Internacional

Guerra no Cáucaso

O que há por trás do enfrentamento entre Armênia e Azerbaijão?

O ódio nacional que alimentam reaccionariamente os governos do Azerbaijão e Armênia, é um incentivo suficiente para a guerra. Diversas potências vão se alinhando em um ou outro lado, de acordo com seus interesses.

Claudia Cinatti

Buenos Aires | @ClaudiaCinatti

sexta-feira 9 de outubro| Edição do dia

Enquanto o mundo ainda aguarda mais informações sobre a covid positiva de Donald Trump, que acrescentou incerteza à já incerta campanha eleitoral dos EUA, dezenas de milhares de quilômetros de Washington (mas geopoliticamente não tão longe do "oeste") Armênia e Azerbaijão estão à beira de uma nova guerra pelo controle de Nagorno Karabakh.

Desde 27 de setembro, quando estourou essa nova etapa do conflito, a escalada militar está crescendo. Embora o teatro de operações ainda esteja em grande parte confinado ao território do enclave disputado, o bombardeio poderia ter afetado o gasoduto estratégico Baku-Tblisi-Ceyhan (BTC) que transporta petróleo bruto do Azerbaijão para os mercados na Europa. Há combates virulentos, concentração de tanques, helicópteros e tropas. Os mortos e feridos, incluindo civis, já somam centenas. Apesar dos repetidos apelos ao cessar-fogo e dos esforços das potências mediadoras, principalmente da França e da Rússia (os Estados Unidos mantiveram-se indiferentes), ainda não há sinais político-militares de nenhuma das partes beligerantes que caminhem nessa direção.

A reativação do conflito entre a Armênia e o Azerbaijão é um evento há muito proclamado. Em meados de julho, em um confronto na fronteira a mais de 300 quilômetros de Nagorno Karabakh, a Armênia matou um general e vários soldados azerbaijanos. Esta escaramuça provocou uma onda de mobilizações nacionalistas reacionárias no Azerbaijão, autorizadas pelo governo, que estavam criando um clima mais do que favorável ao relançamento da guerra.

Dois dias antes do início das hostilidades, o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, anunciou a iminência do ataque na (virtual) Assembleia Geral das Nações Unidas, embora tenha passado praticamente despercebido. Em seu discurso, Aliyev reafirmou a decisão de seu governo de restaurar o controle de Nagorno Karabakh e das regiões adjacentes. O apoio decisivo da Turquia ao Azerbaijão fez o resto.

O momento não é acidental. Os governos de ambos os países passam por uma situação interna crítica devido à pandemia do coronavírus, às dificuldades econômicas e à rejeição gerada por suas políticas antidemocráticas.

No Azerbaijão, que havia sido convertido em um "petroestado", a crise econômica derivada da queda dos preços do petróleo vinha alimentando o descontentamento popular com o governo autoritário de Ilham Aliyev, no poder desde 2003, que exerce brutal controle social por meio da repressão e as ações de um vasto aparato de segurança do Estado.

Na Armênia, o primeiro-ministro Nikol Pashinyan, que chegou ao poder em 2018 como resultado de uma "revolução de veludo", deu uma volta pragmática em relação à Rússia, enfrentando uma crise em sua coalizão de governo e uma queda no PIB de pelo menos menos 6% na pandemia.

E embora até agora seja um conflito com motores locais, o quebra-cabeça geopolítico regional e global desempenha seu papel, em particular as relações estabelecidas nos teatros de guerra do Oriente Médio.

A região do Sul do Cáucaso, em particular Nagorno Karabakh e áreas adjacentes, tem sido palco de combates de baixa intensidade. Mas, em termos gerais, esses “conflitos congelados” como o da Armênia-Azerbaijão, nos quais não há guerra formal, mas também nenhum “acordo de paz” estabelecido, foram mantidos contidos na antiga esfera soviética com a mediação da Rússia e que segue sendo a potência hegemônica na região.

A Armênia está integrada na órbita russa. Faz parte da União Econômica da Eurásia e da Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO), a contraparte russa da OTAN pela qual o Kremlin seria obrigado a intervir militarmente se seu território fosse atacado, o que não é o caso agora, visto que os confrontos estão ocorrendo em Nagorno Karabakh, ou seja, no Azerbaijão.

Além disso, a Rússia possui uma base militar na Armênia, com cerca de 5.000 soldados. Ao mesmo tempo, Vladimir Putin mantém relações com o governo do Azerbaijão. Ele vende armas para os dois. E acima de tudo, ele está interessado em manter as relações comerciais e preservar o corredor estratégico que liga o Irã e o sul da Ásia à Rússia. Isso explica por que a política de Moscou é evitar qualquer escalada e tentar redirecionar a situação para as negociações de paz, como já fez em outras ocasiões.

No entanto, a intervenção ativa da Turquia, um aliado histórico do Azerbaijão e responsável pelo genocídio armênio de 1915, alterou qualitativamente a dimensão estratégica de um conflito local para um que envolve potências regionais, grandes e médias com projeção global. Isso levanta a possibilidade de um confronto, mesmo acidental, entre Turquia e Rússia, que já competem em outros cenários, como Líbia e Síria. Envolve o Irã do lado da Armênia e da Rússia, e Israel do lado do Azerbaijão, que tem um interesse particular contra o Irã, bem como negócios interessantes na venda de armas ao Azerbaijão. Também estão se aprofundando as divisões dentro da OTAN, da qual a Turquia é membro. Há o paradoxo de que as potências da OTAN estejam alinhadas com a Rússia na tentativa de desarmar essa bomba-relógio e retornar a um status quo relativo, contra a posição abertamente beligerante do presidente turco Recep Tayyip Erdogan, que empurra a situação aos extremos.

