VACINA

Pane em refrigerador provoca perda de 37% das vacinas de Igarapé, MG

A precarização na saúde pública no munícipio de Igarapé, região metropolitana de BH, foi responsável pela pane de refrigerador que armazenava uma quantidade considerável d de vacinas contra a COVID-19 para a população da cidade. 229 doses foram descartadas. A gestão de Romeu Zema (Novo) é parte fundamental da precarização do SUS em todo o estado e pela gestão catastrófica da pandemia.

terça-feira 16 de fevereiro| Edição do dia

Refrigerador onde as vacinas estavam guardadas em Igarapé não funcionou no fim de semana, e doses foram perdidas. — Foto: Eduardo Amorim / TV Globo

Segundo a prefeitura de Igarapé, a vacinação na pequena cidade terá que ser suspensa porque as doses da vacina tiveram que ser descartas. Ao todo, são 1.300 moradores infectados na cidade e 25 mortes em decorrência de quadros agravados de Covid-19. Porém, até está segunda-feira (15), somente 90 pessoas foram vacinadas.

O município contava com um estoque bastante pequeno de 612 dose recebidas em três lotes. Em nota, o governo estadual, por meio da secretaria de saúde, somente comprometeu-se à investigação do ocorrido, pois também fez parte da precarização de todo sistema de Saúde Pública, promovida por Romeu Zema em uma gestão privatista, que em nenhum momento promoveu um controle cientifico da pandemia, com testes massivos e fornecimento de leitos suficientes para que todos infectados pudessem ser tratados em casos graves, elevando o número de mortes em proporções plenamente evitáveis.




Tópicos relacionados

Vacina contra a covid-19   /    Vacina   /    Vacinação   /    Crise na Saúde   /    Romeu Zema   /    Minas Gerais   /    Belo Horizonte

Comentários

Comentar