×

Luta indígena | Mulheres indígenas protestam em Brasília contra a violência: somos todas Daiane kaingang!

Durante Plenária de mulheres indígenas hoje no acampamento de mais de 10 mil indígenas em Brasília contra o Marco Temporal, essas mulheres lutadoras protestaram fortemente, levantando com muita força que "somos todas Daiane kaingang!"

quarta-feira 25 de agosto | Edição do dia

Imagem: Esquerda Diário

No dia 4 de agosto, na Terra Indígena do Guarita, maior reserva indígena do Rio Grande do Sul, foi encontrado mutilado o corpo de uma jovem kaingang de 14 anos, chamada Daiane Griá Sales. A violência contra as mulheres indígenas é mais uma expressão do caráter reacionário do Brasil de Bolsonaro, e que é uma brutalidade quotidiana sofrida por esses povos desde a invasão de colonizadores portugueses e europeus e o período colonial.

Pode te interessar: No dia internacional dos povos indígenas exigimos justiça pela menina kaingang assassinada no RS

Em uma Plenária de mulheres indígenas ocorrida hoje no acampamento de mais de 10 mil indígenas em Brasília contra o Marco Temporal, essas mulheres lutadoras que historicamente estiveram na linha de frente da resistência, mostrando a moral dessas guerreiras, protestaram fortemente, pedindo um basta contra a violência contra as mulheres e crianças indígenas e levantando com muita força que "somos todas Daiane kaingang!".

Veja também: #MarcoTemporalNão toma o twitter para expressar a luta indígena

Nós do Esquerda Diário estamos cobrindo todas as movimentações no acampamento, buscando levar todo o nosso apoio a luta dos indígenas durante a semana contra os ataques do governo de Bolsonaro e Mourão, do Congresso que já aprovou na Câmara de Constituição e Justiça a PL 490 um ataque criminoso contra a demarcação de terras que tem como objetivo beneficiar os latifundiários e o agronegócio e do STF que pode depois dessa votação chancelar essa barbárie contra os povos originários.

Pode te interessar: Onde estão as centrais sindicais na luta dos indígenas contra o Marco Temporal?

É preciso exigir justiça por Daiane e se enfrentar com o governo Bolsonaro, Mourão e o conjunto desse regime herdeiro e continuador da escravidão, do genocídio indígena e da brutalidade machista contra as mulheres, contra impunidade típica dos crimes contra os oprimidos, banalizados pela mídia capitalista e por toda a burguesia.

SOMOS TODAS DAIANE KAINGANG!




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias