×

EUA | “Nós não iremos desistir” Mineiros de carvão do Alabama entram no sexto mês de greve

Uma reflexão sobre os pontos fortes e as contradições dessa greve histórica desde a visão de um jornalista que cobriu a luta desde a primeira noite de piquetes.

sexta-feira 10 de setembro | Edição do dia

As estradas com curva em S estavam escuras, cercadas por nada além de árvores e estrelas brilhantes. Depois de uma curva, chegamos a uma clareira, para onde as minas 4 e 7 enviam seu carvão. Duas escavadeiras faziam suas últimas rondas sobre uma grande pilha de carvão, enquanto, alguns metros à frente, quatro operários seguravam os piquetes. Naquela noite de 1º de abril, 1.100 mineiros da Warrior Met Coal Inc iniciaram uma greve histórica em Brookwood, Alabama.


fotos de @luigiwmorris

Os mineiros nos direcionaram para as entradas das principais minas. Quando chegamos, os trabalhadores estavam montando tendas, descarregando lenha e preparando as fogueiras. À luz de alguns celulares, entrevistamos Miles, um mineiro de terceira geração. Quando lhe perguntamos por que ele e seu sindicato estavam em greve, ele explicou que mal conseguia ver sua filha de quatro anos crescer. Trabalhar longas e exaustivas horas, incluindo feriados, deixava os trabalhadores com pouco tempo para suas famílias. Em poucas palavras, era por isso que a maioria deles estava em greve.

Os mineiros trabalham seis dias por semana, em turnos de 8 a 12 horas, sem feriados. Às vezes, eles são forçados a trabalhar em seus dias de folga por semanas a fio. Eles arriscam suas vidas, têm viagens longas e a cláusula de “quatro advertências” os obriga a chegar 30 minutos antes para garantir que estão no horário, ou então arriscam perder seus empregos. Como se tudo isso não bastasse, eles têm apenas 30 minutos de intervalo não remunerado para o almoço. Eles estão lutando pelo direito de aproveitar a vida.

Essas condições são agravadas por baixos salários, abaixo da média do setor, enquanto o CEO Walter J. Scheller III ganhou 4 milhões de dólares em 2019 e tem um patrimônio líquido estimado em 11,5 milhões de dólares. Para que Scheller desfrute de um estilo de vida luxuoso, deve haver centenas de trabalhadores como Miles, que muitas vezes tem que trabalhar 155 a 170 horas a cada duas semanas, 1.400 a 2.100 pés no subsolo. Esses trabalhadores passam todo o tempo no subsolo, sem luz natural, banheiros ou alimentos.

Trabalhadores essenciais

Os mineiros entraram no sexto mês de sua greve, tornando esta uma das mais longas greves de seu tamanho na história recente do movimento operario dos EUA. Enquanto isso, a Warrior Met Coal Inc perdeu $ 7 milhões durante a greve, mas não mostrou qualquer vontade de negociar um contrato. Foi uma dura batalha.

O que pode empurrá-los para lutar por seis meses? Seus corpos e suas mentes não querem continuar. Os trabalhadores atingiram um limite. Eles estavam trabalhando há cinco anos sob um contrato que incluía importantes concessões do contrato anterior. Foi assinado depois que a Walter Energy declarou falência e foi comprada pela Warrior Met Coal Inc.

Enquanto ainda estamos lidando com a pandemia Covid-19 e a variante Delta, milhões de trabalhadores não ficaram seguros em casa. Eles continuaram aparecendo para trabalhar. Eles foram expostos a riscos e tratados como descartáveis, e as empresas não os compensaram por manter a sociedade funcionando. Muito pelo contrário.

De trabalhadores do Hunts Point Market no Bronx, Nova York, aos trabalhadores da Nabisco em Chicago, de trabalhadores da saúde em todo o país aos trabalhadores da Frito-Lay no Kansas, eles estão rejeitando novos contratos que mantêm as coisas iguais ou incluem cortes. Os mineiros em greve do Alabama são parte desse sentimento geral que cresce em todo o país.

No sexto dia de greve, o sindicato UMWA (United Mine Workers of America), com a presença presencial de seu presidente Cecil Roberts, apresentou à base um acordo provisório alcançado entre a direção sindical e a empresa. O contrato incluía um aumento de 1,50 dólares para os próximos cinco anos (dividido em duas partes!). Entretanto, não atendia às demandas centrais dos trabalhadores. Os mineiros consideraram isso um “tapa na cara” e rejeitaram de forma esmagadora.


fotos de @luigiwmorris

Muitos desses trabalhadores vêm de gerações de famílias de mineradores (alguns também são famílias de metalúrgicos). Alguns viveram em Brookwood ou nas proximidades durante toda a vida, mas muitos outros vêm de outras minas que foram fechadas em outros estados como West Virginia, Geórgia e Kentucky. Embora a maioria dos mineiros sejam homens brancos, havia muitos mineiros negros, mas apenas um punhado de mulheres. Há orgulho em ser mineiro, no conjunto de habilidades e na experiência acumulada. Muitos deles nos contariam com entusiasmo sobre o que fazem em seu trabalho, como alcançam áreas que nunca foram vistas e se conectam com coisas que estão sob o solo há milhares de anos.

Todos explicaram que produzem um tipo particular de carvão, o metalúrgico, também conhecido como carvão de coque, de grande importância para o processo de alto-forno da siderurgia, em especial o aço inoxidável, material que pode ser encontrado em edifícios, estradas, infraestrutura ferroviária e automóveis. Muitos deles falaram sobre questões de conversão de energia, e sua principal preocupação era confiar que o governo lhes garantiria empregos. Não há muitas opções de emprego por aí, e o que está florescendo são os empregos de salário mínimo, não sindicalizados e precários.


fotos de @luigiwmorris

Enquanto isso, dentro das minas, eles são expostos a pó de carvão, pó de sílica da rocha, fumaça de diesel dos equipamentos e gás hidrogênio proveniente dos equipamentos movido a bateria. Um mineiro de três décadas, ao explicar os motivos da greve, disse-nos, com lágrimas nos olhos, que “a nossa vida é mais curta por trabalhar aqui, mas não prestam cuidados de saúde sabendo todas as doenças que podemos ter por trabalhar aqui. ” A doença mais comum é o pulmão preto, um termo que se refere a várias doenças pulmonares que afetam os mineiros de carvão. A maioria das minas usa analgésicos rotineiramente.

Mas os problemas de saúde não são apenas de longo prazo. O perigo imediato também está presente com o desabamento do teto, bem como explosões de minas. A mina contém gás metano, que é insípido, inodoro e invisível. Se o teor de metano do ar atingir 5 por cento ou mais, há um alto risco de explosão.

Um trabalhador nos contou que “150 metros abaixo dos 2.000 pés onde trabalhamos, existe uma bolsa principal na veia de gás. E o topo - é o que chamamos de telhado - ele pode cair a qualquer momento. No momento em que você começa a ver grandes rachaduras na parte superior, isso é um aviso, e partes da parte superior estão simplesmente penduradas lá para cair. ” Outro acrescentou: “Uma de nossas linhas de cintura se chama Norte A. Já colapsou sobre si mesma três vezes. De parafusos ruins no telhado e dores nas costelas. Essa linha de cintura inteira está em piores condições do que o resto deles. Cada vez que entro lá, as condições ficam cada vez piores. Pode acontecer de novo, mas eles não vão voltar lá e colocar novos parafusos no telhado e apoiar a parte superior. Eles têm o equipamento para isso, mas optam apenas por colocar madeira. ”


Foto compartilhada para o Left Voice por um mineiro grevista

Muitos deles sofreram ferimentos graves. Ouvimos falar de muitos casos de trabalhadores quebrando ossos, desmaiando, perdendo um dedo, sangrando. Muitos deles voltaram imediatamente ao trabalho após saírem do pronto-socorro para evitar um “greve” no prontuário. Os trabalhadores são treinados para atender a algumas emergências, mas, embora haja mais de 1.100 trabalhadores nas minas, não há equipe médica nem ambulância de plantão.

Todos esses fatores tornam-se um coquetel explosivo quando você considera que os mineiros trabalham em turnos longos, às vezes semanas sem um único dia de folga. A pressão das cláusulas de greve faz com que os trabalhadores cheguem ao trabalho doentes, cansados ​​e sem dormir. A ganância dos capitalistas em tirar até a última gota de suor dos trabalhadores não tem limites.

Em 2001, 13 mineiros morreram em uma explosão. Embora os trabalhadores tenham alertado seus superiores sobre as condições de segurança, nenhuma alteração foi feita e, um dia, uma pedra caiu e gerou uma explosão de gás metano. Os trabalhadores mal queriam falar sobre isso; a dor ainda está presente, assim como o medo de que isso aconteça novamente.


fotos de @luigiwmorris

Greves, políticas e contradições

As greves quebram a rotina e expõem contradições. Como resultado, muitas perguntas vêm à tona. Os trabalhadores perderão amigos porque se tornarão pelegos ou encontrarão seus melhores amigos lutando e ficando juntos em situações que nunca haviam imaginado. Algumas famílias ficarão divididas, enquanto outras se reunirão em piquetes. O status quo é posto em questão, é hora de escolher um lado e, goste ou não, a política está em jogo.

Os mineiros achavam que estavam por conta própria. A grande mídia, eles disseram, não se preocupa com o que acontece em pequenas cidades, áreas rurais e áreas conservadoras do país. Eles disseram o mesmo dos políticos.

Estávamos hospedados em West End Manor, Birmingham, perto de Bessemer, onde estávamos cobrindo a campanha sindical na Amazon. No caminho para as minas, pegamos a estrada AL-216, que passa por pequenas cidades entre Birmingham e Tuscaloosa. Muitas das casas ao longo da estrada tinham bandeiras da Confederação ou Trump 2020 nas portas da frente. Na minha experiência, esses apoiadores de Trump poderiam ser divididos em dois grupos - um eleitor mais pragmático de Trump ou um apoiador mais fervoroso.

Como exemplo do defensor pragmático de Trump, o dono de um restaurante mexicano explicou que votou em Trump para manter as minas de carvão abertas. Sem a indústria de mineração, disse ele, muitas cidades como esta perderiam a principal fonte de renda. Ele disse que sabia o quão horrível era a retórica de Trump, especialmente em relação aos imigrantes, mas não queria acabar morando em uma cidade fantasma. Em outra conversa, um mineiro iria mais longe e disse: “Vamos manter a realidade. Se [as minas de carvão fecharem], a crise dos opióides consumirá famílias inteiras ”. Os votos de muitos mineiros podem ser reduzidos a "quem quer que apoie o carvão". Eu realmente pude sentir a rejeição dos democratas; o sentimento era "eles não se importam conosco". Eles se sentiam desprezados pelos progressistas urbanos. Na verdade, os democratas gostam de mostrar que se preocupam com o meio ambiente e com uma transição para a energia limpa, mas no final do dia isso é hipócrita e muitas vezes só prejudica os trabalhadores, não os lucros.

Além deste setor mais “pragmático”, alguns dos trabalhadores estavam totalmente envolvidos no MAGA - eles tinham as camisas, adesivos e chapéus Trump 2024; eles chamaram o Covid-19 de “vírus chinês”; e assim por diante. Eles nos veriam chegando com nossas camisetas do Left Voice ( jornal irmão do Esquerda Diário nos EUA) e conheciam nossa política, mas éramos uma das poucas pessoas aparecendo em apoio e fazendo esforços para divulgar suas palavras e experiências. Eles gostavam disso, e nós conversávamos enquanto nos sentávamos ao lado de uma fogueira no escuro ou de uma grelha sob o sol enquanto esperávamos por um hambúrguer.

A greve tornou algumas conversas mais diretas e concretas. Onde está Trump? Por que ele nem mencionou a greve? Por que, em um estado republicano, eles são totalmente abandonados? Quem é a polícia aqui para proteger? Especialmente depois que um juiz limitou quantos trabalhadores poderiam estar nos piquetes, a relação dos trabalhadores com a polícia ficou mais tensa. E nos últimos meses, a polícia tem assediado os mineiros que dirigem para os piquetes enquanto olham para o outro lado quando os pelegos tentam atropelar os mineiros em greve.


fotos de @luigiwmorris

E isso não é uma “coisa do Alabama”; a polícia faz o mesmo a cada greve em todo o país: mantendo a entrada desobstruída, permitindo que os negócios funcionem com fura-greves e gerentes, ameaçando os trabalhadores, reprimindo toda tentativa de bloqueio e prendendo aqueles que desafiam seus patrões. A repressão aos mineiros tem uma longa história. Para dar apenas um exemplo, em junho de 1914, a Guarda Nacional do Colorado juntou-se a guardas particulares para atacar uma cidade de tendas que havia sido construída por mineiros de carvão em greve em Ludlow. Como explicamos neste artigo, “O número oficial de mortos foi de 21 mineiros”, mas “os historiadores estabeleceram que 55 mulheres e crianças também foram assassinadas pela Guarda Nacional e seus cúmplices”. A polícia e outras forças nunca foram aliadas da classe trabalhadora.

Trump, com sua retórica populista de direita, apelou a setores da classe trabalhadora, mas propôs uma agenda que divide os trabalhadores, colocando-os uns contra os outros e usando o setor mais explorado como bode expiatório. Ele fez isso em vez de atribuir a responsabilidade a uma classe capitalista que está ficando cada vez mais rica na exploração dos trabalhadores. O movimento da classe trabalhadora seria muito mais forte se assumisse as demandas dos trabalhadores negros e pardos e a luta dos imigrantes e se organizasse contra a brutalidade policial.

Neste ponto, está totalmente claro que Trump defende os milionários do negócio do carvão e não se preocupa com seus trabalhadores. Os democratas são iguais, mas são melhores em fingir. O apoio dos democratas aos mineiros tem sido simbólico ou reduzido a pequenas ações de solidariedade que estão longe do que se poderia mobilizar.

Certa vez, conversei com alguém que vestia uma camiseta anti-imigrante. Sou imigrante, tenho um sotaque forte, meu inglês está longe de ser perfeito e às vezes precisava da ajuda dos meus companheiros para me comunicar com clareza. Mas eu iria sentar de qualquer maneira e discutir a situação deles. Trabalho nos fins de semana e feriados há mais de 17 anos, trabalhando em longas jornadas, ganhando baixos salários, sofrendo péssimas condições de trabalho, indo de um emprego para o outro e me machucando. Entrei em greve como trabalhador de cassino por mais de 100 dias, então pude me relacionar com a experiência deles de várias maneiras e tentei mostrar que eles têm mais em comum com um trabalhador imigrante como eu do que com seus chefes americanos. O que foi muito útil para ouvir mais sobre suas histórias e para eles se posicionarem, estávamos do lado deles nessa luta.

Em comícios pró-Trump ou protestos de direita, a composição social é mista. Muitos deles não pertencem à classe trabalhadora e, por trás de sua retórica nacionalista, defendem seus lucros e o sistema capitalista. Em ataques como este, a situação é diferente. A disputa é clara com os patrões, e essa é uma oportunidade de lutar pela unidade e romper com a divisão imposta de cima.


fotos de @luigiwmorris

Sindicatos combativos

Em esforços para conectar as lutas, fomos ao piquete com Frances Wallace, uma trabalhadora da Amazon e ativista Black Lives Matter. Alguns trabalhadores se afastaram de nós, mas a maioria conversou conosco sobre as condições de trabalho, a importância de ter um sindicato e o que é lutar contra patrões milionários. E então gritavam com os furas-greves que entravam nas minas.

O Sindicato do Varejo, Atacado e Loja de Departamento (RWDSU), que estava encarregado de organizar as instalações da Amazon emBessemer, não fez nenhum esforço para mobilizar alguns dos 6.000 trabalhadores da Amazon ou seus outros membros para apoiar as linhas de piquete dos mineiros, e nem a United Mine Workers of America (UMWA) organizou um grupo de mineiros para apoiar os trabalhadores da Amazon. Fazer isso não teria apenas ajudado as greves a ganhar visibilidade, mas também ajudado a construir relacionamentos entre duas lutas importantes ocorrendo no Alabama. Um ou dois líderes sindicais podem participar do comício do outro, mas eles nunca fizeram esforços para mobilizar a base.

O racismo surgiu em suas fileiras. O presidente do distrito 20 do sindicato, Larry Spencer, e outros líderes sindicais expulsaram violentamente um membro negro da DSA que dirige o Dixieland do Proletariado de um festival para arrecadar fundos de greve. Essa violência também foi perpetrada com calúnias racistas, que foram capturadas neste vídeo. A liderança sindical deve exemplificar uma postura clara contra o racismo e qualquer forma de discriminação, e combatê-la a todo momento.


fotos de @luigiwmorris

Em uma situação semelhante, outro representante do sindicato tentou nos expulsar de uma linha de piquete. Enquanto agitava as mãos no pescoço, ele gritou: "O socialismo não é bem-vindo aqui!" Nós nos recusamos a sair e ficamos com os trabalhadores. Depois que ele saiu, os trabalhadores nos procuraram para dizer que gostaram de nossa presença e que valorizam nossos esforços para divulgar suas histórias. Eles deixaram claro que éramos bem-vindos. Às vezes, os líderes sindicais usam certos preconceitos a seu favor, mas isso não significa que eles representem o que os trabalhadores desejam. Se ele tivesse chamado os trabalhadores e perguntado se estava tudo bem estarmos ali, eles teriam dito que sim.

Durante algumas de nossas primeiras entrevistas com os trabalhadores, eles foram solicitados a redirecionar a imprensa para os representantes sindicais ou apenas responder, “Práticas trabalhistas injustas”. Mas para obter solidariedade e apoio, os trabalhadores devem falar livremente sobre suas experiências e pelo que lutam.

Em geral, a greve careceu de espaços democráticos onde os trabalhadores pudessem se reunir para conversar, fazer propostas e votar sobre como organizar sua luta todas as semanas. Cada vez que os trabalhadores tentavam desafiar o limite do juiz de quantos deles poderiam estar em uma linha de piquete, os líderes sindicais os exortavam a se dispersar. O mesmo acontecia com o bloqueio dos fura-greves. O objetivo de um piquete é criar uma linha forte de trabalhadores que não permitirá que fura-greves e gerentes entrem na mina; isso também foi imediatamente desencorajado pelo sindicato. Isso precisa ser mudado.

Toda solidariedade aos Mineiros

Já se passaram seis meses de greve. Os mineiros têm lidado com o isolamento, sua luta é ignorada pelos políticos e pela grande mídia. O limite do tribunal de seis trabalhadores em uma linha de piquete agora foi estendido para apenas 10. Enquanto isso, os policiais os estão perseguindo, e a Seção do Conselho Nacional de Relações Trabalhistas negou que fura-greves cruzassem as linhas de piquete com seus carros, ferindo mineiros, apesar das evidências.

Greves como essa têm um grande impacto não só para os mineiros, mas também para o resto da classe trabalhadora nos Estados Unidos. Nesse sentido, é vital que nós, trabalhadores, tomemos plena ação de nossa luta e discutamos cada passo e demanda junto com outros líderes sindicais que têm aparecido em apoio. Temos que tomar ações ousadas para pressionar os patrões e políticos que foram cúmplices em isolar a greve dos mineiros. Eles estão em um ponto em que toda solidariedade é necessária para vencer esta luta.

O que precisa ser incentivado é a auto-organização da classe trabalhadora. Além dos indivíduos, o principal órgão da democracia deve ser as assembleias, ou reuniões de massa de trabalhadores com poder de decisão. Os trabalhadores devem ter o direito, especialmente durante as greves, de se reunir pelo menos uma vez por semana para discutir os passos a seguir.

As greves abrem espaços para democratizar e melhorar nossos sindicatos, para torná-los mais democráticos e para orientá-los para a luta de classes. Um exemplo de como as coisas podem mudar é o Comitê Auxiliar Feminino, formado por algumas das esposas e filhas dos mineiros. O papel das famílias na greve se destaca desde o início. Em uma entrevista anterior com uma das esposas do mineiro, ela nos disse: Houve uma grande luta em 1989 conhecida como a greve de Pittston Coal, que durou mais de 10 meses, e milhares de trabalhadores foram presos durante ela. Nessa luta, o grupo Daughters of Mother Jones foi formado. Foi um grupo de mulheres que ajudou a organizar os piquetes, ajudou os trabalhadores e dirigiu comitês. Depois disso, a UMWA formou uma auxiliar feminina, e estamos trabalhando para tentar restabelecê-la como auxiliar da greve e do sindicato.

O Comitê Auxiliar Feminino tem sido vital, não só para arrecadar contribuições, mas também para quebrar o isolamento que a greve sofre desde o início.

Em 28 de julho, uma delegação de mineiros do Warrior Met viajou para a cidade de Nova York para protestar em frente ao escritório da Black Rock. Tive a oportunidade de falar novamente com muitos trabalhadores que conhecemos enquanto estávamos no Alabama. Sua vontade de lutar é expressa nas palavras de John nesta entrevista: “Não iremos desistir".




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias