×

CRISE NO NPA FRANCÊS | NPA na França: rumo a uma Conferência Nacional fictícia, com a exclusão da principal oposição

O Conselho Político Nacional (CPN) do NPA foi realizado em 22 e 23 de maio. Encarregada de decidir as modalidades da próxima Conferência Nacional em vista das eleições presidenciais, votou, com o apoio de duas correntes da esquerda do partido (L’Étincelle e Anticapitalisme et Révolution), uma conferência nacional fictícia e antidemocrática com o afastamento da principal organização de oposição à orientação direitista da direção majoritária.

quarta-feira 26 de maio | Edição do dia

Uma conferência nacional fictícia com o afastamento da principal organização de oposição

A reunião do Conselho Político Nacional (CPN) do NPA, em 22 e 23 de maio, tinha por objetivo definir as modalidades e registrar as plataformas em vista da Conferência Nacional (CN) encarregada de decidir sobre a orientação e o candidato do NPA para as próximas eleições presidenciais na França (outubro de 2022).

Ocorreu no contexto muito particular de uma ofensiva divisionista por parte da direção historicamente majoritária do NPA, oriunda da corrente do falecido Ernest Mandel, desencadeada no primeiro semestre de 2020 contra todas as sensibilidades pertencentes à esquerda do partido, e posteriormente agravada sobre a CCR sob o pretexto da pré-candidatura de Anasse Kazib [1]. Há várias semanas assistimos assim à multiplicação de moções exigindo nossa exclusão, bem como um texto assinado por toda o Comitê Executivo da PfU (NdT: PfU era o nome da plataforma da direção historicamente majoritária, mandelista, no último Congresso do NPA em 2018) questionando nosso pertencimento ao NPA e escrevendo sem ruborizar que a CCR, sendo supostamente “uma outra organização que não o NPA”, não pode, portanto, “pretender discutir e decidir sobre as escolhas de outro partido, mesmo aquele ao qual alguns de seus membros pertenceram por um período mais longo ou mais curto de tempo e ativamente”. Além disso, houve a exclusão dos membros da CCR e da pZ da coordenação dos comitês da Coordenação 75 (NdT: uma das federações do NPA), na terça-feira 18 de maio [2], e uma contribuição, assinada por vários membros da direção da PfU para o Comitê Político Nacional, intitulada "Reunindo a organização para liderar a campanha presidencial, separando-se da CCR".

É óbvio que, neste contexto, o CPN deveria ter condenado estes métodos burocráticos e ter votado um certo número de garantias contra nossa exclusão de facto (eufemisticamente chamada de "separação" [3]) e sobre nossa plena participação na Conferência Nacional. Tanto mais que, no âmbito do CPN, os membros da PfU, após terem reafirmado em sua introdução ao debate de orientação para a presidência a necessidade de "separar-se" da CCR, disseram e repetiram o que seus representantes já haviam indicado na comissão encarregada de trabalhar na moção de organização da Conferência Nacional, ou seja, que não iriam "forçar as pessoas a se reunirem" e que nas principais regionais partidárias do NPA (75, 31, 93) não haveria uma assembléia geral eletiva comum com a CCR.

Neste contexto, somente um bloco sólido da esquerda do partido – um bloco semelhante àquele que soube se enfrentar contra a tentativa da direção historicamente majoritária (PfU) de impedir que novos militantes pudessem votar para o congresso em julho de 2020 – teria sido capaz de impor condições verdadeiramente democráticas para a Conferência Nacional e rejeitar firmemente o projeto de exclusão da CCR. Uma grande maioria poderia ter sido reunida em torno deste objetivo nesta reunião do Comitê Político Nacional do NPA, como mostra o resultado de outras votações, como a da moção sobre as regiões, que obteve maioria absoluta com 34 votos a favor. No entanto, infelizmente não foi este o caso.

A moção de organização da Conferência Nacional inclui, entre as razões para possíveis exceções às regras comuns para a realização de assembléias gerais eletivas, uma "situação política interna" que não permita a realização de assembléias gerais comuns [4]. Esta frase, que pedimos que fosse eliminada, abre a possibilidade de que em quase todos os lugares haja uma recusa de debater em assembleias com a participação da CCR. Além das federações 75, 31 e 93, já podemos prever que este seria também o caso no Norte ou em uma cidade como Montpellier. Isto significa que a maioria de nossos militantes não teria acesso ao contraditório nos debates rumo à Conferência Nacional.

Além disso, com uma parte da PfU contestando inclusive o pertencimento de militantes da CCR ao NPA, não teríamos nenhuma garantia de que os votos das Assembleias Gerais da CCR seriam contabilizados. Tal Conferência Nacional, visando reduzir o peso numérico (preparando a contestação dos votos) e político (evitando o debate real) da principal oposição no partido, para excluí-la em seguida, não teria absolutamente nada de democrática. É por isso que submetemos ao CPN uma moção específica, cujo conteúdo era essencialmente reafirmar o direito dos militantes da CCR de participar plenamente da Conferência Nacional, ou seja, de poder debater livremente com as outras posições, votar e ter seus votos contabilizados [5]. Esta moção democrática, por mais elementar que fosse, foi rejeitada pelo CPN, devido à recusa em votá-la por parte dos camaradas de L’Etincelle (ex-FLO) e Anticapitalisme et Révolution (o resto da esquerda do partido votou a favor). Numa tentativa de ocultar esta recusa, estes camaradas propuseram uma moção lamentando a exclusão dos membros da CCR da Coordenação 75, que havia ocorrido alguns dias antes, mas nem mesmo exigindo sua reintegração dentro desta Coordenação. É óbvio que esta ofensiva para expulsar a CCR tem abrangência nacional, não local, e que o problema está mais à nossa frente (e diz respeito em particular às condições de participação na Conferência Nacional) do que atrás.

Se ainda houvesse qualquer dúvida, a declaração da delegação da ex-PfU no final do CPN a elimina. Além das afirmações caluniosas sobre um suposto "entrismo" que não fazem sentido quando falamos de uma corrente que constitui há mais de 10 anos o NPA (um partido fundado em base a um chamado a todos os anticapitalistas e revolucionários), ou sobre uma suposta "violência" que nunca foi demonstrada [6], esta declaração afirma, falando da "separação" da CCR, que "a conferência nacional terá, portanto, que tomar nota desta nova realidade organizacional". O processo de nossa exclusão foi assim posto em marcha, mesmo que a PfU evite cuidadosamente o termo, e que a exclusão de facto tome a forma de um veto à nossa plena participação na Conferência Nacional.

Neste contexto, só podemos lamentar a atitude dos camaradas de L’Étincelle e Anticapitalisme et Révolution, mesmo sabendo que a lógica política que os levou a constituir um "bloco de centro", equidistante dos “dois demônios” representados pelas possíveis candidaturas de Anasse e Poutou (sendo este último representante dos acordos reformistas com Jean-Luc Mélenchon [7]), os levaria a não se oporem firmemente à nossa exclusão. Deste ponto de vista, este CPN foi um esclarecimento de posições: ao mesmo tempo em que se recusaram a votar por uma moção mínima contra nossa exclusão da Conferência Nacional, esses mesmos camaradas, em uma intervenção de um camarada da direção de L’Étincelle, abriram explicitamente a porta para uma candidatura de Poutou, na qual não enxergavam "uma agressão externa contra a NPA" (agressão que enxergam na pré-candidatura do ferroviário Anasse, segundo a intervenção de um camarada do Anticapitalisme & Révolution). E finalmente, para coroar tudo isso, eles se abstiveram simbolicamente no texto da plataforma da "PfU com seu próprio candidato".

