×

Racismo | Militante negra e feminista é colocada em grupo neonazista, sofrendo ataques racistas

Carol Inácio teve o seu número de telefone inserido em um grupo de WhatsApp autodenominado “Homens nazistas” e sofreu uma série de ataques racistas. Esse é o Brasil governado por Bolsonaro, que já se demonstrou um verdadeiro entusiasta do nazifascismo e que fustiga setores fascistas com seu discurso reacionário. Todo apoio à Carol Inácio! Não passarão!

quarta-feira 11 de agosto | Edição do dia

Imagem: Reprodução/Instagram

Carol Inácio, influencer, feminista e miltante do movimento negro de Colatina (ES), teve seu número inserido em um grupo de WhatsApp autodenominado “Homens nazistas”, sofrendo ataques racistas desses setores asquerosos.

Veja também: [Vídeo] Homem negro é obrigado a tirar roupa em supermercado para provar que não roubou

URGENTE: Fazenda Roseira, patrimônio da cultura negra, é alvo de incêndio

Os ataques proferidos contra a militante nesse grupo são os mais odiosos e repugnantes que se possam imaginar: “Negras fedem a bicho”, “mesma coisa que transar com animal”, “no BBB 2022 poderia ter uma senzala de vidro só para negros”.

Pode te interessar: Somente 20% das universidades públicas no Brasil tem vagas para quilombolas

Como se não bastasse, um dos membros do grupo nazista disse: “Se chegar uma Nêga Obesa pra você, dizendo que você é privilegiado e tem que dar a vez para ela, o que vai fazer?”, tendo como resposta que “dou uma paulada na cabeça dela”.

Carol Inácio procurou as autoridades e registrou um Boletim de Ocorrência, e afirmou que “tem medo de que algo pior aconteça”.

Justiça racista nega que casal tenha cometido crime por acusar jovem de roubar bicicleta

“Reafirmo, não vou me ausentar da luta, independente das ameaças, eu só quero que as autoridades competentes investiguem esses casos. Estamos vivendo um retrocesso”, disse a militante.

Veja mais: “Raça de putas e piranhas”: Pastor destila misoginia, racismo e homofobia contra colega

O grupo de whatsapp neonazista se chama “Realities – Red Pill Opressor” e se descreve como: “Somos homens, brancos, hetero normais, devido a isso te oprimimos, né? Portanto, assuma seu lugar de inferioridade total”. Os membros do grupo afirmam também que “gayzismo é doença” e “feminismo é lixo”.

Veja mais: “Vocês são a razão de existência do meu mandato”, diz Bolsonaro sobre neonazistas em 2004

Bolsonaro se reúne com nazista neta de Ministro de Hitler e recebe elogios

Um homem chamado Anderson administra o grupo e o número de telefone dele tem o código de Massachusetts (EUA). O homem se diz nazista e que odeia gays e nordestinos.

Pode te interessar: Células neonazistas crescem de 334 para 530 em 2 anos de governo Bolsonaro, diz antropóloga

Esse é o Brasil governado por Bolsonaro, que já se demonstrou um verdadeiro entusiasta do nazifascismo em diversos momentos, e que vomita discursos racistas, machistas, homofóbicos, entre outras coisas reacionárias, estimulando que grupos fascistas se sintam mais confortáveis para reealizar casos absurdos como esses contra as mulheres, xs negrxs, LGBT’s e demais setores oprimidos e explorados. Todo apoio à Carol Inácio! Não passarão!

Pode te interessar: Paulo Galo e Biu deixaram a prisão na noite de ontem - Anulação de todos os processos já!




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias