Educação

REABERTURA INSEGURA DAS ESCOLAS EM SP

Morrem professoras na rede privada de São Paulo, enquanto Doria segue com abertura

Nada freia os interesses de Doria, seu secretário Rossieli e os donos das escolas privadas. Em meio ao recrudescimento da pandemia, chegando a patamares recordes no estado de São Paulo e no país, as comunidades escolares seguem expostas e notícias de mortes e internações não param de invadir as redes sociais.

quarta-feira 3 de março| Edição do dia

Foto: Denny Cesare/Código19

Grupos como Escolas Abertas, que é composto por integrantes da burguesia do estado e mães de estudantes de escolas privadas, não param de mentir em suas redes e ameaçar contra a vida comunidade escolar. Os trabalhadores da educação da rede privada não possuem voz. Seu sindicato, assim como os sindicatos dos trabalhadores públicos, não impulsionam para uma efetiva organização da categoria para arrancar, junto da população, essa demagogia criminosa de Doria e setores de empresários da educação.

Dentre tantas mortes, tantas vidas ceifadas por essa irresponsabilidade de um retorno presencial inseguro, sem condições sanitárias para essa reabertura, na zona norte da capital de São Paulo, professora Tamires de ciências, de 42 anos, do Colégio Palavra Viva, perdeu sua vida depois de 30 dias internada. O Colégio está fechado por tempo indeterminado, com contaminação de porteiro a aluno. Até agora 28 alunos infectados e 13 professores.


(Imagem: reprodução)

Em Campinas, uma professora do Colégio Jaime Kratz perdeu sua vida para covid. Mesmo com a sua internação, o Colégio se manteve aberto, mesmo tendo outros trabalhadores e alunos infectados. A vida dessas professoras e tanto outros vale muito mais que o lucro dessas escolas. Veja abaixo a nota absurda do Colégio sobre o falecimento de uma pessoa que eles exploraram, mas agora já não pode mais estar com sua família:

"É com pesar que o colégio Jaime Kratz comunica o falecimento de uma professora, de 57 anos, por covid-19. Ela morreu nesta quarta-feira, após 21 dias de internação. A professora testou positivo no dia 05 de fevereiro e foi internada no dia 10. A escola irá suspender, por dois dias, as aulas online.
Em fevereiro, 39 professores e oito alunos foram infectados pelo coronavírus. Todos passam bem.
Imediatamente a escola suspendeu as aulas presenciais, retomando-as na última segunda-feira (01/03), com todos os protocolos sanitários e professores testados.
Devido à entrada da fase vermelha de Campinas no Plano São Paulo de Flexibilização, as aulas presenciais foram suspensas nesta quarta-feira. O colégio Jaime Kratz atende 1,3 mil alunos na Educação Infantil e nos ensinos Fundamental e Médio.
A escola se solidariza com a dor da família, professores e amigos da nossa docente!

Colégio Jaime Kratz"




Tópicos relacionados

Rossieli Soares   /    Trabalhadores da educação   /    Vacina contra a covid-19   /    escolas privadas   /    COVID-19   /    Pandemia   /    Escolas   /    João Doria   /    Educação   /    Professores

Comentários

Comentar