×

Privilégios de militares | Militares da ativa e da reserva do governo Bolsonaro recebem até R$17 mil de aumento

Militares da ativa e da reserva do segundo escalão do governo Bolsonaro recebem grandes privilégios, com a soma de salário militar e civil. Acréscimos chegam a até 17 mil reais em seus salários. Eduardo Pazuello chegou a receber um salário de 38 mil reais.

quinta-feira 29 de julho | Edição do dia

Foto: Agência Brasil

Não são só os militares do primeiro escalão do governo a receber grandes privilégios. Os militares da ativa e da reserva do segundo escalão do governo tiveram um aumento de até 17 mil reais em seus salários.

Leia mais sobre: Folha salarial da cúpula do governo Bolsonaro revela supersalários de militares aposentados

Entre as patentes dos militares do Exército que recebem a soma da remunerações civil e militar, que gera esse aumento nos salários, estão coronéis, tenentes-coronéis, contra-almirantes, e generais do segundo escalão. As remunerações chegam à R$ 40 mil.

Eduardo Pazuello somou o salário de general-de-divisão da ativa, uma remuneração de R$ 31 mil, com o salário de $ 6,9 mil com a função atual de secretário de Estudos Estratégicos na Presidência, já descontado o abate-teto, chegando a quase R$ 38 mil.

Além dele, na ativa, o secretário de Assuntos Estratégicos, Flávio Viana Rocha, almirante-de-esquadra da Marinha, ganhou em março R$ 37,1 mil. Seu salário sem o acréscimo seria de R$ 33 mil.

Na reserva, alguns chegaram a receber quase o dobro de seu salário como militares.
Antônio Leite dos Santos Filho (general-de-brigada e diretor-geral do DNIT) teve um acréscimo de 17,4 mil reais. Ele recebe R$ 44,4 mil e seu salário sem o acréscimo seria R$ 27 mil.

Carlos Alberto Flora Baptistucci (coronel e secretário-executivo adjunto do Ministério da Ciência e Tecnologia) também teve um acréscimo de 17 mil reais. Seu salário como militar da reserva era de R$23,9 mil, com o acréscimo seu salário chega a R$40,9 mil.

Robson Santos da Silva (tenente-coronel e secretário de Saúde Indígena) recebe R$ 38,3 mil. O salário normal seriam R$ 21,4 mil e Alexandre Dias da Cruz (contra-almirante e chefe do Ibama no Rio) ganha R$ 37,2 mil. O salário sem o acréscimo seria R$ 26,8 mil.

Pode te interessar: Fila do osso é símbolo da barbárie capitalista: por um plano de luta já




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias