiro turno para denunciar “os discursos de ódio, racistas, islamofóbicos, antissemitas, sexistas e lgbtfobicos, particularmente encarnados por Zemmour e Le Pen”.
Essa manifestação foi marcada por uma homenagem às vítimas da extrema-direita assassina, esquecidas pela grande mídia e pela boca dos políticos profissionais.

Vários militantes de movimentos sociais estiveram presentes nesta manifestação, como Anthioumane, do coletivo de imigrantes sem documentos que denunciam o papel da extrema-direita e da grande mídia "que não tem outros projetos além do racismo e da islamofobia".

O Revolução Permanente, organização trotskista francesa que impulsiona a rede Esquerda Diário nesse país, esteve presente na manifestação carregando a faixa “Para dar uma bofetada na extrema-direita, Macron e no Racismo de Estado: Resposta Operária e Popular”. Presente na caminhada, Anasse Kazib declarou: “Foi importante estar lá porque temos que sair às ruas para protestar e lutar contra a extrema-direita. A realidade é que não é uma cédula na urna que vai impedir a extrema-direita. Essas pessoas não vão desaparecer depois das eleições. A melhor resposta é ir pra rua. Precisamos de um bloco de resistência, essa manifestação é um primeiro passo”.

À frente do cortejo, Irène, militante do Révolution Permanente e da juventude Poing Levé [Punho Erguido] P8, insistiu: "Se estamos aqui hoje, foi para reafirmar a nossa oposição ao governo que desde o início do mandato tem aberto caminho para a extrema-direita, dá lugar a atos como o assassinato do jogador de rugby Arumburu com a aprovação da Lei do Separatismo, que discrimina ainda mais os muçulmanos ou assimilados, com a Lei de Segurança Global que reforça a impunidade policial ou mesmo a dissolução de organizações políticas como o grupo antifascista de Lyon, o CCIF ou o coletivo Palestina Vencerá”.

A mobilização contra o clima reacionário da atual eleição deve continuar sendo uma das prioridades. Após as eleições e qualquer que seja o seu resultado, a extrema-direita terá se beneficiado da visibilidade dos seus discursos inéditos durante a atual V República. A luta nas ruas para se unir contra as políticas neoliberais e de repressão que abrem caminho para a extrema-direita e os setores mais reacionários deve ser uma prioridade para os militantes anticapitalistas.

Aqui no Brasil, derrotar a extrema-direita bolsonarista e os ataques contra a classe trabalhadora e o povo pobre que vêm aprofundando a degradação das condições de vida no país desde o golpe institucional de 2016 deveria ser uma tarefa central da esquerda. Porém, a burocracia petista nos sindicatos e movimentos sociais busca canalizar as energias e o descontentamento da classe trabalhadora para as vias institucionais e as eleições, arrastando em sua falta de independência de classe boa parte da esquerda, como o PSOL em sua diluição na campanha Lula-Alckmin e recente federação com a Rede.

Contra a extrema-direita de Bolsonaro e dos militares, e pela revogação das reformas como a da previdência e a trabalhista, bem como do teto de gastos e privatizações que arrasam com nossas vidas, não é possível confiar em um Lula que governará ao lado do neoliberal Geraldo Alckmin e do agronegócio, das mesmas atuais forças armadas saudosas da ditadura, das bancadas reacionárias e do bonapartismo anti-operário do poder judiciário.

Editorial MRT | Unificar as lutas em curso para derrotar os ataques de Bolsonaro sem ilusão nas eleições

É preciso levantar unidade na luta de classes, apoiando processos de luta da nossa classe como a greve de professores em MG e a greve dos garis do Rio de Janeiro. Uma esquerda que batalhasse pela unificação de cada processo de luta em curso contra os ataques dos capitalistas e seus governos, contra as manobras antidemocráticas das burocracias, pela reversão das reformas e privatizações, por uma Petrobrás 100% estatal sob gestão dos trabalhadores e por medidas imediatas contra a inflação como um auxílio de um salário mínimo para todos os desempregados/subempregados e o reajuste automático de salários e aposentadorias, poderia construir uma imparável e necessária força na luta de classes, para além das eleições de outubro, para impor com que sejam os capitalistas que paguem pela crise.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias