×

DADOS QUE DESAGRADAM | Para ocultar desemprego crônico, Guedes ataca IBGE: "na idade da pedra lascada"

De acordo com a nova pesquisa realizada mensalmente pelo IBGE (Pnad Contínua), o desemprego crônico perto dos 15 milhões se mantém, fato que desagrada o ministro bolsonarista.

sexta-feira 30 de julho | Edição do dia

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A manutenção da enorme taxa de 15 milhões de desempregados incomodou o ministro da Economia, Paulo Guedes. Disposto a deformar e ocultar os dados que indicam o impacto das reformas neoliberais que defende e da demissão massiva estimulada pelo seu governo durante a pandemia, o banqueiro resolveu criticar os resultados da pesquisa do IBGE, a Pnad-Contínua.

De acordo com a nova pesquisa realizada mensalmente pelo IBGE (Pnad Contínua), o desemprego crônico perto dos 15 milhões se mantém, fato que desagrada o ministro bolsonarista. "Vamos ter que rever, acelerar os procedimentos do IBGE, porque o IBGE ainda está na idade da pedra lascada", afirmou o ministro.

ATAQUE | Sucateamento do IBGE prejudica pesquisas sobre a realidade brasileira

Na verdade, a própria pesquisa do IBGE faz uma separação artificial entre desempregados e desalentados - aqueles que após meses ou anos de negação ao direito ao trabalho digno, acabam por desistir da procura de um emprego. No Brasil, aproximadamente metade da população economicamente ativa está sem trabalho, somando desempregados e desalentados.

Contudo, as críticas do ministro têm por objetivo atacar o IBGE porque mesmo com a separação artificial entre desemprego e desalento, os dados mostram a tragédia que significa o governo Bolsonaro e este regime político para as condições de vida e trabalho.

VEJA MAIS | Bolsonaro ameaça intervir no IBGE para maquiar o nível recorde de desempregados no Brasil

Paulo Guedes saiu em defesa dos dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) para afirmar que o Brasil está criando empregos “muito rapidamente”. Uma mentira descarada para proteger o governo que aprovou diversos ataques contra os trabalhadores em meio a própria pandemia e facilitou as demissões em massa.

"Estamos gerando praticamente 1 milhão de empregos a cada três meses e meio", mentiu, durante entrevista depois de participar de um evento na sede do Ministério da Economia no Rio de Janeiro, que lançou um aplicativo para entregar propriedades públicas nas mãos da especulação imobiliária.

Paulo Guedes segue um raciocínio matemático próximo ao de Jair Bolsonaro. Caso os dados de 1 milhão de empregos sejam reais, desconsidera completamente as demissões em massa que ocorreram e continuam a ocorrer pelo Brasil.

O Caged abarca apenas o mercado formal de trabalho, enquanto a pesquisa do IBGE abrange também os trabalhadores informais. O aumento da fome, que atinge cerca de 20 milhões de brasileiros, a inflação maior para os mais pobres, a busca por pedaços de arroz e feijão, mostram uma realidade econômica inversa da visão mentirosa de Paulo Guedes.

EDITORIAL | Fila do osso é símbolo da barbárie capitalista: por um plano de luta já




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias