Sociedade

PORTO ALEGRE

Melo anuncia reforma da previdência para acabar com a aposentadoria dos municiparios

Na tarde dessa segunda-feira (1), na Câmara dos Vereadores de Porto Alegre, o prefeito Sebastião Melo (MDB) anunciou que enviará retificações à reforma da previdência municipal para adequá-la com a reforma de Bolsonaro a nível federal.

terça-feira 2 de fevereiro| Edição do dia

Foto: ALRS

Melo afirmou que sem essa reforma da previdência, que significa tirar dinheiro de pensionistas, aposentados e tornar a aposentadoria quase impossível para os servidores municipais, não se pode “enfrentar” a educação e a saúde. Sim Melo usou a palavra enfrentar e não investir, não conseguindo esconder sua linha de pensamento.

Da mesma forma que a nível federal o discurso é o mesmo, o que muda são os valores e as dimensões dos cálculos, tudo para manter a “sagrada” responsabilidade fiscal para o chamado “equilíbrio das contas públicas”, sem mencionar os grandes sonegadores de impostos e o maior mecanismo de fluxo de dinheiro público que vai para as mãos de banqueiros e empresários a nível federal: a dívida pública. Esse dinheiro que sustenta bilionários é intocável e nunca mencionado na grande mídia que também tem seus interesses fiscais.

Nós do Esquerda Diário, como uma imprensa militante e independente, que não recebe nenhum tipo de recursos de empresários sempre denunciamos que quem quebra as contas públicas não são os aposentados ou os funcionários públicos, não são os direitos dos trabalhadores que quebram o país como quer fazer crer Bolsonaro e Melo por exemplo. Quem quebra as contas públicas é uma classe parasita, são os insaciáveis capitalistas com seus enormes lucros e benefícios concedidos pelo próprio Estado, que para continuar governando para os ricos na crise massacram a população trabalhadora retirando direitos e precarizando os serviços prestados.

Que sejam os capitalistas e os seus políticos que paguem pela crise!




Tópicos relacionados

Responsabilidade fiscal   /    Sebastião Melo   /    Que os capitalistas paguem pela crise!   /    Reforma da Previdência   /    Dívida pública   /    Sociedade   /    Economia   /    Política

Comentários

Comentar