Internacional

CORONAVÍRUS

Médicos italianos protestam por maior proteção após morte de 87 profissionais de saúde

Os sindicatos de médicos do Serviço Nacional de Saúde ameaçaram uma greve pela falta de proteção daqueles que lutam na primeira linha contra o coronavírus. Desde que a pandemia começou naquele país, 87 profissionais de saúde morreram.

segunda-feira 6 de abril| Edição do dia

Os sindicatos de médicos do Serviço Nacional de Saúde da Itália ameaçaram uma greve "virtual" por falta de proteção para os profissionais de saúde que lutam na linha de frente contra a pandemia de coronavírus. Desde a chegada do vírus na Itália, 87 funcionários dos serviços de saúde já morreram.

Os sindicatos proclamaram um "estado de emergência" pela falta de medidas de proteção depois de observar, em uma nota unitária, que fizeram "numerosos apelos ao governo e ao parlamento pela segurança dos trabalhadores desde o início da pandemia". "Somos forçados, para nosso pesar, a proclamar um estado de emergência nas categorias profissionais representadas, sem excluir a proclamação de um dia de protesto nacional a ser implementado de maneira ’virtual’, ou seja, garantindo a execução regular do desempenho laboral", assegura o sindicato.

De acordo com a lista publicada pela Federação de Faculdades de Medicina (Fnomceo), que é constantemente atualizada, atualmente existem 87 profissionais de saúde que morreram no curso de seu trabalho contra o coronavírus. No portal, que ostenta uma fita preta no canto, são adicionados o nome e a especialidade de cada médico falecido, internistas, socorristas, cardiologistas, entre outros. Segundo o último relatório do Instituto Superior de Saúde, 12.252 profissionais de saúde estão infectados.

Os sindicatos solicitam que os trabalhadores recebam pelo menos máscaras "ffp2" para o atendimento de pacientes com COVID-19 e "ffp3" para procedimentos invasivos. Eles também pedem que as disposições do decreto governamental que excluam trabalhadores da saúde e serviços públicos essenciais da aplicação da medida de quarentena com vigilância ativa em caso de contatos próximos sejam alteradas.

Greves operárias e pandemia

Na Itália, as greves dos trabalhadores já se multiplicaram, agora aumentando a convocatória aos médicos. Não se trata apenas da falta de condições de segurança para os profissionais de saúde, mas do acordo entre o governo e a principal câmara de negócios, a Confindustria, que fez com que muitas das principais fábricas e indústrias continuassem abertas, apesar de não serem essenciais, com o consequente risco de contágio para seus trabalhadores. Por isso, um número considerável de trabalhadores de várias fábricas metalúrgicas, mecânicas e químicas entraram em greve nos últimos dias, mesmo sem o endosso dos sindicatos que os agrupam (CGIL, CISL e UIL, na maioria dos casos). No caso de logística e transporte, ainda existe uma luta feroz entre os sindicatos ADL Cobas e Si Cobas contra as empresas agrupadas no Fedit (Federação Italiana de Transportadores a qual pertencem BRT, SDA, GLS, FedEx-TNT e outras grandes empresas de logística) exigindo medidas de segurança, controle destas pelos trabalhadores e pagamento de salários completos. Por outro lado, a gigante Amazon foi abalada pela primeira vez por uma série de greves em suas maiores fábricas na Itália, de Turim a Piacenza, de Florença a Roma, visto que a empresa não foi tão afetada pelos protestos que atingiram o setor de logística no país nos últimos 10 anos.

Até o momento, mais de 15.000 pessoas morreram na Itália devido ao coronavírus, e o número total de casos desde que o vírus foi detectado em 20 de fevereiro é de mais de 132.000 pessoas. Do governo, eles confirmam que a curva de contágio e morte está diminuindo, mas eles insistem que não se baixe a guarda e que as restrições de movimento que se aplicam até pelo menos 13 de abril devem ser rigorosamente respeitadas. Eles procuram responsabilizar as pessoas pela disseminação do vírus, anunciando com 20.000 pessoas presas em um fim de semana. No entanto, a responsabilidade pela disseminação recai sobre o mesmo governo que tomou medidas tardias e foi a mesma classe trabalhadora que se organizou para enfrentar a crise da saúde, que, como os trabalhadores da saúde, que agora exigem melhores condições.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Internacional

Comentários

Comentar