Internacional

MIANMAR

Mianmar: rumo à uma guerra civil?

A resistência heroica da juventude e da classe trabalhadora de Mianmar está radicalizando seus métodos de luta. Grupos étnicos armados se juntaram à resistência e algumas facções políticas propõem a construção de um exército federal. Tudo indica que a guerra civil é uma possibilidade.

quinta-feira 8 de abril| Edição do dia

De Yangon às montanhas do estado de Shan, a resistência ao golpe militar de 1º de fevereiro uniu uma coalizão diversificada de grupos étnicos de Mianmar - incluindo organizações armadas - que lutam por maior autonomia, derrubando a Constituição de 2008 e estabelecendo uma democracia federal (étnica).

As imagens que chegam deste distante país do Sudeste Asiático são cada vez mais preocupantes. Em duas semanas, os assassinatos nos protestos pela repressão ao Tatmadaw (nome das Forças Armadas de Mianmar) dobraram, acumulando quase 600 mortos, milhares de presos e feridos desde o golpe contra o partido eleito, a Liga Nacional Democrática (LND).

Os jovens e trabalhadores que participam dos protestos, cuja principal reivindicação é a queda da ditadura, vêm radicalizando os métodos de luta de rua. Enormes barricadas, escudos de aço, fogos de artifício, pistolas de ar, estilingues, coquetéis molotov, etc., pintaram a paisagem de Yangon, Mandalay e outras cidades sob um cenário de combates incessantes. Muitos jovens manifestantes agora se consideram "guerreiros" e começaram a exigir que a Constituição de 2008 que protege o poder do Exército seja abandonada.

A resistência operária e juvenil que enfrenta os militares vê cada vez mais a necessidade de organizar a autodefesa em face do endurecimento da repressão. Mas, diante da possibilidade de uma guerra civil - que é antes de tudo uma solução de força entre atores políticos - o movimento precisará conseguir chegar com uma liderança de classe independente naquele cenário. Sem essa liderança, o resultado seria um aborto do atual processo de revolta, onde até atores como os Estados Unidos e a China podem intervir de um lado ou de outro, tornando a situação reacionária.

A heróica rebelião popular é caracterizada por greves gerais por tempo indeterminado que paralisaram 90% dos terminais portuários, dos trens e da indústria têxtil (principal motor da economia). Os dados do Google Maps do final de março ilustram o impacto da greve, mostrando que o tráfego de pedestres em todo o país caiu 85% dos níveis pré-pandêmicos ligados a atividades recreativas e comerciais, e 80% para aqueles que vão para seus locais de trabalho. O Banco Mundial previu recentemente uma contração de 10% na economia de Mianmar neste ano. Embora o combustível e os alimentos básicos sejam cada vez mais escassos e todos os preços subam, a ONU anuncia uma emergência humanitária.

Para o regime comandado pelo General Min Aung Hlaing, que controla os principais aglomerados empresariais do país, é necessário derrotar o movimento de protesto que está impactando diretamente seus lucros, mas acima de tudo questionam seu poder.

Consequentemente, com o apoio tácito da Rússia, China, Índia e Tailândia, entre outros, eles transformaram o país em um campo de extermínio: tiroteios aleatórios em bairros incluindo dezenas de crianças, assassinatos organizados em fábricas, incêndios e invasões em casas de trabalhadores e ativistas, uso de armas de guerra para reprimir, prisão de milhares de oponentes, bombardeios em aldeias de minorias étnicas, etc. Além disso, menos de três membros do NLD (liderados pelo Conselheiro de Estado destituído Daw Aung San Suu Kyi) foram torturados até a morte sob custódia. Este confronto direto com as massas não tem volta.

Muitos vêem que uma guerra civil aberta é um horizonte possível. É por isso que centenas de jovens estão vendo a necessidade de organizar a autodefesa. Eles estão se treinando clandestinamente em técnicas básicas de guerra e planejando sabotar instalações relacionadas ao exército, muitos deles se juntando a exércitos étnicos estacionados nas regiões da selva.

Enquanto o foco está em movimentos de protesto antimilitares em centros urbanos, manifestantes nos principais estados étnicos de Mianmar também se mobilizaram em oposição ao regime militar, agitando bandeiras com simbolismo tradicional.

Jovens de diferentes etnias avançaram em uma unidade sem precedentes. Representando esta solidariedade, o Comitê de Greve Geral de Nacionalidades (GSCN) foi criado em 11 de fevereiro, um grupo de protesto multiétnico fundado por um grupo de jovens de Karen, Chin, Kachin e Rakhine. Desde então, representantes de 29 grupos étnicos aderiram à aliança. Além disso, a repressão nas cidades e vilas do "interior" foi tão violenta e a resistência tão forte que alguns grupos étnicos armados foram forçados a se juntar à resistência. Desde então, eles atacaram delegacias de polícia e postos avançados do regime perto de seus territórios, dizendo que o assassinato de civis é "inaceitável".

Mantidas por muito tempo fora da política nacional, as demandas dos 135 grupos étnicos de Mianmar (35% da população) vão além da queda do regime militar: eles reivindicam direitos democráticos federais que lhes foram negados durante as seis décadas do governo militar anterior e os cinco anos de governo da LND.


Fonte: A Ordem Mundial

Em 1947, pouco antes da independência do Império Britânico, em Mianmar (na época Birmânia, nome vindo do grupo étnico majoritário, os Bamar) os direitos das minorias étnicas foram reconhecidos através do Acordo de Panglong, negociado pelo pai de Aung San Suu Kyi, General Aung San, como condição para aderir à União da Birmânia. No entanto, eles nunca foram colocados em prática. Desde a independência em 1948, pelo menos 20 exércitos de origem étnica entraram em confronto com o Estado central na considerada “mais longa guerra civil da história”, lutando por sua autonomia.

Sob o governo da LND, o progresso em direção a um “Processo de Paz” era esperado desde 2016, porém os confrontos aumentaram. Imediatamente após o golpe, a maioria desses grupos não moveu um músculo contra o golpe, respeitando o Acordo de Cessar-Fogo (assinado com 10 exércitos). Mas, mais recentemente, alguns deles, incluindo o Exército da Independência de Kachin (KIA) e a União Nacional Karen (KNU), com sede no leste do país, anunciaram que estão ao lado do povo contra a ditadura militar que rompe o Acordo.

Em 27 de março, a 5ª Brigada da ala militar do KNU, o Exército de Libertação Nacional de Karen (KNLA), tomou um posto avançado no topo de uma colina mantido pelo regime militar no estado de Karen. O KNLA matou 10 soldados, incluindo um oficial, e prendeu oito soldados como prisioneiros de guerra. Em retaliação, o regime lançou ataques aéreos contra o KNLA usando dois caças no distrito de Papun, estado de Karen. Mais de uma dúzia de Karen foram mortas e milhares de pessoas fugiram de suas aldeias nos ataques aéreos subsequentes.

Algumas cidades remotas estão realmente em guerra. Os combates em Kale, na região de Sagaing, continuam desde o final de março. Tropas do regime que vieram reprimir um protesto contra o golpe na cidade encontraram moradores empunhando armas de percussão caseiras. Embora essas armas rudimentares não fossem páreo para as metralhadoras, granadas e lançadores de foguetes das tropas, a luta durou horas. Esses exemplos são desnecessários.

Da mesma forma, três exércitos no final de março, incluídos na Aliança da Fraternidade, advertiram os militares que iriam colaborar com outras organizações étnicas armadas e partidários da “democracia” para defender o povo da repressão brutal do regime se a violência continuasse. O Exército Arakan (AA), o Exército da Aliança Democrática Nacional de Mianmar (MNDAA) e o Exército de Libertação Nacional Ta’ang (TNLA) exigiram que a junta militar parasse com suas violentas repressões, libertasse todos os líderes civis e detidos, restaurasse a democracia e aceitasse os resultados das eleições gerais de 2020, onde a LND venceu de forma esmagadora.

Por outro lado, no início de março foi formado o Comitê Representativo do Parlamento Nacional (CRPH), composto em sua maioria por ex-deputados da LND eleitos em novembro. Agora atua como uma espécie de governo provisório na disputa pelo reconhecimento internacional. Atualmente, vários distritos de diferentes cidades assumiram a gestão do estado, formando conselhos locais. Em uma reviravolta em sua luta para ganhar o apoio de grupos étnicos, declarou que renuncia à constituição centralista de 2008 e prometeu construir uma verdadeira democracia federal com autonomia de longo alcance para os estados étnicos de Mianmar. Também publicaram uma carta federal provisória como um precursor para a elaboração de uma nova constituição.

De acordo com a análise de Philipp Annawitt e Moe Hteet no Nikkei Asia: “A repressão cada vez mais violenta da junta está forçando os líderes do CRPH a se mudarem para um território seguro perto da fronteira com a Tailândia e fazer a transição para a resistência armada. Um dos enviados internacionais do CRPH anunciou recentemente planos para redigir uma nova constituição federal nos próximos seis meses e construir um exército federal que incluiria as organizações armadas étnicas de Mianmar.”

Da mesma forma, a análise de Hannah Beech no New York Times diz que "há um reconhecimento crescente de que tais esforços [do Movimento de Desobediência Civil] podem não ser suficientes, que o Tatmadaw deve ser combatido em seus próprios termos (...) os remanescentes do parlamento derrubado, que se considera o governo legítimo, disse que uma ’revolução’ era necessária para salvar o país. Pediram a formação de um exército federal que respeite várias etnias, não apenas a maioria bamarista”.

A manobra da LND busca captar a força e o apoio das organizações étnicas armadas para que, em caso de vitória, possam negociar o “pós-ditadura”. O objetivo da LND nunca será conceder direitos às minorias étnicas, mas chegar a acordos táticos com organizações armadas diante de um inimigo comum. Além disso, muitos deles após décadas de controle territorial, transformaram a autodeterminação a uma bandeira vazia voltando suas operações para o tráfico de drogas (lá é o famoso Triângulo Dourado) ou para o ataque de outras etnias (como o Exército Arakan contra os Rohingya). Por enquanto, eles reconhecem discursivamente que sem essas forças não podem chegar ao poder central e, para isso, terão que responder a várias demandas populares.

Para aumentar a complexidade da situação, Pequim tem apoiado vários grupos étnicos desde 1960, devido ao seu legado de apoio do Partido Comunista da Birmânia. Annawitt diz que a China tem "enorme influência" sobre o papel desempenhado por grupos políticos étnicos e armados em Mianmar na crise atual. Pequim acredita que seus interesses são legítimos e que tem um papel a cumprir em certas regiões devido à sua proximidade geográfica com o país do sudeste asiático.

Shane Brady, co-fundador do grupo Democracy for Burma, também disse a esse respeito que "Pequim estava fornecendo apoio a grupos étnicos armados, incluindo o KIA". Ele acrescentou que é "muito cedo para determinar se a China se envolverá na crise de Mianmar de forma que seja considerado um conflito indireto [conflito por procuração]". Brady disse que "a China provavelmente mudará de lado se o país continuar caindo no caos, prejudicando os interesses econômicos chineses e causando o fluxo de refugiados para a China".

A China mantém momentaneamente uma posição de apoio a quem conseguir estabilizar a situação em um país-chave em sua geoestratégia. Esses comentários de analistas mostram que Pequim tem fichas em todos os jogadores regionais, do Tatmadaw à LND, com quem cultivaram bons relacionamentos em seus anos de governo.


O KIA marcha perto de Laiza em janeiro. (Yawng Htang)

Ao mesmo tempo, é necessário destacar dois aspectos que podem definir a evolução da atualidade em Mianmar. Por um lado, antes do golpe, muitos Bamar (grupo étnico majoritário) apoiaram Aung San Suu Kyi sem criticar ou examinar sua posição em relação aos grupos étnicos armados, federalismo e um governo que integra as demandas de povos de diferentes grupos étnicos. A experiência cada vez maior de violência e opressão nas mãos do Tatmadaw trouxe um novo senso de solidariedade com outros grupos étnicos que sofreram a brutalidade dos militares por sete décadas.

"No passado, o povo de Bamar do continente não entendia realmente por que as pessoas de etnia lutavam contra os militares", disse Kaw Ring, um deslocado em Mai Ja Yang. "Agora, muitos jovens [bamar] passaram a compreender e ter empatia com o que outras pessoas étnicas estão passando." Nesse sentido, como diz Phillipe Alcoy, “Tudo isso indica que o golpe de Estado e principalmente a resistência da juventude, dos trabalhadores e das classes populares em geral nas grandes cidades e centros urbanos parecem estar afetando a luta. pela autodeterminação das minorias étnicas oprimidas e, portanto, em algumas de suas organizações."

Por outro lado, membros das minorias étnicas de Mianmar (cerca de 35% da população), apesar de seu apoio político à LND, muitos admitem estar imersos na pobreza, isolamento e no conflito armado. Eles esperavam que após a vitória eleitoral da LND em 2015 essa situação mudasse, e é por isso que muitos dos manifestantes de estados étnicos dizem que estão protestando por uma verdadeira democracia federal, incluindo uma nova constituição que protegeria e promoveria melhor os direitos étnicos. Vantha Hlei, um trabalhador de 28 anos que vive na capital do estado de Chin, Hakha, disse que "o governo do LND não fez o suficiente para desenvolver o seu estado, o mais pobre do país, enquanto esteve no poder."

Essas duas tendências, se conseguirem convergir, podem ser um profundo questionamento sobre os rumos do movimento dirigido pelo LND na superação das diferenças étnicas. A única saída para os jovens e trabalhadores de Mianmar é confiar em suas próprias forças para conseguir a derrubada revolucionária do Tatmadaw, construindo suas próprias instituições revolucionárias, autodefesa fora dos grupos armados reacionários e deslocando o LND de qualquer posição. do governo provisório.

Sem dúvida, a irrupção dos grupos armados produzirá confrontos violentos nos próximos meses. O peso do material militar está do lado do Tatmadaw, mas seu moral não foi testado e eles podem entrar em colapso sob a pressão dos protestos. Enquanto a juventude se mantém firme e o moral está do lado do movimento de massas que resiste a cada dia com mais força. Cada passo organizacional está também na experiência com a LND que não levantou um dedo a favor das minorias étnicas em seus anos de governo e tem um curso de gestão conjunta com os militares. Diante da possibilidade de uma guerra civil, o rompimento com a LND torna-se mais imperativo.

A luta atual em nível nacional não deixa espaço para nenhum ponto de encontro entre civis e militares. A guerra civil e os conflitos urbanos parecem uma possibilidade catastrófica. Embora a luta tenha se confinado principalmente a áreas remotas, fronteiriças ou rurais, em breve poderá se espalhar para ambientes urbanos. Não apenas a guerra civil poderia se espalhar para o interior a partir das fronteiras, mas a guerra urbana poderia irromper nas cidades. Essa mesma possibilidade abriria as portas para a intervenção de potências imperialistas e regionais como os EUA (como vimos na Síria e na Líbia em 2011) ou a China que tem interesses econômicos importantes no país, o que resultaria em um cenário reacionário abortando a possibilidade de um processo revolucionário.

A possibilidade de uma guerra civil em Mianmar aumenta cada vez mais a necessidade de autodefesa e da existência de uma organização independente - tanto da LND, quanto das guerrilhas étnicas e das potências imperialistas. Deve ser liderado pela juventude e pela classe trabalhadora em aliança com as minorias étnicas para impor uma agenda que responda aos verdadeiros interesses democráticos sob um governo de trabalhadores que têm sofrido fome e exploração. No momento, a experiência que Mianmar está passando tem o olhar atento de trabalhadores e jovens de toda a região que os vêem com total simpatia.




Tópicos relacionados

Mianmar   /    Internacional

Comentários

Comentar