×

NOVA YORK | Orgulho LGBTQIA+ sem policiais: eles estão proibidos de participar da marcha de Nova York

A decisão de expulsar policiais da parada do orgulho LGBTQIA+ de Nova York foi tomada pelos organizadores após o surgimento do movimento que há um ano foi desencadeado após o assassinato de George Floyd ao grito de Black Lives Matter, questionando o racismo institucional e o papel da polícia.

segunda-feira 31 de maio | Edição do dia

Foto: Acima, oficiais do departamento de polícia de Nova York na marcha do orgulho de 2019. Abaixo uma manifestação LGBTQI+ contra o envolvimento da polícia.

Imagens de policiais gays e lésbicas participando de marchas de orgulho com suas próprias bandeiras têm sido objeto de controvérsia por vários anos nos Estados Unidos. Os argumentos abrangem, desde a própria origem do movimento de libertação sexual com a revolta de Stonewall confrontando as forças repressivas nas ruas, até o assédio que ainda está em vigor como denuncia constantemente o coletivo trans.

Há exatamente um ano, o assassinato de George Floyd desencadeou um movimento contra o racismo institucional e a violência policial contra os negros nos Estados Unidos, abrindo uma nova situação. O vídeo do policial Derek Chauvin matando Floyd viajou pelo mundo onde surgiram protestos com a consigna Black Lives Matter. Grandes partes da juventude começaram a questionar o papel das forças repressivas, exigindo desde seu desfinanciamento até sua abolição.

Pode te interessar: Hot sale del orgullo: ¿qué pasa cuando la liberación sexual se vuelve un negocio?

É nesse contexto que os organizadores da marcha do orgulho LGBTQI+ em Nova York decidiram proibir a participação de policiais e agentes penitenciários até 2025. Até esse ano, eles garantem que vão rever sua possibilidade de participar e tomar medidas para reduzir sua presença em relação a tarefas “de segurança”. A mudança lhe rendeu um editorial no New York Times, onde eles os acusam de serem pouco inclusivos e de promover a divisão.

Em seu comunicado, os organizadores dizem que estão tomando a decisão com o objetivo de "criar espaços mais seguros para as comunidades LGBTQIA+ e BIPOC (negros, povos nativos e pessoas de cor) em um momento em que a violência contra grupos marginalizados, especificamente BIPOC e comunidades trans, continua aumentando".

No entanto, eles dizem que vão contratar segurança privada, empresas que muitas vezes estão intimamente ligadas a forças repressivas. E, por sua vez, relativizam o papel da polícia que o movimento Black Lives Matter colocou no centro da cena, aludindo ao fato de que "a sensação de segurança que a aplicação da lei deve fornecer pode ser ameaçadora" e pedindo que eles "corrijam seu curso no futuro".
Se eles derem um passo como o atual, é por causa da força do movimento que surgiu no ano passado, que também teve sua expressão com mobilizações que exigiram Black Trans Lives Matters, e que continua gerando repercussões.

Pode te interessar: mais de 15.000 manifestantes no Brooklyn disseram "Vidas Negras Trans Importam"

Desde 1996, a polícia de Nova York tem sido autorizada a andar com seus uniformes em marchas de orgulho LGBTQI+ graças a uma ação judicial movida pela Liga de Ação de Oficiais Gays (GOAL). Essa política de "inclusão", impulsionada pelas próprias forças e vista em muitas partes do mundo, tem apenas um objetivo: lavar a cara de uma instituição que sistematicamente reprime setores oprimidos e trabalhadores que lutam por seus direitos, e cuja função é defender os interesses de uma minoria empresarial.

Parte disso pôde ser vista em 2017, quando no meio da marcha do orgulho em Nova York foram presos doze ativistas da organização "No Justice No Pride" que estavam justamente denunciando a interferência de grandes corporações e a presença da polícia.

Sob essas demandas é que setores críticos das chamadas oficiais começaram a surgir, como a Marcha de Libertação Queer, que desde 2019 chama mobilização denunciando que as grandes empresas financiam as Paradas de Orgulho LGBTQIA+ de acordo com seus próprios lucros, bem como a presença de forças repressivas. O que mostra como após a revolta de Stonewall, surgiram setores que se afastaram completamente da perspectiva radical e anticapitalista que o movimento de libertação sexual tinha em seus primórdios, e sob a política de "inclusão" forjou uma aliança com grandes corporações e até mesmo as instituições mais reacionárias das democracias capitalistas, como as forças repressivas.

Pode te interessar: Defunding, abolição, sindicalização: o que fazemos com a Polícia?




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias