×

Ataque ao povo indígena | Militar ordena reconstrução de estrada em terra Apyterewa, no Pará

O território indígena Apyterewa está sofrendo um ataque ordenado por Raimundo Neto, oficial da reserva do exército, em acordo com o governo MDB.

sexta-feira 27 de agosto | Edição do dia

Foto: Reprodução

Na cidade de São Félix do Xingu, localizada no sul do Pará, um capitão da reserva, Raimundo Pereira dos Santos Neto, ordenou a reconstrução de uma estrada que passa por dentro do território indígena Apyterewa, do povo Parakanã, sem consulta prévia, como previsto em lei. O ataque se deu em conluio com o prefeito da cidade, João Kleber e com o governador do estado, Helder Barbalho, ambos do MDB.
A finalidade da invasão às terras é de construir uma via de escoamento que beneficiará os latifundiários da região, que já se apropriam de terras indígenas homologadas.

Raimundo Neto, é um dos 19 militares que tomaram a Funai (Fundação Nacional do Índio) por cargos indicados por Bolsonaro e generais, reflexo da militarização dos órgãos públicos durante o mandato de Bolsonaro. Posicionados para atacarem o povo pelas próprias instituições, essa é mais uma parte do projeto Bolsonaro de favorecer os capitalistas agrários que assassinam e roubam os povos indígenas do país. Como ilustraria bem o ex-ministro do meio ambiente de Bolsonaro, Ricardo Salles, aproveitar todas as chances e todas as brechas para “passar a boiada”.

Veja também:

Acampamento indígena em Brasília - Onde estão as centrais sindicais na luta dos indígenas contra o Marco Temporal? Por Caio Reis

No Planalto - Indígenas queimam caixão de 10 metros contra medidas de morte de Bolsonaro, Congresso e STF

Em meio ao acampamento indígena em Brasília (DF), com uma forte demonstração de força de diversos povos originários contra a criminosa tese do Marco Temporal, com manifestações, também, em diversas cidades pelo país, tal ataque só demonstra a necessidade de organização e solidariedade em torno das questões indígenas e de preservação da cultura originária e do meio-ambiente, frente aos recorrentes ataques, potencializados nos últimos anos no bojo do governo Bolsonaro, um governo que serve aos latifúndios, ao genocídio indígena e ao desmatamento das florestas nacionais.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias