Sociedade

SAÚDE

Marchezan envia cartas com aviso de demissão para 1200 trabalhadores da saúde

Após ter aval do STF para extinguir o Instituto Municipal de Estratégia e Saúde da Família (IMESF), Marchezan enviou nesta quinta (24) cartas de aviso prévio para trabalhadores da saúde do instituto. O objetivo de prefeito é entregar 61 postos de saúde para as mãos de empresários.

quinta-feira 24 de setembro| Edição do dia

Há pouco mais de um ano, Marchezan anunciou a extinção do IMESF com a intenção de privatizar a saúde em Porto Alegre. Desde então os trabalhadores do IMESF estão mobilizados e lutando pelos seus salários e empregos bem como pelo direito da população mais carente ao acesso aos serviços de saúde pública nos bairros.

Trata-se de um brutal ataque à saúde em meio à pandemia. Pablo Stürmer, secretário da saúde, anunciou em coletiva de imprensa que até novembro serão transferidos 61 postos de saúde para a iniciativa privada. Em questão de horas após essa coletiva centenas de trabalhadores se reuniram em frente a prefeitura contra o desmonte da saúde pública em Porto Alegre, seguiram em ato pela avenida Borges de Medeiros até o Ministério Público.

Alguns desses trabalhadores relatam que já fizeram até 3 concursos e não foram nomeados para exercer os cargos em que já trabalham há anos, alguns há mais de uma década. É preciso que toda a esquerda, com a força de seus partidos, movimentos, mandatos e sindicatos se mobilize com toda a solidariedade possível a essa luta dos trabalhadores da saúde, pela manutenção dos empregos, efetivação de todos os contratados e terceirizados e contra o plano de privatização do instituto que atende as famílias mais pobres e vulneráveis de Porto Alegre.




Tópicos relacionados

Crise na Saúde   /    Privatização da Saúde   /    trabalhadores da saúde   /    IMESF   /    Saúde Pública   /    Sociedade   /    Economia   /    Política

Comentários

Comentar