×

Estados Unidos | Não é assim que o Socialismo Internacionalista deveria ser: DSA com Dilma Rousseff

O DSA (Socialistas Democráticos da América), ala esquerda do partido de Biden, convidou para sua convenção a ex-presidente Dilma Rousseff. O Socialismo é internacional e deve estar ao lado dos trabalhadores em todo o mundo e não com quem os ataca.

quarta-feira 11 de agosto | Edição do dia

Publicamos relato de Tatiana Cozzareli, militante do Left Voice (organização irmã do MRT e parte da Rede Internacional de Diários).

Uma das principais palestrantes da convenção dos Socialistas Democráticos da América (DSA, na sigla em inglês) que acabou de encerrar foi ninguém menos que a ex-presidente Dilma Rousseff . Eu morei no Brasil durante grande parte de sua presidência - minha família é brasileira - e quero falar um pouco sobre por que essa foi uma má escolha de palestrantes, o que significa uma virada significativa para a direita para o DSA. Dar plataforma para Dilma significa virar as costas para a classe trabalhadora brasileira e aliar-se ao estado capitalista. Isso é verdade mesmo com Bolsonaro no poder e mesmo com Dilma sendo derrubada por um golpe institucional.
Longe de combater a ascensão da extrema direita e do Bolsonaro, Dilma e o Partido dos Trabalhadores (PT), ao invés, facilitaram sua ascensão e trabalharam com eles, inclusive para implementar um plano de austeridade. O verdadeiro internacionalismo significa ficar do lado da classe trabalhadora e oprimida em todo o mundo, contra o imperialismo e os capitalistas nacionais. Significa construir uma alternativa política socialista.

A de Dilma era a ala direita dos chamados governos da “Maré Rosa” da América Latina, e a dela mais representou uma virada neoliberal e de profunda austeridade. Ela estava no cargo enquanto o Brasil enfrentava uma crise econômica, com queda nos preços das commodities. Dilma fez a classe trabalhadora pagar - exatamente como qualquer bom capitalista faria em uma crise econômica. Ela cortou seguro-desemprego e fundos para saúde e educação, provocando uma onda de greves estudantis e ocupações, bem como greves de professores.

A terceirização se expandiu exponencialmente sob sua administração, resultando em trabalhadores tendo empregos super precários com salários baixos. E muitas vezes, os trabalhadores não eram pagos. Na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), isso significava que os zeladores eram pagos uma vez a cada poucos meses. No Rio, meus camaradas e eu nos envolvemos em ações estudantis para apoiar esses trabalhadores terceirizados, e até para organizar uma greve de estudantes universitários para que fossem pagos.

Dilma abriu a Petrobras à privatização, a empresa de petróleo parcialmente nacionalizada do Brasil. Em 2014, trabalhadores da Petrobras entraram em greve contra o leilão do petróleo do “pré-sal”, apenas para serem reprimidos pela Polícia Federal. Em 2015, ela essencialmente fez uma “viagem de vendas” aos Estados Unidos, buscando um investimento imperialista neste valioso recurso brasileiro. Ela se encontrou com o infame criminoso de guerra Henry Kissinger, que ela chamou de "pessoa fantástica".

Dilma se recusou a legalizar o aborto e, de fato, escreveu uma carta às comunidades cristãs garantindo que o Brasil não o faria enquanto ela estivesse no cargo. Em outras palavras, ela condenou pessoas a morrer como resultado de abortos ilegais e inseguros. Mais de 1 milhão de pessoas fazem abortos ilegais todos os anos no Brasil.

Ela gastou milhões para construir novos estádios para estrangeiros ricos desfrutarem da Copa do Mundo e, mais tarde, das Olimpíadas.

Em 2013, o Brasil viu protestos massivos contra um aumento nas tarifas de transporte público. Havia dinheiro para novos estádios, mas não para transporte público? Milhões de pessoas foram às ruas protestar contra as medidas de austeridade de Dilma. Ao longo do ano seguinte, protestos semelhantes ocorreram contra a Copa do Mundo; eles foram brutalmente reprimidos pela Polícia Militar. Depois de permitir algumas marchas, a polícia colocaria gás lacrimogêneo em todos. Algumas pessoas perderam os olhos ao serem atingidas por balas de borracha. Dilma usou leis antiterroristas para reprimir o movimento e prender manifestantes. Essas mesmas leis antiterroristas estão sendo usadas hoje pela extrema direita para perseguir os manifestantes.

Carolina CaCau, uma socialista do Brasil explica o que as Olimpíadas significam para a classe trabalhadora brasileira:

Para a classe trabalhadora, as Olimpíadas representam bilhões desperdiçados e roubados; Isso significa bilhões de reais gastos em projetos públicos que não vão melhorar em nada a vida do povo brasileiro. Eles existem apenas para garantir que as Olimpíadas aconteçam sem problemas e não terão uso depois que as Olimpíadas acabarem. São obras públicas com preços inflacionados para que as construtoras possam enriquecer por meio de contratos governamentais, bem como pela corrupção. As linhas de ônibus foram cortadas, dificultando a locomoção dos brasileiros pela cidade. Eles construíram uma nova linha de metrô, mas por enquanto, apenas os envolvidos nas Olimpíadas podem usá-la, enquanto o resto da população continua a viajar em ônibus superlotados, metrôs e trens.

As Olimpíadas não trazem nada de bom para a maioria da população. Além disso, trabalhadores e brasileiros pobres não estarão em nenhum evento olímpico. Os ingressos para os eventos são proibitivamente caros para os trabalhadores. Os trabalhadores deveriam ter acesso ao esporte e à cultura, mas as Olimpíadas não são uma forma de democratizar o esporte.

De fato, ao longo de sua presidência, ao impor austeridade contra a classe trabalhadora, Dilma aumentou o orçamento da polícia. Ela ajudou a criar uma nova força policial, a Forca de Seguranca Nacional, que é chamada a reprimir greves e protestos em massa, incluindo greves de trabalhadores em 2011, os protestos em massa em 2013, os protestos da Copa do Mundo e muito mais.

Dilma foi derrubada por um golpe institucional de direita, ao qual todos os esquerdistas deveriam se opor. Foi empreendida pela ala direita - uma aliança de grande capital, grandes latifundiários e a direita religiosa - a fim de impor mais austeridade à classe trabalhadora. Mas precisamos ser claros: quem realmente orquestrou o golpe foi a vice-presidente de centro-direita que Dilma escolheu. Ela o colocou lá.

O golpe foi apoiado por mobilizações da classe média alta branca, com muito poucos participantes da classe trabalhadora. No entanto, a queda de Dilma veio quando sua popularidade estava em um ponto baixo significativo, mesmo entre a classe trabalhadora, por causa das medidas de austeridade. Alguns setores da classe trabalhadora festejaram, e alguns mais tarde acabaram até apoiando Bolsonaro mais tarde. Eu estava no Brasil para o golpe de direita. Na favela ao lado da minha casa, houve fogos de artifício quando ela foi deposta - uma reação politicamente incorreta à realidade da austeridade que ela implementou, que piorou a vida da classe trabalhadora e perdeu seu apoio.

Agora que Bolsonaro está no poder, o Partido dos Trabalhadores de Dilma não é uma resistência efetiva à ascensão da direita. Na verdade, Dilma e o PT abriram as portas da extrema direita a cada passo do caminho. Na verdade, todos os atores golpistas se fortaleceram durante os anos de governo do Partido dos Trabalhadores, de Lula a Dilma. Isso significa fortalecer um judiciário irresponsável e não eleito que implementou o golpe, benefícios materiais ao agronegócio, aumentando os subsídios federais ao agronegócio que instituiu o golpe e está destruindo a Amazônia.
Hoje, o PT está de fato apoiando muitos dos mesmos tipos de medidas de austeridade implementadas por Bolsonaro.

Dilma e o PT não são alternativas de esquerda a Bolsonaro. Uma verdadeira alternativa de esquerda não é a austeridade ou ataques à classe trabalhadora. É absolutamente espantoso que o DSA tenha trazido Dilma para falar. Ao fazer isso, o DSA deu as costas a todas as pessoas da classe trabalhadora que foram prejudicadas por sua administração.

Convidar Dilma Rousseff para falar, porém, está em linha com a orientação geral do DSA internacionalmente. Não faz muito tempo, o comitê internacional do DSA visitou Maduro na Venezuela, apesar de sua repressão à classe trabalhadora.

A esquerda de verdade deve estar ao lado da classe trabalhadora e dos oprimidos em todos os lugares. Nós nos opomos ao estado capitalista e aqueles que implementam austeridade e repressão. E lutamos em todo o mundo por uma alternativa política para abolir este violento sistema capitalista. Isso significa opor-se a Dilma com políticas socialistas, não convidá-la para falar.

Conheça o Left Voice




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias