Política

Não há nada de progressista na equipe de transição de Biden, composta por milionários e CEOs

A equipe de transição de Joe Biden está repleta de todo tipo de capitalista - CEOs, executivos da tecnologia e até legisladores republicanos. Onde estão os membros do Squad ou outros progressistas que deveriam estar “movendo o governo para a esquerda”?

terça-feira 17 de novembro| Edição do dia

1 / 1

Desde que Joe Biden venceu a eleição presidencial de 2020 , houve muita especulação sobre o tipo de presidente que ele será. Embora alguns acreditem que ele pode ser persuadido pelas alas progressistas de seu partido, que estão se unindo pelo Green New Deal e pelo Medicare for All, não há dúvida de que ele escolherá por continuar sendo um democrata centrista, que prioriza o lucro ao invés de vidas em todas as oportunidades e vê os capitalistas como seus únicos eleitores em uma América onde "nada mudará fundamentalmente". Para entender sua futura presidência, não é necessário olhar nada mais do que sua equipe de transição, composta por mais de 400 funcionários da era Obama, acadêmicos, representantes do Congresso - e alguns magnatas da tecnologia. A campanha Biden-Harris elogiou esta lista como sendo especialmente inclusiva e diversa:mais da metade do grupo será de mulheres, e pelo menos 40% são pessoas não-brancas ou pessoas que se identificam como LGBTQ + . Uma equipe de transição mais diversa, entretanto, não garante o fim da opressão e a política de identidade não é um caminho para a libertação .

Claro, a equipe de transição Biden-Harris é composta por diversas vozes - na forma de CEOs e executivos corporativos de alto nível, juntamente com um bom número de legisladores republicanos - já que Biden enfatizou que será um presidente para todos os americanos, não apenas aos democratas. Suas escolhas até agora incluem Bob McDonald, o ex-CEO da Procter and Gamble, Eric Schmidt, o ex-CEO do Google, e Cindy McCain, presidente da Hensley & Co e viúva de John McCain. Esses capitalistas são apenas alguns da classe burguesa que agora fará parte da equipe de Biden para governar o país.

Bob McDonald, presidente e CEO da The Procter & Gamble Company e o 8º secretário do Departamento de Assuntos de Veteranos está no Conselho Consultivo de Transição de Biden . A Procter & Gamble é uma das maiores poluidoras do planeta, de acordo com uma auditoria feita nas Filipinas e com um processo judicial em andamento em 2020. Em 2014, a Argentina acusou a Procter & Gamble de fraude fiscal e suspendeu suas operações no país. Tem havido inúmeros relatos de exploração de trabalhadores pela P&G, sendo o mais preocupante o uso de trabalho infantil e trabalho forçado na Indonésia. A P&G é uma das empresas mais exploradoras do mundo, agravando a catástrofe climática e prejudicando os trabalhadores e suas comunidades a cada passo. Não é nenhuma surpresa que Bob McDonald esteja no Conselho Consultivo de Transição, afinal de contas sua empresa é ótima em fazer propagandas "conscientes" para gerar lucro sem fazer nada de substancial ou positivo para seus trabalhadores - assim como o próprio Partido Democrata.

Eric Schmidt, o ex-CEO do Google, está sendo considerado para comandar uma força-tarefa da indústria de tecnologia no governo Biden-Harris. As críticas ao Google abrangem toda a gama, desde a evasão fiscal, violação da privacidade das pessoas e ajudar as agências de inteligência estaduais e militares a espionar os cidadãos usando o Google Earth. Biden está contando não apenas com Eric Schmidt e Google, mas também com outras empresas afiliadas da Alphabet, empresa-mãe do Google, incluindo Sidewalk Labs. Sidewalk Labs, uma empresa que afirma inovar a cidade do futuro, foi acusada de coleta de dados e de estar na vanguarda de um " capitalismo de vigilância " muito distópico , um modo de controle que sem dúvida atrai os democratas amantes da polícia.

Cindy McCain, presidente da Hensley & Co. - e viúva do senador John McCain - também está no conselho consultivo de transição. A nomeação de McCain é política, já que Biden repetidamente atestou que acredita em um compromisso com os republicanos. Após a morte do senador McCain, Biden fez declarações públicas chamando McCain de "um gigante político" e "um verdadeiro herói americano", não importando que o senador McCain fosse explicitamente racista e um incentivador da guerra durante toda a sua carreira política. A nomeação de Cindy McCain para a equipe de transição é definitivamente um aceno para a carreira política moralmente repreensível de John McCain, mas é importante notar que ela também pode ter seus próprios interesses particulares em mente: Cindy McCain é uma herdeira de mais de US$ 200 milhões da empresa de distribuição de bebidas de seu pai no Arizona, que ela preside.

Embora não haja um número significativo de CEOs especificamente em sua lista, há um número alarmante de executivos de tecnologia . Apesar da exploração contínua dos trabalhadores do Vale do Silício, negando-lhes um salário digno e planos de saúde , a Equipe de Transição Biden-Harris inclui lideranças da Amazon, Lyft, Uber, AirBnb e SalesForce, entre outras empresas monopolizadoras. Embora essas empresas continuem a influenciar a política e a garantir que seus lucros permaneçam protegidos, os trabalhadores, como de costume, não têm representação e são tratados como uma mercadoria a ser descartada.

A Equipe de Transição Biden-Harris nos mostra que os capitalistas continuarão a mexer os pauzinhos para manter sua administração e a classe trabalhadora não encontrará alívio. Biden trabalha para Wall Street - é importante que nos lembremos disso e continuemos a nos mobilizar e lutar pelo socialismo. A classe trabalhadora merece mais.




Tópicos relacionados

Joe Biden   /    Política   /    Internacional

Comentários

Comentar