×

Argentina | Nicolas del Caño, do PTS-FIT: "Mais do que uma mudança de gabinete, é uma mudança de governo baseada em sua crise"

O deputado do PTS na Frente de Izquierda Unidad, Nicolas del Caño, falou com Romina Manguel na Rádio Con Vos. Ele analisou a nomeação de Massa como "super-ministro" da Economia e alertou sobre as políticas de ajuste que virão para aprofundar o plano acordado com o FMI. Ao mesmo tempo, ele disse que é necessário haver uma discussão democrática diante da população como um todo sobre os mecanismos antidemocráticos que levaram a esta decisão.

sexta-feira 29 de julho | Edição do dia

Na entrevista, Del Caño apontou: "Mais do que uma mudança de gabinete, isto parece uma mudança de governo, porque o super ministro Sergio Massa terá o controle não da caneta, mas da caixa de botões com várias áreas que estarão sob seu comando".

Referindo-se às repercussões de sua nomeação, o deputado do PTS/FIT disse: "Os elogios que ele tem recebido pelos grandes chefes da burguesia rural, as corporações, os setores do poder, já que ele é um homem muito próximo e amigo da embaixada dos EUA, mostra que medidas o governo tomará".

Entre estas medidas, Del Caño destacou: "Melhorar a oferta para os setores de grãos e agronegócios, a quem eles dariam um "dólar de soja" por cima, e desvalorizar, o que sabemos que significa ainda mais danos para os assalariados, pensionistas e todos aqueles que vivem de seu trabalho, e será uma enorme transferência de riqueza em favor dos grandes grupos empresariais, maior do que vimos não só com este governo, mas também com o anterior [o direitista Mauricio Macri]".

Sobre o impacto da mudança decidida pelo governo de Alberto Fernández e Cristina Kirchner, Del Caño disse: "Isto mostra que você tem a economia ligada ao que o FMI diz e o governo está concentrado em alguém muito próximo da embaixada dos EUA, o que também é uma mudança feita pelas costas do povo. Muitas pessoas que apoiaram a Frente de Todos [peronismo-kirchnerismo, que forma a coalizão de governo Alberto-Cristina] em 2019 estão insatisfeitas, porque as promessas tinham sido que entre os aposentados e os bancos, eles iriam escolher os aposentados, mas aqueles que têm vencido são os bancos. Isto já foi expresso nas eleições do ano passado, quando mais de quatro milhões e meio de pessoas deixaram de apoiar a Frente de Todos em 2021".

Finalmente, o deputado nacional da esquerda disse: "Eu acho que a saída é combater a paralisia das burocracias sindicais e colocar sobre a mesa a construção uma grande greve nacional, um plano de luta que coloca as demandas dos trabalhadores".




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias