Política

PARALISAÇÃO DOS TRANSPORTES

“Organizar a luta pela base, rumo a paralisação do dia 20” - diz Diretora do Sindicato dos Metroviários

A situação diante da crise sanitária, econômica e política se torna mais caótica a cada dia. As medidas insuficientes dos governos, a demagogia de Doria e agora de Bolsonaro diante da vacina, mais de 4 mil mortes por dia, número recorde de desempregados e o aumento da carestia, gritam a necessidade de luta. Diante disso, os trabalhadores dos transportes em São Paulo estão chamando paralização no dia 20 de Abril.

sábado 10 de abril| Edição do dia

A pandemia que escancarou a desigualdade no capitalismo e a importância da classe trabalhadora para o funcionamento da sociedade, a cada dia mais mostra a quem serve toda a política assassina implementada no Brasil, tanto por Bolsonaro quanto pelos governadores, cada um com a sua roupagem, todos a serviço dos lucros dos empresários.

Como resposta à calamidade ocorrem processos de luta pelo país, como o indicativo de paralisação dos transportes em São Paulo dia 20 de Abril.

Veja mais: Trabalhadores entram em greve em Taubaté contra o encerramento da produção de celulares da LG

Paralisações e ações de rodoviários se espalham pelo país contra atrasos salariais e mortes por covid

Trabalhadores da Trensurb aprovam em assembleia paralisação para o dia 20 de abril

Fernanda, diretora do Sindicato dos Metroviários, disse ao Esquerda Diário: “Votamos essa paralisação do metrô no dia 20, diante do cenário caótico que nos encontramos com todos os desdobramentos da crise e a partir desse chamado dos transportes em SP. Algumas categorias em outros estados também estão chamando paralisação para esse dia. Por isso precisamos construir esse dia pela base com assembleias e reuniões em cada local de trabalho, democráticas, onde todos os trabalhadores possam falar e fazer propostas para a luta, uma luta que levantamos pela vacinação e contra todos os ataques, por isso precisamos organizar pela base, unir todas as categorias em torno dessa luta e massificar essa luta em escala nacional em diálogo aos trabalhadores em luta por todo o país.

A necessidade da auto organização se coloca com ainda mais força quando vemos a postura das centrais sindicais como a CUT e a CTB que não estão organizando a luta, o que ficou claro do dia 24, pois tem um política de concentrar tudo em 2022, enquanto as mortes estão acontecendo agora, os trabalhadores da linha frente estão na linha de frente agora. Por isso esse chamado e a importância da unidade de todas as categorias que organizem desde a base esse dia de luta.

Veja também: Nenhuma luta deve ficar isolada: as centrais sindicais precisam unificar todas as lutas

O Esquerda Diário se coloca ativamente na construção do dia 20 e está a disposição dos trabalhadores para que esse dia seja um dia nacional de luta pela vacinação e contra as retiradas de direitos.




Tópicos relacionados

Trabalhadores dos Transportes   /    Auto-organização    /    Metrô   /    Política   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar