Política

Manuel Merino assumiu como presidente do Peru em meio a protestos

Na manhã de terça-feira, poucas horas após a destituição de Martín Vizcarra pelo Congresso peruano, Manuel Merino tomou posse enquanto surgiam protestos contra ele em várias regiões do país.

terça-feira 10 de novembro| Edição do dia

1 / 1

Manuel Arturo Merino de Lamas assumiu a presidência do Peru antes da sessão plenária do Congresso do país. Ontem, a maioria dos parlamentares votou pela destituição do (ex) presidente Vizcarra , envolvido em escândalos de corrupção enquanto a crise política se agrava.

Durante a sua intervenção, esclareceu que a sua posse se refere ao início de um "processo de transição democrática" para "defender o país", e no mesmo tom defendeu a "legalidade" da sua chegada à primeira magistratura.

Segundo suas palavras, “ontem houve a destituição do presidente da Vizcarra”, que foi decidida por “votos que não foram comprados” mas foram “votos de confiança”. "O Parlamento agiu respeitando o devido processo", observou ele.

Merino pediu o início de uma “transição democrática” e “respeitando o processo eleitoral em curso” que será “realizado de acordo com o calendário eleitoral” já previsto. E acrescentou que "Ninguém pode alterar a data de 11 de abril de 2021."
“É um momento muito difícil para o país. A população nos olha com expectativa e muita preocupação” diante da “inegável crise” que atravessa o Peru, disse aos legisladores. Ele esclareceu que “não há nada a celebrar aqui” a não ser “assumir (o governo) com integridade moral e coragem democrática”.

Até ontem, Merino de Lamas ocupava o cargo de presidente do Congresso da República quando as bancadas de todo o arco político formado por Ação Popular, Aliança para o Progresso, Força Popular, Frente Ampla, Frepap, Podemos Peru, Unión por el Perú e Somos Peru, destituíram Vizcarra do cargo.

Com 105 votos a favor, 19 contra e 4 abstenções, o Congresso da República do Peru resolveu demitir o Presidente Martin Vizcarra por "incapacidade moral", já que estava envolvido em denúncias de corrupção por ter recebido propina para a construção do hospital de Moquegua e a obra Lomas de Ilo quando atuou como governador regional entre 2011-2014.

O motivo pelo qual o representante da Assembleia Legislativa assumiu a presidência é porque o governo derrubado não tinha vice-presidente, devido à renúncia de Pedro Pablo Kuczynski ao cargo em 2019.
Enquanto isso, protestos estouraram em várias regiões do país durante a tarde. Milhares de pessoas em Lima chegaram ao Congresso com cantos e tambores.

Nesse contexto, a posse de Manuel Merino não fecha a atual crise política, mas é provável que novos cenários se abram, uma vez que o conjunto de instituições que fazem parte do regime de 1993 começa a ruir no Peru.




Tópicos relacionados

Martín Vizcarra   /    Política   /    Internacional

Comentários

Comentar