Mundo Operário

MERCEDES

Mercedes anuncia fechamento de fábrica em Iracemápolis

A empresa divulgou nesta quinta-feira o fechamento da unidade de Iracemápolis, no interior de São Paulo. Ao todo são 370 trabalhadores que agora não sabem se no próximo mês ainda terão emprego.

sexta-feira 18 de dezembro de 2020| Edição do dia

Foto: Divulgação

A Mercedes-Benz anunciou nesta quinta-feira, 17, que irá encerrar a produção de automóveis na fábrica de Iracemápolis, no interior de São Paulo. Segundo a montadora, a decisão se deve à crise econômica.

A fábrica, que foi inaugurada em 2016, tem cerca de 370 funcionários. São centenas de famílias que agora vivem a incerteza de como será o futuro e se terão como se sustentar em meio a uma situação de crise profunda, desemprego e alta da inflação da cesta básica.

Cinicamente, a empresa diz se importar com os trabalhadores e que "nosso primeiro objetivo agora é encontrar uma solução sustentável para os colaboradores dessa unidade”. Mas a verdade é que, novamente, fica claro que o que importa para os grandes empresários é garantir seus lucros e quem paga essa conta são os trabalhadores.

Situações semelhantes ocorreram recentemente, como na Ford, que fechou a planta do ABC e deixou mais de 600 trabalhadores na rua . Ou ainda com a Latam, que demitiu ou cortou salário de mais de 2 mil trabalhadores, que resistiram heroicamente mostrando a força da classe trabalhadora.

Leia mais: "Não nos resta outra opção que não lutar unidos", diz trabalhadora da LATAM, símbolo da luta na Argentina e Brasil

Desde o início da pandemia, onde as montadoras poderiam converter a produção para satisfazer as necessidades e urgência da população que morre nas UTI’s por falta de respiradores, o que de fato acontece é a garantia do lucro aos patrões e demissão aos trabalhadores.

Leia mais: As fábricas de automóveis poderiam fabricar respiradores? Sim, se seus trabalhadores as controlassem

Com informações da Agência Estado




Tópicos relacionados

Crise do Coronavírus   /    Demissões   /    Desemprego   /    Demissões na Mercedes   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar