×

Guerra na Ásia | O triunfo dos Talibãs e o novo momento Saigon dos Estados Unidos no Afeganistão

Vinte anos após a queda das Torres Gêmeas e a invasão americana do Afeganistão para derrubar o Talibã, com o argumento de que os reacionários do Talibã estavam protegendo o terrorismo internacional, o país está paradoxalmente na situação oposta.

segunda-feira 16 de agosto | Edição do dia

O trágico colapso do estado afegão está se tornando iminente à medida que o Talibã avança em grande parte do país a uma velocidade inimaginável. Eles já controlam mais território do que em qualquer momento desde que o Emirado Islâmico do Afeganistão, instalado pelo Talibã, foi derrubado em 2001 pela Operação Enduring Freedom, liderada pelos EUA, com a OTAN e seus aliados locais da Aliança do Norte.

O Talibã e outros grupos insurgentes islâmicos dominaram mais de 200 dos 410 distritos desde que começaram sua ofensiva há dois meses, capturando 21 capitais de províncias de 34 em todo o Afeganistão. Durante 2021, pelo menos 5.500 pessoas foram mortas e feridas (principalmente mulheres e crianças) e 500.000 pessoas foram deslocadas de suas casas de acordo com a Missão das Nações Unidas no Afeganistão (UNAMA).

A chave foi a retirada quase unilateral dos EUA do teatro de operações, deixando para trás um governo fraco sem legitimidade e dividido entre o ex-presidente Ashraf Ghani, o vice-presidente Abdullah Abdullah com funções executivas e os ainda influentes senhores da guerra, a maioria deles acusados de crimes contra a humanidade, como o ex-vice-presidente Abdul Rashid Dostum; cerca de 250.000 mortos entre civis, soldados e combatentes talibãs; um país devastado cujo governo é 75% dependente do apoio internacional de acordo com o Banco Mundial; enquanto o país afunda de volta numa provável guerra civil.

Para os EUA, após 20 anos de ocupação militar, a evacuação do Afeganistão marca o bis vietnamita, ou o momento da retirada de Saigon: outra guerra que aprofunda o relativo declínio hegemônico do império americano, o fracasso de sua política de intervenção militar, da mudança de regime e da propaganda (e imposição) do século norte-americano. Uma geoestratégia idealizada pelos neoconservadores para a reengenharia regional da Ásia Central e do Oriente Médio (como continuaram mais tarde com a invasão do Iraque) visando evitar a ascensão que marcou a fundação da Organização de Cooperação de Xangai alguns meses antes da queda das Torres Gêmeas em 11 de setembro e da invasão do Afeganistão. Assim, o Afeganistão foi mais uma vez um país-chave na corrida pelo controle da Ásia Central.

O avanço do Talibã

Em fevereiro de 2020, foram abertas negociações e assinados acordos muito breves em Doha (Emirados Árabes Unidos) entre diplomatas norte-americanos e a delegação talibã liderada por Mullah Abdul Ghani Baradar, estabelecendo três eixos a serem cumpridos dentro de um período de poucos meses, de acordo com os interesses do então presidente Donald Trump e excluindo o governo afegão de Ashraf Ghani.

Uma delegação liderada pelo vice-presidente Abdulah Abdulah - chefe de um suposto "Conselho de Reconciliação Nacional", que aparentemente é apenas um concílio postiço - nas últimas semanas levou o governo civil afegão a uma nova rodada de negociações em Doha, com a intenção de negociar uma retirada "ordeira" do Exército Nacional Afegão e de suas Forças de Segurança. Não está claro até que ponto há acordo com Ghani, seu arqui-inimigo dentro do círculo interno de Cabul. A fraqueza de Cabul sugere que as condições de negociação permanecem nos moldes estabelecidos em fevereiro de 2020: o Talibã não apoiaria outros grupos jihadistas (Al Qaeda, Estado islâmico Khorasan), seriam feitos progressos nas negociações de paz com o governo oficial, e seria estabelecido um prazo para a retirada das forças dos EUA e da OTAN sem ataques. Em troca, o Talibã recebeu a libertação de milhares de prisioneiros.

As negociações não podem ser isentas do equilíbrio de poder imposto ao território, então a nova administração de Joe Bien modificou os cronogramas estabelecidos no ano passado, e anunciou unilateralmente sua retirada da guerra mais impopular de sua história para 11 de setembro deste ano, para coincidir com o aniversário do ataque às Torres Gêmeas, acrescentando simbolismo e epicidade ao que é claramente uma derrota. Enquanto as negociações do alto comando do Talibã se comprometem com um roteiro "responsável" que respeita os direitos básicos das populações, milhares de relatos de abusos e violência estão chegando ao teatro de operações. Isto mostra que, na realidade, ou a liderança talibã não está articulada com o corpo de suas forças (formada por líderes tribais interessados em si mesmos) ou as negociações são um manto para ganhar tempo no território.

À medida que as tropas norte-americanas deixam o país, incluindo a icônica base de Bagram, os Talibãs estão ganhando terreno em muitas províncias: eles já controlam praticamente todas as capitais de província, e a capital Cabul, com uma força estimada em 100.000 combatentes. A maioria deles foi conquistada sem resistência, por um lado porque as forças governamentais estão recuando, desertando ou juntando-se às divisões mujahideen em um processo que é o reverso dos confrontos travados em 2001 quando o Talibã mudou de lado; por outro lado, porque, dada a fraqueza do Exército Nacional Afegão, os anciãos das aldeias estão intervindo para evitar massacres e maior violência. As populações mais comprometidas com a ocupação estão fugindo para campos de refugiados precários, onde há cerca de 300.000 pessoas.

Desde 2014, o Talibã ganhou uma base no norte do país (um antigo reduto da chamada Aliança do Norte, uma coalizão anti-Talibã que resistiu ao seu domínio entre 1994 e 2001) e de lá se espalhou para o centro e o sul. As últimas cidades conquistadas pelo Talibã são Kandahar - a segunda maior cidade do país, onde o movimento Talibã nasceu em 1994 - Herat, Lashkar Gah, Ghazni e Pul-e-Alam, a apenas 150 km da capital. Lutadores talibãs conquistaram recentemente o enclave norte anti-Talibã de Mazar-i-Sharif, uma cidade cuja organização militar é liderada pelo veterano senhor da guerra usbeque Dostum (ex-líder da Aliança do Norte) e seu exército pessoal. A capital foi conquistada com a fuga de Ghani.

Retirada dos EUA e da OTAN?

Desde que os Estados Unidos colocaram sua primeira bota no Afeganistão, coroou seu declínio hegemônico. É interessante observar os altos e baixos das administrações norte-americanas, que não só respondem à sua visão de si mesmas como o "centro do mundo livre", mas também às necessidades da política interna dos EUA. Tal foi a batida em Abbottabad, Paquistão, para capturar o então líder da Al Qaeda, Osama Bin Laden.

Biden continua a retirada iniciada por Trump, anulando a luta sobre o Afeganistão, a fim de concentrar recursos no "pivô para a Ásia" iniciado por Obama. Entretanto, os EUA, após bombardear as posições do Talibã nos últimos dias, enviaram 3.000 soldados para assegurar o aeroporto internacional de Cabul e organizaram a evacuação do pessoal da embaixada dos EUA, sem dar asilo a milhares de afegãos que tentam fugir do país.

Mas quando o porta-voz do Pentágono John Kirby foi perguntado por que tantas tropas estavam sendo enviadas, ele disse que era uma medida de "preparação prudente", acrescentando: "Queremos ter certeza de que temos tropas suficientes disponíveis para nos adaptarmos a qualquer contingência".

O anúncio do destacamento de tropas veio no mesmo dia em que o Talibã capturou a cidade de Ghazni, trazendo o grupo a 150 quilômetros de Cabul. Enquanto as potências ocidentais se alinham para partir, é difícil exagerar a tragédia de uma situação em que milhares de pessoas morreram, milhões se tornaram refugiados e bilhões de dólares em recursos foram queimados apenas para que o Afeganistão acabasse paradoxalmente onde começou há 20 anos.

A ascensão do Talibã e das áreas de influência

Em primeiro lugar, o Afeganistão está localizado em uma localização estratégica na Ásia Central, é referido como um "estado pivô", o que poderia permitir-lhe controlar o fluxo de recursos naturais na região, rica em petróleo, gás e minerais. Por esta razão, o país foi cobiçada por vários impérios ao longo da história, que os povos que habitam a região do Afeganistão repeliram em várias ocasiões.

Como explica Gabriel Merino, sociólogo e pesquisador do CONICET, o Afeganistão é um estado tampão que surgiu no Grande Jogo do século XIX entre o Império Britânico e suas possessões coloniais na Índia, que buscava avançar para o norte em direção à Ásia Central, e o Império Russo, que buscava uma saída para o Oceano Índico. Este choque foi decisivo para a delimitação de suas fronteiras. Ao longo do século XX, o país esteve numa encruzilhada entre os interesses de potências regionais como a URSS, Paquistão e China, causando instabilidade constante, modernizações frustradas e mudanças de regime político.

Em 1978 foi criada uma República Popular pró-soviética que tentou impor uma nova estrutura política e social - que, enquanto desenvolvia o país em vários aspectos como saúde, agricultura, indústria e educação, subestimava a importância dos interesses tribais e as tradições religiosas das pessoas que ali viviam. Isso resultou em revoltas contra o governo pró-soviético, o que rapidamente levou a uma intervenção da URSS em 1979 para evitar o colapso do Estado afegão, tentando evitar o surgimento de tendências similares na Ásia Central e reafirmando seu papel como potência regional em um contexto no qual era previsível uma intervenção americana na fronteira e recém-nascida República Islâmica do Irã, após uma revolta que derrubou a monarquia pró-ocidental de Shah Reza Pahlavi.

A ocupação deu aos mujahideen ("guerrilheiros islâmicos"), como diz Ezekiel Kopel, "uma narrativa de resistência piedosa quase sonhada (...) o jihadismo afegão foi fortalecido sob a narrativa do confronto contra os estrangeiros invasores, mas é também o filho bastardo das disfuncionalidades e divisões inerentes a essas sociedades".

A República Islâmica do Irã e seu líder, o clérigo xiíta Rouholla Khomeini, mudaram o paradigma dentro do Islã, radicalizando posições entre as tendências sunitas rigoristas como o wahhabismo, dominante na Arábia Saudita, que buscava recuperar a iniciativa e combater a influência persa. A monarquia saudita financiou centros de estudos islâmicos no Paquistão, Egito e em outros países da região. Isso deu origem aos primeiros mujahideen que combateram a URSS no Afeganistão (1979-1989) com o apoio da CIA e sua contraparte paquistanesa, a Diretoria de Inteligência Inter-Serviços (ISI), assim como as tropas chinesas para as quais a influência da URSS na Ásia Central era fundamental, e numerosos mercenários e fanáticos religiosos de todo o mundo islâmico.


Imagens da guerra afegã-soviética de 1979-1989

Os Talibãs foram formados em 1994 após a retirada soviética (1989) e a expulsão do que restava do governo secular (1992). Eles eram uma facção ultra-ortodoxa dos mujahideen liderada pelo clérigo Mullah Omar. A eles se juntaram os jovens das tribos Pashtun que estudaram em madrassas paquistanesas ou seminários financiados principalmente pela Arábia Saudita; Talibã significa "estudantes". Os pashtuns constituem a maioria no Afeganistão e são o grupo étnico predominante em grande parte do sul e leste do país; eles também são um grupo importante no norte e oeste do Paquistão. Nesse sentido, podemos definir o Talibã como um movimento nacionalista etno-eligioso, determinado a reconstruir um Afeganistão a partir de um passado forte percebido e integrado em padrões regionais limitados de poder e comércio, bem como capaz de defender seus próprios interesses espacialmente localizados.

O movimento atraiu algum apoio popular na era pós-soviética ao prometer estabilidade e o Estado de direito após quatro anos de conflito (1992-1996) entre grupos mujahideen rivais. Eles entraram em Kandahar em novembro de 1994 para pacificar a cidade devastada pelos conflitos do sul e, em setembro de 1996, tomaram a capital, Cabul. Naquele ano, o Talibã declarou o Afeganistão um emirado islâmico, que veio a ser reconhecido pelo Paquistão, pela Arábia Saudita e pelos Emirados Árabes Unidos, e estava em conversações com outros países (incluindo a China). O regime controlava cerca de 90 % do país antes de sua derrubada em 2001.

O Talibã impôs uma dura marca de justiça ao consolidar o controle territorial. A jurisprudência talibã foi extraída do código tribal Pashtun pré-islâmico e das interpretações da Sharia alimentadas pelas doutrinas wahhabi da madrassa saudita. O regime negligenciou os serviços sociais e outras funções básicas do Estado, chegando a impor proibições a comportamentos que o Talibã considerava pouco islâmicos. As mulheres eram obrigadas a usar burqas da cabeça aos pés; a música e a televisão eram proibidas; e qualquer homem cuja barba fosse considerada muito curta seria preso.

Desde que os EUA entraram no Afeganistão com a duvidosa desculpa de desmantelar as redes terroristas internacionais, o grupo tem resistido às operações de contrainsurgência da aliança militar mais poderosa do mundo, a OTAN, e três administrações americanas e uma ocupação militar que atingiu 130.000 soldados em 2011.

A Asia Foundation descobriu em 2009 que metade dos afegãos, em sua maioria pashtuns e afegãos rurais, simpatizavam com grupos armados que se opõem ao governo, principalmente os Talibãs. O apoio afegão ao Talibã e aos grupos aliados foi devido ao fracasso das instituições estatais estabelecidas com o apoio imperialista.

Mas em 2019, uma resposta à mesma pesquisa constatou que apenas 13,4% dos afegãos simpatizavam com o Talibã. Quando as conversações de paz intra-afegãs pararam no início de 2021, uma maioria esmagadora dos entrevistados disse que era importante proteger os direitos das mulheres, a liberdade de expressão e a constituição atual, que é baseada em uma República Islâmica, mas permite vários direitos sociais e políticos. O que mostra que o governo fundamentalista burguês do Talibã provavelmente não terá legitimidade nos territórios que ocupa.

A nova corrida para a Ásia Central?

O avanço acelerado do Talibã após a retirada das forças norte-americanas alertou tanto Pequim quanto Moscou, que tiveram que estabelecer contato com os islamistas a fim de chegar a acordos básicos de coexistência e segurança ao longo de suas fronteiras. No caso da China, também foi mencionado seu interesse em pacificar o país e integrá-lo ao Belt and Road Initiative (Nova Rota da Seda) e até mesmo à Organização de Cooperação de Xangai. A este respeito, a Rússia e a China realizaram recentemente exercícios militares conjuntos em Ningxia, uma província chinesa ocidental próxima a Gansu e Xinjiang, esta última fazendo fronteira com países da Ásia Central e lar de mais de 1 milhão de muçulmanos Uighur, milhares dos quais estão presos em campos de concentração e potencialmente radicalizados pela situação regional. Compartilhando uma fronteira próxima com o Afeganistão, Pequim está tomando medidas que poderiam indicar o interesse de Xi Jinping em forjar acordos com o Talibã para frear os movimentos separatistas nessas regiões.

Á medida que a batalha pelo controle do Afeganistão se desenrola após a retirada das tropas estrangeiras, o Paquistão também terá como objetivo consolidar sua influência no país, pois enfrenta ameaças de atividade militante islâmica radical em seu próprio território a fim de assegurar projetos economicamente vitais sob o Corredor Econômico China-Paquistão (CPEC).

Desde janeiro deste ano, os diplomatas iranianos também dialogaram com líderes talibãs, que foram recebidos em Teerã pelo Ministro das Relações Exteriores iraniano Javad Zarif e pelo Secretário Supremo do Conselho Nacional de Segurança Ali Shamkhani, onde a necessidade de formar um "governo inclusivo" no Afeganistão e os problemas de segurança associados ao tráfico de drogas e à violência gerada pelos grupos separatistas Baluschies na fronteira entre os dois países foram discutidos de forma sigilosa.

Perspectivas para o teatro afegão

As vitórias aceleradas do Talibã estão ocorrendo em um contexto global particular de declínio relativo da hegemonia americana, que ainda mantém uma supremacia global indiscutível. Mas estas derrotas minam ainda mais seu poder. Os cenários possíveis para o trágico teatro afegão, segundo os analistas, são: no futuro imediato pode-se pensar num aprofundamento do conflito civil e numa situação de fragmentação territorial na qual mesmo tendências opostas dentro do Talibã emergem, expressando as brutais diferenças regionais, tribais, étnicas e religiosas que caracterizam a paisagem afegã.

Tal contexto será propício ao estabelecimento de zonas de influência pela China, Paquistão, Índia, Rússia e Irã, semelhantes às estabelecidas na Síria após a guerra civil. Menos provável é o estabelecimento de um governo de "Unidade Nacional" no qual a violência que reflete a enorme fragmentação de interesses seja, pelo menos parcialmente, contida, o que exigirá um plano de financiamento abrangente para substituir as fontes de receita da economia ilegal (saque, seqüestro, tráfico de pessoas, armas e drogas) que hoje constituem a principal renda tanto do governo afegão quanto do Talibã.

A tragédia no Afeganistão deve ser acompanhada de perto pelos trabalhadores e socialistas do mundo, lutando pela retirada de todas as tropas imperialistas que só beneficiarão os mesmos aliados que nada têm a ver com os interesses do povo trabalhador afegão, e lutar para evitar novas catástrofes e intervenções semelhantes em outros países. Assim como a oposição veemente ao reacionário fundamentalismo burguês do Talibã, inimigo dos trabalhadores e das mulheres no Afeganistão.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias