ATOS ANTIFASCISTAS

Todos aos atos Antifascistas e Antirracistas neste próximo domingo: Fora Bolsonaro e Mourão

No último domingo (31) diversas cidades do país como São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte e Curitiba, levaram manifestantes as ruas em atos antifascistas e antirracistas.

terça-feira 2 de junho| Edição do dia

A tarefa da esquerda socialista e revolucionária deve ser apoiar com toda sua energia estas manifestações, tomando todas as preocupações sanitárias frente à pandemia da COVID-19, como uso de máscaras, distanciamento social e sem a presença dos grupos de risco, batalhando para fortalecer a auto-organização dos trabalhadores e setores oprimidos e por uma saída que questione todo este regime podre e racista através da defesa de uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana imposta pela luta.

No último domingo (31) diversas cidades do país como São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte e Curitiba, levaram manifestantes as ruas em atos antifascistas e antirracistas. Esses atos que tomam força após as massivas manifestações nos EUA em repúdio ao brutal assassinato de George Floyd, asfixiado pelo joelho de um policial, se somam ao repúdio e ódio que a política racista da polícia eleva nas periferias do país com o assassinato sistemático da juventude negra, como o casa do jovem de 14 anos, João Pedro, combinada a crise sanitária que se agrava, a econômica e a crise política nacional.

A fúria negra que vem se expressando nos EUA e em vários outros países do mundo, traz à tona o enorme medo da burguesia sob as consequências de uma organização dos setores oprimidos e explorados em luta. Enquanto Trump se esconde em bunker na Casa Branca e busca criminalizar o movimento Antifa como terrorista, Bolsonaro no Brasil segue o mesmo curso, como bom capacho que é.

Nos somamos a convocatória dos atos no próximo domingo, para juntos levantarmos a bandeira pelo Foro Bolsonaro, Morão e Militares e de que as vidas negras importam, como fortes expressões contra todo esse regime podre e contra o racismo e as demais formas de opressão, em busca de fortalecer a auto-organização dos trabalhadores, e trazer respostas que superem as políticas de "Frente Ampla" que propõem unificar STF, governadores, a mídia oficial junto a grupos de esquerda que se coloca alheia a luta de classes, a única forma efetiva de enfrentar as disputas autoritárias e o plano econômico do golpe que vem se acelerando com Bolsonaro à frente.

Marcelo Pablito, trabalhador negro do bandeijão da USP, dirigente do Movimento Revolucionário de Trabalhadores e fundador do Quilombo Vermelho comentou a respeito da importância dos atos para o Esquerda Diário:

“ O brutal assassinato de George Floyd e o genocídio sistemático da população negra no Brasil expõe uma das faces mais nefastas do capitalismo, o racismo construído e alimentado por esses sistema. A fúria negra que suprimiu a pandemia nos EUA vem tomando força também no Brasil na expressão dos atos antifascistas e antirracistas que tomaram o país no último domingo. Mais do que nunca é urgente uma estratégia revolucionária para derrotar Bolsonaro e Mourão. Sendo assim atuaremos com força nas manifestações antifascistas e antirracistas convocadas para o próximo domingo, dia 07, levantando a bandeira de que as vidas negras importam: basta de morrer pelas balas da polícia, pela COVID-19 e pela sede de lucro dos capitalistas, e também para fortalecer uma estratégia da classe trabalhadora para derrotar Bolsonaro, Mourão e os militares, sem fortalecer o autoritarismo do STF e de outros poderes sem voto. Dito isso não adianta apenas mudar os jogadores com novas eleições e sim através da auto-organização mudar as regras do jogo, lutando por uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana e levantando essas bandeiras em cada local de trabalho e estudo. Participando das manifestações seguindo todas as medidas de segurança contra o coronavírus e estimulando atos cada vez mais massivos pois é essa a única forma para defender as vidas negras e lutar contra os ataques a nossa classe aplicados em prol dos lucros capitalistas.”

Saiba mais: Como encarar a luta antirracista e antifascista no Brasil?




Comentários

Comentar