Esta ingerência aberta da Turquia no Cáucaso faz parte da ofensiva na política externa de Erdogan que, como no caso de outros atores regionais, se explica mais pelo enfraquecimento da liderança dos Estados Unidos e das divisões da União Europeia do que por suas próprias forças. Erdogan passou a exportar o "modelo turco" como forma de desviar a "Primavera Árabe" de 2011 e, para isso, apoiou o governo da Irmandade Muçulmana no Egito. A derrota dessa linha por uma saída ainda mais reacionária a deixou em desvantagem contra a Arábia Saudita e em inimizade com os Estados Unidos, a quem acusou de ter pelo menos tolerado a tentativa de golpe militar de julho de 2016.

Mas Erdogan compensou o erro de cálculo com um "ativismo crescente", que acabou valendo a pena. A Turquia tornou-se um fator decisivo para qualquer saída na Síria e na Líbia, onde está do lado oposto da Rússia (e da França no caso da Líbia). Lançou repetidos ataques militares contra os curdos na Síria, mesmo quando eles eram os únicos aliados dos EUA no local. E recentemente lançou uma disputa territorial com a Grécia e Chipre com o objetivo de garantir as rotas de petróleo e gás do Mediterrâneo. Este "neo-otomanismo" de Erdogan é acompanhado por uma virada bonapartista brutal e repressiva no plano doméstico, particularmente contra a oposição curda do Partido Democrático Popular.

Em suma, embora o ódio nacional que os governos do Azerbaijão e da Armênia incentivam de forma reacionária seja um incentivo mais do que suficiente para a guerra, várias potências estão se alinhando em ambos os lados de acordo com seus próprios interesses.

O conflito em Nagorno Karabakh é antigo. Tem suas origens na política de opressão nacional de Stálin, que como comissário para as nacionalidades na década de 1920, entre outras imposições, incluía Nagorno Karabakh, uma maioria armênia, dentro das fronteiras do Azerbaijão. Esta política de Stálin de negar os direitos de autodeterminação nacional das menores e historicamente oprimidas nacionalidades pelo czarismo foi denunciada por Lênin em seu testamento como um chauvinismo contrário aos interesses da classe trabalhadora, uma vez que a "injustiça nacional" conspirou contra a solidariedade dos explorados e minou a luta anti-imperialista. A história provou que ele estava certo.

Na véspera do colapso da União Soviética, sob o governo Gorbachev, a independência nacional foi um motor de mobilizações populares e uma oportunidade para os burocratas se reciclarem em líderes nacionalistas.

As mobilizações pela independência de Nagorno Karabakh e sua reunificação com a Armênia, e os pogroms anti-armênios, começaram em 1988. Em 1991, com a dissolução da União Soviética, a região votou esmagadoramente pela independência em um referendo, que acabou desencadeando uma guerra no Azerbaijão em 1992 contra o direito do enclave à autodeterminação nacional. Esta guerra brutal, que deixou 30.000 mortos e um milhão de desabrigados, foi suspensa por um cessar-fogo em 1994 negociado principalmente pela Rússia, Estados Unidos e França (além da Armênia e Azerbaijão) que formaram o chamado "Grupo de Minsk". O acordo manteve Nagorno Karabakh dentro das fronteiras do Azerbaijão, mas sob um governo armênio.

As Nações Unidas rejeitaram o direito à autodeterminação nacional. E a república independente de Artsakh, proclamada por Nagorno Karabakh, não foi reconhecida por nenhum país (nem mesmo pela Armênia). Além disso, no decorrer da guerra, a Armênia, apoiada pela Rússia, avançou não apenas em Nagorno Karabakh, mas também em uma faixa considerável do território azerbaijano circundante, expulsando a população local, que não foi autorizada a retornar. após os acordos de Minsk. Devido a essa dinâmica das últimas décadas, no momento do conflito o que parece prevalecer é o uso reacionário do nacionalismo por parte dos governos capitalistas da Armênia e do Azerbaijão, sobre os quais potências estrangeiras como a Turquia atuam em seus próprios fins, que torna real a possibilidade de uma guerra reacionária em escala regional. Isso não significa que no decorrer dos eventos o conflito possa mudar de caráter.

A grande lição deste conflito sem fim é que as potências imperialistas, mas também a Rússia e os governos do Azerbaijão e da Armênia, nem sequer conseguiram dar uma solução minimamente democrática, apenas aprofundando as condições de opressão. Portanto, a única solução que pode trazer uma paz duradoura começa com a retirada das potências estrangeiras, o reconhecimento do direito à autodeterminação nacional, o retorno dos deslocados e a luta contra os governos capitalistas que são os verdadeiros inimigos do trabalhadores e setores populares da Armênia, Azerbaijão e Nagorno Karabakh, com a perspectiva de estabelecer governos de trabalhadores e uma federação voluntária de repúblicas socialistas do Cáucaso.




Tópicos relacionados

Armênia   /    Azerbaijão   /    Ásia   /    França   /    Rússia   /    Turquia   /    Oriente Médio   /    Internacional

Comentários

Comentar