Sociedade

Operário do meme de Suez trabalhou 21h por dia e não recebeu salário

Correu na internet uma foto de uma escavadeira sendo usada para liberar um navio que encalhou em Suez após ser atingido por ventos fortes. A desproporcionalidade dos tamanhos da escavadeira em comparação ao do navio virou motivo de memes que foram surgindo rapidamente. Entretanto, o que a foto não conseguiu retratar foi a precarização do trabalho, a superexploração e as péssimas condições de trabalho às quais o operador da escavadeira foi submetido.

sábado 10 de abril| Edição do dia

O operador da escavadeira que tentou liberar o navio Ever Given no último mês disse ainda não ter recebido o pagamento pelos dias trabalhados. Em entrevista ao Business Insider, Abdullah Abdul-Gawad, de 28 anos, conta que ele e seus colegas reuniram esforços 21 horas por dia - quase sem dormir - e que ele não achava a situação engraçada. Abdul-Gawad contou que a equipe descansou em um quartel usado por guardas de fronteira que trabalham nas proximidades durante os dias da missão. "Eles sabiam que, se fôssemos para casa, não nos veriam por mais oito ou nove horas."

O grupo dormia cerca de três horas por noite e, quando o esforço teve sucesso no dia 29 de março, Abdul-Gawad afirmou que ele e seus colegas estavam "quase mortos de exaustão". "Tínhamos sido forçados ao nosso limite", conta.

Além disso, o fato dos trabalhadores da operação ainda não terem recebido seus salários torna-se ainda mais absurdo quando descobrimos os sérios perigos pelos quais correram: "A questão é que eu estava com medo de que o navio pudesse inclinar-se muito para um lado ou para o outro. Porque se ele cai do meu lado, então é adeus para mim, e adeus para a escavadeira", contou. "Se você vê o tamanho do navio e vê o tamanho da escavadeira, é absolutamente assustador."

Após o sucesso da operação, Abdul-Gawad disse que mal foi incluído nas comemorações e não recebeu nenhum reconhecimento oficial pela sua atuação.




Tópicos relacionados

Canal de Suez   /    Atraso de salários   /    precarização   /    Sociedade   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar