Política

PEC EMERGENCIAL

Para aprovar ajuste fiscal da PEC Emergencial, governo libera 10 bi a estados

Apesar de dizer que não tem dinheiro para o auxílio e usar isso para justificar os ajustes da PEC, o governo Bolsonaro vai gastar 10 bilhões para conseguir a aprovação da mesma.

terça-feira 2 de março| Edição do dia

A hipocrisia neoliberal não tem fim. Enquanto o governo Bolsonaro alega não ter dinheiro para o auxílio e todos os grandes meios clamam por ajuste fiscal, o governo irá gastar 10 bilhões para aprovar a PEC emergencial. Em reunião com Bolsonaro, Guedes e representantes do Congresso acordaram medida que deve liberar esse valor. Apesar de estar sendo noticiado como "ajuda" aos estados, esse dinheiro será gasto de acordo com os interesses do congresso nacional sob a batuta de Artur Lira e do Centrão.

A PEC irá significar um imenso ataque ao funcionalismo e também aos serviços públicos. O Governo e os conglomerados de mídia, se aproveitando do desespero de milhões de desempregados, subempregados e precarizados que dependem do auxílio emergencial usam isso como chantagem, opondo os trabalhadores do serviço público a esse setor. No entanto, como demonstrado já pelo Esquerda Diário, a verdadeira trava do auxílio é o lucro dos banqueiros.

Ver também: Os ataques não ditos da PEC Emergencial

A verdade é que enquanto o novo auxílio emergencial será de 250 reais durante 4 meses - ou seja, quem receber o auxílio por todo o período ganhará menos que 1 salário mínimo no final das contas - o ajuste fiscal na PEC Emergencial é praticamente permanente e servirá para engordar ainda mais os banqueiros.




Tópicos relacionados

Bolsonaro   /    Ajustes   /    PEC Emergencial    /    Paulo Guedes   /    Governo Bolsonaro   /    Jair Bolsonaro   /    Ajustes Fiscais   /    Pacote de ajustes   /    Política

Comentários

Comentar