×

Peru | Mobilizações no Peru contra a política econômica do governo e o custo de vida

Após 8 dias de protestos de transportadores e agricultores, onde quatro pessoas foram mortas pela repressão policial, as paralisações e mobilizações contra as políticas econômicas do governo de Pedro Castillo em diferentes partes do país continuam.

terça-feira 5 de abril | Edição do dia

Pela primeira vez até agora em seu mandato, Pedro Castillo sofreu o ataque de uma forte onda de mobilizações e paralisações protagonizadas, desta vez, por camponeses pobres e transportadores, principalmente das altas terras centrais do Peru, que é a região mais pobre do país, a mesma que, paradoxalmente, foi aquela que com sua maioria de votos levou Castillo à presidência da República.

Embora que, no último fim de semana, um setor dos manifestantes tenha assinado uma trégua de 5 dias com o governo central, na segunda-feira (4 de abril) e terça-feira (5 de abril,) foi realizada uma nova greve nacional de transportadores de cargas pesadas, que, em algumas regiões do país, foi muito forte e conseguiu paralisar várias estradas de acesso. Em Lima e Callao, por exemplo, o trabalho nas escolas foi suspenso para evitar que alunos e professores fossem prejudicados. À essa greve dos transportadores, também se somaram os trabalhadores agrícolas de Ica que exigem do governo melhores condições de trabalho .

As principais demandas dos diferentes setores sociais que paralisaram e se mobilizaram durante a última semana, têm a ver com o questionamento das políticas econômicas que o governo de Pedro Castillo implementou desde que chegou ao governo. Essas medidas econômicas, caracterizadas pela manutenção do piloto automático neoliberal, só serviram para beneficiar grandes empresários nacionais e estrangeiros, que, utilizando a cumplicidade do executivo, elevaram significativamente o custo de bens e serviços, como o combustível, o que tem gerado o aumento generalizado do custo de vida, afetando assim os setores com menos recursos.

Por outro lado, os milhares de camponeses pobres que aderiram ao protesto social, especialmente nas terras altas central e norte do Peru, fizeram isso para exigir que o governo acabasse com os privilégios das grandes empresas que importam insumos agrícolas e fertilizantes, o que torna a produção de pequenos e médios agricultores notoriamente mais cara. Como se lembra, Pedro Castillo logo após iniciar seu mandato realizou uma pomposa cerimônia em Cusco, onde lançou uma suposta segunda reforma agrária que, segundo o presidente, favoreceria os camponeses sem afetar os lucros dos grandes empresários ligados ao agronegócio. Como os fatos mostram, mais uma vez, essa iniciativa mostrou sua inviabilidade prática.

Diante dessa onda de descontentamento social, Pedro Castillo inicialmente respondeu acusando aqueles que se manifestaram de “mercenários e agentes golpistas a serviço do fujimorismo”; em um ato público, o presidente disse que: "Algumas greves e bloqueios mal intencionados estão sendo anunciados, alguns líderes e dirigentes foram pagos (...). É preciso dizer que vamos colocar ordem nas próximas horas”. Assim, o executivo ordenou uma repressão brutal contra aqueles que saíram para protestar nas diferentes regiões do país.

No entanto, e ao contrário do esperado pelo governo e seus representantes, essas tentativas de distorcer a essência das manifestações e tentar gerar medo entre aqueles que protestaram causaram o resultado adverso, por essa razão, em 1º de abril, milhares tomaram a cidade de Huancayo e, apesar da violenta repressão policial ordenada pelo presidente, eles atacaram as principais instituições públicas e apedrejaram a casa de Vladimir Cerrón que, como é conhecido, é o fundador e líder do partido político Perú Libre, o partido que levou Pedro Castillo ao governo.

A força do protesto social e o questionamento aberto ao presidente Castillo, bem como do partido no poder Perú Libre, teriam levado Castillo a acabar se desculpando com os manifestantes e enviando uma delegação de ministros para dialogar com os setores em luta.

Para tentar abafar o crescente descontentamento social que começa a atingir o presidente e seu grupo, o executivo anunciou que a partir do próximo mês o salário mínimo será aumentado, da mesma forma, tornou-se de conhecimento público - para se envolver com os setores empresariais ligados ao transporte - que o imposto de consumo seletivo será reduzido, supostamente para que esses setores diminuam o preço dos combustíveis. No entanto, as liberdades comerciais dos empresários que importam produtos e insumos agrícolas, bem como a faixa de preços, não foram tocadas, o que sugere que as condições de vida e produção dos camponeses não melhorarão.

Setores populares e protesto social: o novo da atual conjuntura

Até agora, os principais opositores do governo eram os setores da ultradireita parlamentar ligados à Força Popular ou à Renovação Popular, que, através da figura da vaga presidencial e da demissão ministerial, vinham empurrando o fraco governo Castillo para a direita, na medida em que, até o momento, nada restou das promessas de campanha do professor de Cajamarca.

Essa rápida endireitada do governo teria levado o presidente a acabar fazendo as suas próprias, não apenas as diretrizes neoliberais em matéria econômica, bem como a defesa da Constituição de 1993, mas também, a agenda reacionária da extrema direita começou a ter um eco no executivo, portanto, parlamentares do Perú Libre e do bloco magistral ligado a Pedro Castillo acabaram assinando moções conjuntas com o fujimorismo para eliminar políticas de igualdade de gênero nas escolas ou para favorecer empreendedores ligados aos negócios lucrativos das universidades privadas.

No entanto, nesta ocasião, setores populares empobrecidos pela profunda crise econômica e camponeses arruinados pelas políticas de livre comércio que Castillo manteve à risca, saíram para protestar. Isso é novo e marcante, pois, como dissemos acima, os setores que mais demonstraram nesta ocasião vêm das terras altas centrais e especificamente da região de Huancayo, que é uma das regiões onde o professor Pedro Castillo venceu nas últimas eleições com 64.088 votos (ONPE), ou seja, 22,398% dos votos válidos, o que serviu para se posicionar em primeiro lugar na região.

Na região de Huancayo, o partido político Perú Libre também foi fundado em 2008, que foi o que levou Pedro Castillo à presidência. O Perú Libre faz parte da esquerda reformista. Seu líder e fundador é Vladimir Cerrón, que se define abertamente como um defensor do regime de Putin e do que foi a experiência stalinista. Diante da profunda crise de liderança revolucionária pela frente, a organização conseguiu se posicionar no Governo Regional de Junín por dois períodos, sendo liderada por seu fundador, Vladimir Cerrón (2011 e 2019). No entanto, após sete meses de seu segundo governo, Cerrón foi suspenso de suas funções devido a acusações por crimes de corrupção.

Vladimir Cerrón, apesar de seu discurso aparentemente de confrontação, é um dos principais promotores da unidade com a burguesia nacional e com um suposto "negócio estrangeiro responsável". Esta política desastrosa, que é o que sustenta e tenta implementar o governo Castillo, levou o executivo a tentar se reconciliar com os grandes capitalistas, a quem o presidente, até agora em seu mandato, lhes deu todas as garantias institucionais para que eles continuem a aumentar seus lucros ao custo de explorar os direitos da classe trabalhadora e dos setores populares mais empobrecidos.

Nesse entendimento, Cerrón e Castillo, em sua ânsia de permanecer no governo sem confrontar a burguesia, vêm implementando uma aliança com setores de direita do parlamento que hoje têm um impacto direto no executivo e nas nas políticas econômicas neoliberais. Esta é a razão subjacente pela qual Castillo e seus aliados no Perú Libre, além de sua retórica populista, não tocaram nem mesmo com a pétala de uma rosa nos interesses dos grandes capitalistas, sendo esta a razão pela qual acabou exacerbando as contradições entre o executivo e os setores populares, o que estaria levando ao descontentamento social, expresso em paralisações e mobilizações, começando a tomar protagonismo.

Leia também: Tirando o chapéu para Bolsonaro: como fica a esquerda que apoiou Pedro Castillo?




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias