Internacional

Argentina

Paralisação total em refinarias petrolíferas da província de Buenos Aires

As fábricas estão paralisadas porque as empresas descumpriam a diretriz salarial pactuada nas joint ventures de 2019.

sexta-feira 11 de setembro| Edição do dia

Os petroleiros estão entre os essenciais que colocam a vida durante toda a pandemia para garantir a continuidade da produção dos combustíveis essenciais para a circulação de pessoas e bens.

Apesar disso, as empresas agrupadas na Câmara da Indústria do Petróleo (CIP) continuam deixando de pagar o aumento exigido nas joint ventures de 2019 e continuam devendo um aumento de 13,5% aos trabalhadores do setor. Diante disso, a Federação Sindical do Petróleo, Gás e Biocombustíveis da Argentina (FASiPeGyBio) decidiu convocar uma greve por tempo indeterminado a partir das 6h da sexta-feira, 11 de setembro.

Membros da Agrupación Naranja Petrolera da fábrica Shell-Raízen de Avellaneda disseram ao Izquierda Diário da Argentina que há muita inquietação entre os trabalhadores e que o sindicato convocou uma greve inesperada e sem realizar um processo de consulta. Esse grupo exige que sejam realizadas assembleias para definir um plano de luta, onde trabalhadores de diferentes setores das fábricas possam ter voz.

Também denunciam que enquanto realizaram o seu trabalho durante estes meses - em geral sem as necessárias condições de segurança e higiene diante da pandemia - sofreram também suspensões e demissões. A demissão do companheiro Marcos Ortiz é rechaçado por seus companheiros e continua a luta pela sua reincorporação.

As fábricas localizadas em território de Buenos Aires estão paralisadas por tempo indeterminado, aguardando medidas concretas das empresas e do Ministério do Trabalho.




Tópicos relacionados

Movimento Operário   /    Internacional

Comentários

Comentar