Política

MILITARES NO GOVERNO

Militar indicado por Bolsonaro para cargo na ANVISA é olavista e critica Coronavac

No Twitter, o militar endossa mensagens contrárias à Organização Mundial da Saúde (OMS) e também críticas à Coronavac, vacina contra a covid-19 que está sendo desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantã. O órgão é vinculado ao governo de São Paulo, comandado por João Doria (PSDB).

sexta-feira 13 de novembro| Edição do dia

Indicado na quinta-feira, pelo presidente Jair Bolsonaro, para a direção da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o tenente-coronel Jorge Luiz Kormann faz coro a teses reprovadas pelo próprio órgão que poderá comandar. No Twitter, o militar endossa mensagens contrárias à Organização Mundial da Saúde (OMS) e também críticas à Coronavac, vacina contra a covid-19 que está sendo desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantã. O órgão é vinculado ao governo de São Paulo, comandado por João Doria (PSDB).

Para entender: Com 162 mil mortes, Bolsonaro celebra vitória contra Doria após suspensão de vacina

A indicação de Kormann ocorre no momento em que a Anvisa está sob questionamento quanto à sua autonomia para analisar o registro de vacinas. As críticas se avolumaram após Bolsonaro comemorar e apontar como vitória pessoal sobre Doria a decisão da agência de suspender justamente os testes da Coronavac.

Na segunda-feira, minutos após a Anvisa anunciar a suspensão dos estudos, Kormann curtiu no Twitter publicação do empresário Leandro Ruschel, que afirmava: "Todo mundo sabe que o Doria é o ’China Boy’. Mas nessa história da vacina, tá ficando até constrangedor". No entanto, após avaliar dados de um comitê internacional, a Anvisa autorizou o retorno do ensaio na quarta-feira.

Para saber mais: Contra Bolsonaro e Doria, defendemos todas as medidas contra a Covid e o direito à vacina para todos

Atual secretário executivo adjunto do Ministério da Saúde, o militar mostra ainda apoio a publicações do escritor Olavo de Carvalho, tido como guru do bolsonarismo. Segundo fontes que acompanham os trabalhos da Saúde, Kormann é fiel seguidor de ideias do presidente Bolsonaro.

No Twitter, há duas interações com o vereador no Rio, Carlos Bolsonaro (Republicanos), filho do presidente, sobre um conflito entre Irã e Israel, em maio de 2018. Em abril do mesmo ano ele considerou "ridícula, infame", em publicação do Estadão no Twitter, uma denúncia apresentada pela ex-procuradora-geral da República Raquel Dodge contra Bolsonaro por racismo.

O indicado à Anvisa também curtiu publicação de 27 de setembro do escritor Guilherme Fiuza que fala em "parceria" da OMS com a "ditadura chinesa". "Se você ainda não acredita na parceria saudável da OMS com a ditadura chinesa, fique em casa. Com mais seis meses de tranca você vai estar chamando urubu de meu louro e lockdown de ciência", afirmava a publicação.

Se for aprovado para comandar a Anvisa, Kormann terá de lidar com assuntos variados, além de aprovar o registro de medicamentos. A pauta inclui fiscalização sanitária de portos, aeroportos e fronteiras. Também define regras sobre agrotóxicos, cigarro, alimentos, cosméticos e produtos para saúde, como próteses. Em uma canetada, a agência tem pode interditar grandes fábricas ou aplicar multas. Diretores do órgão costumam dizer que têm mais de 25% do PIB nacional nas mãos. Ela tem ainda papel de liderança em discussões internacionais sobre vigilância sanitária, como as que ocorrem na OMS.

Para assumir uma das cinco diretorias da agência, o militar precisa ter o nome aprovado por comissão e plenário do Senado. E, de quebra, sobreviver à guerra política pelo cargo. Este ano, Bolsonaro já recuou de duas outras indicações.

Com informações da Agencia Estado.




Tópicos relacionados

Vacina   /    Crise do Coronavírus   /    Fora Bolsonaro, Mourão e os militares   /    Coronavírus   /    Militares na política   /    Governo Bolsonaro   /    Governo Federal   /    Política

Comentários

Comentar