Concordam, assim, com uma nova candidatura de Poutou, que estará, diga-se o que se disser, em continuidade com a política que está sendo seguida atualmente para as eleições regionais na Nova Aquitânia e na Occitânia, ou seja, de acordos direitistas do NPA com La France Insoumise de Mélenchon, abrindo caminho a pactos com o Partido Socialista e Os Verdes [8]. Em vista da fraca determinação demonstrada pelos membros do CPN, esta candidatura de Poutou provavelmente não irá até o fim, e será apenas um artifício para a cooptação de parte da ex-esquerda do partido e para a exclusão da CCR, uma condição para a liquidação do NPA em um projeto mais de direita, buscando a unidade com os reformistas.

Como não estamos dispostos a aceitar tal mascarada, nos reuniremos no próximo fim de semana para decidir o que vamos fazer a seguir.

26 de maio de 2021.

Notas

1] Ver o artigo que publicamos intitulado "Anasse Kazib e os militantes da Révolution Permanente ameaçados de exclusão do NPA".

2] Na terça-feira, 18 de maio, durante uma reunião da Coordenação 75, os camaradas da CCR foram impedidos de participar da reunião pelos camaradas da PfU, primeiro fisicamente e depois em Zoom. Uma semana antes, os camaradas da PfU haviam lançado uma ofensiva dividida que foi derrotada porque foram impedidos de votar uma moção de exclusão na Assembleia Geral da Coordenação 75, mas também porque todos os camaradas desta coordenação haviam se posicionado contra esta divisão na semana passada.

3] A PfU evita cuidadosamente o termo "exclusão" porque ela própria sabe que não há base legal para fazer o que está fazendo agora. Isto é demonstrado pela contribuição assinada pelos membros da Contracorrente (parte da direção historicamente majoritária) na véspera do CPN, o que explica que "não se trata de uma questão de exclusão por motivos estatutários, mas de uma impossibilidade política de construir a mesma organização".

4] O extrato da moção organizadora da Conferência Nacional em questão: "O CPN recomenda que os comitês se agrupem de modo que as assembléias eletivas representem pelo menos 30 militantes , a fim de ter um debate rico e pluralista. As exceções são obviamente possíveis, especialmente em departamentos onde há muito poucos camaradas, onde as distâncias são importantes, ou onde a situação política interna não o permita. "

[5] O texto exato da moção submetida à votação foi: "O CPN, reunido em 22 e 23 de maio de 2021, reafirma a adesão dos militantes da CCR e da pZ ao NPA e expressa sua oposição às atuais tentativas de excluir esses camaradas, sem votação ou bases estatutárias, quaisquer que sejam as opiniões sobre suas posições ou políticas. Sua exclusão de fato da Coordenação 75, após a dos camaradas da CCR, é ilegítima e representa uma ruptura com princípios democráticos elementares em uma organização anticapitalista. O CPN reconhece a participação de todos os militantes do NPA na Conferência Nacional, seus debates e votações, desde que estejam em dia com suas cotizações e tenham aderido ao NPA antes de 1º de abril de 2021. Dá um mandato à comissão conjunta para assegurar que todos os votos dos militantes sejam contabilizados, inclusive naqueles lugares em que alguns setores se recusassem a se reunir em Assembleias Gerais comuns, como é o caso em nossas duas principais federações (75 e 31). Esta é uma condição para a realização de uma Conferência Nacional democrática e com poder decisório. Caberá então ao congresso debater as divergências fundamentais, e somente o congresso poderá decidir se tal e tal corrente pertence ou não ao NPA".

[6] Em contraste com vários membros da antiga PfU sobre os quais são feitas acusações deste tipo no contexto da comissão de mediação do partido.

[7] A plataforma dos camaradas diz: "É por isso que os camaradas que ou estão muito comprometidos com a La France Insoumise (Mélenchon) ou fora do NPA terão dificuldade em reunir o partido em uma base ampla. É de fato neste caso que a candidatura de Olivier Besancenot seria a mais provável de atender a esta necessidade. "

[8] Para ver nossa posição sobre as eleições regionais: ver o artigo intitulado "Occitanie. Por que a reunião de parte do NPA com a LFI representa um problema?" e o artigo "Why the NPA - Permanent Revolution opposes alliances with LFI".




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias