Mundo Operário

TERCEIRIZADAS

Merendeiras terceirizadas do Rio de Janeiro estão há 3 meses sem salário

Trabalhadoras terceirizadas responsáveis pela merenda das escolas do município do Rio de Janeiro denunciam estarem sem receber salário desde novembro de 2020.

terça-feira 16 de fevereiro| Edição do dia

Há 3 meses essas trabalhadoras terceirizadas, em sua maioria mulheres negras, que cumprem um papel fundamental para o funcionamento das escolas municipais estão sem receber salário ou vale alimentação, com a geladeira vazia e o estômago ardendo de fome, essas mulheres denunciam a empresa PRN Mão de Obra e Serviços Especializados Eirieli responsável pelo contrato de trabalho.

No ano passado esta categoria de trabalhadoras teve de se manifestar pelo mesmo motivo, atraso salarial. Em meio a uma pandemia que já matou quase 240 mil no Brasil e um governo que colocou milhares de brasileiros de volta à condição de miséria, Eduardo Paes (DEM), prefeito do Rio de Janeiro deixa diversas famílias em condições precárias, sem dinheiro para comprar comida ou pagar as contas.

"Essa daqui é a minha geladeira, vazia. Só tem água, dois ovos, uma massa de tomate, o resto é água. Isso é o que eu tenho na minha casa pra comer", disse uma das trabalhadoras em vídeo que gravou denunciando a situação.

A empresa, que não quer ter sua imagem suja, coloca a responsabilidade na prefeitura da cidade, que está lhe devendo R$ 2 milhões, o que em tese justificaria o não pagamento dos salários. Já a prefeitura alega que desfez o contrato com a empresa em abril do ano passado por conta da suspensão, sem previsão de volta, das aulas presenciais, devolvendo para a empresa a responsabilidade pela falta de pagamento. A verdade é que ambas são culpadas, mas quem está pagando o pato são as trabalhadoras e suas famílias.

As empresas de terceirização vêm lucrando milhões mesmo com a pandemia, no entanto, o pagamento para essas trabalhadoras não tem previsão para ser realizado.
"Eu não acho justo você ter uma carteira assinada só para dizer que tem. A gente não está pedindo nada de favor a ninguém, não. A gente está pedindo o que é nosso", disse outra merendeira.

O processo de terceirização que proporciona aos capitalistas um enorme aumento dos lucros, impõe à classe trabalhadora, em sua maioria negra, a precarização do trabalho e da vida. Pelo direito ao trabalho digno, ao cumprimento de todas as leis trabalhistas conquistadas em anos de luta da classe trabalhadora, defendemos a efetivação sem necessidade de concurso público de todas as trabalhadoras terceirizadas.




Tópicos relacionados

Atraso de salários   /    Eduardo Paes   /    Terceirização   /    Rio de Janeiro   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar