Sociedade

Manaus e imunidade de rebanho que não funcionou

Estimava-se que 76% da população de Manaus havia sido infectada pelo coronavírus, proporção que supostamente alcançaria imunidade de rebanho. No entanto, ao longo de janeiro de 2021 as hospitalizações começaram a crescer abruptamente, saturando novamente o sistema de saúde. Por que isso acontece?

quarta-feira 3 de fevereiro| Edição do dia

Manaus é uma cidade com cerca de 2 milhões de habitantes, com densidade de 158 hab / km2, localizada na região norte do Brasil dentro da selva amazônica, que pôde receber óperas pródigas em seu teatro no final do século XIX enquanto o Grande parte da população negra deixou suas vidas nas plantações de borracha, inspirando o cineasta Werner Herzog e seu famoso Fitzcarrald . Mais recentemente, é também uma cidade onde a primeira onda de covid-19 saturou o sistema de saúde e onde medidas mínimas de quarentena não foram aplicadas para conter o vírus, permitindo que ele circulasse facilmente. Finalmente, no final de abril, as hospitalizações começaram a diminuir seu número e em junho se estabilizaram. O que fez pensar que a imunidade coletiva teria sido alcançada na cidade.

Epidemiologicamente, uma sociedade obtém imunidade coletiva em relação a um vírus quando ele não pode se espalhar dentro dela porque há um número suficiente de pessoas já imunizadas.

A partir de um estudo publicado em janeiro deste ano, estimou-se que pelo menos 76% da população havia se infectada. O que, de acordo com alguns dos modelos epidemiológicos, significaria que a referida imunidade de rebanho teria sido alcançada. