Mundo Operário

4 MESES SEM SALÁRIO

Merendeiras da empresa Soluções também estão sem salário por calote dos patrões e de Paes

Merendeiras da empresa terceirizada Soluções também estão há 4 meses sem receber seus salários e direitos. A mesma situação revoltante é enfrentada pelas trabalhadoras da empresa PRM, que mandaram suas denúncias ao Esquerda Diário. Segundo fontes, 6 empresas terceirizadas que prestam serviço à prefeitura estão cometendo este calote criminoso junto com Eduardo Paes.

terça-feira 13 de abril| Edição do dia

“Eu estou saturada. Vendo meu armário ficar vazio e não ter condições de comprar.” é o que relatou uma das merendeiras da Soluções ao Esquerda Diário, ontem à noite. A situação é tão absurda que chamou a atenção da Globo. Mesmo aliada de Eduardo Paes, a emissora levou ao ar nesta manhã uma reportagem sobre a situação desesperadora das terceirizadas.

As funcionárias terceirizadas destas empresas já haviam protestado em defesa dos seus direitos anteriormente.“Somos guerreiras, organizamos nossa manifestação no dia da mulher pelo pagamento dos nossos salários", é o que nos afirmou uma merendeira da empresa PRM.

Segundo fontes que preservamos o anonimato, 6 empresas terceirizadas que prestam serviço à prefeitura estão cometendo este calote criminoso junto com Eduardo Paes. As merendeiras dizem que não há nenhuma informação, somente o “empurra” entre o prefeito e as empresas, jogando a responsabilidade um para o outro.

Leia: Eduardo Paes: 100 dias governando o Rio sem pagar as merendeiras das creches municipais

“Há famílias aqui sendo despejadas, passando fome, necessidade, sem ter nada para comer”, é o que afirma Mariângela em reportagem do Rjtv, indignada com seus patrões e Eduardo Paes, que criminosamente não pagam 4 meses de salários e ticket alimentação, no meio da crise do coronavírus, do desemprego e da fome.

Não bastasse o absurdo calote dos patrões e Eduardo Paes, a Soluções vêm lançando os contra cheques como se os salários estivessem sendo pagos e folhas de ponto assinadas como se as merendeiras estivessem recebendo..

A consequência desse calote de Paes e dos empresários é que as funcionárias dessas empresas, estão com as geladeiras vazias, sendo despejadas de suas casas. Para completar o absurdo, elas mal podem recorrer ao já reduzido auxílio emergencial, pois são mantidas formalmente contratadas.

“Mães, que moram sozinhas e pagam aluguel, que tem filho pequeno, a gente não tá tendo ajuda em nada, nem de cesta básica, em nada. A gente não tem direito ao auxílio emergencial, a gente não tem direito a nada”, relatou a merendeira terceirizada, Monique.

Carolina Cacau: "Toda solidariedade às merendeiras em luta contra Paes e os empresários!"

A condição revoltante dessas trabalhadoras é consequência direta do “empurra” entre Eduardo Paes e as empresas terceirizadas, como denunciaram as merendeiras. Esta disputa entre prefeitura e os patrões é paga pelos trabalhadores de diversas empresas terceirizadas que estão sem receber os seus salários, em meio ao auge da pandemia, com milhares de mortes, desemprego e fome.

As denúncias chegaram ao Esquerda Diário por mensagens dessas terceirizadas guerreiras, que nos relataram os absurdos que estão passando. Elas são chefes de família que estão pensando em como sustentar os seus filhos, ameaçadas de serem despejadas de suas casas, contas acumuladas e a geladeira esvaziando. Essa situação é responsabilidade de Paes e dos patrões, que devem pagar imediatamente os salários atrasados.

Ouça mais sobre a terceirização do trabalho: A precarização tem rosto de mulher negra

Pelo imediato pagamento dos salários das merendeiras! Paes e a PRM são responsáveis!

💬 Quer noticiar a mobilização em seu local de trabalho, denunciar a situação em seu trabalho? Mande seu relato para +55 11 97750-9596

E siga o Esquerda Diário nas redes e plataformas de streaming!

Ouça e compartilhe o Podcast Peão 4.0!

Todos os dias, ouça a realidade contada a partir dos trabalhadores em 5 minutos!




Tópicos relacionados

Merendeiras   /    Prefeitura do Rio   /    Ataques a Salários   /    Atraso de salários   /    Eduardo Paes   /    Salário   /    Terceirização   /    Rio de Janeiro   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar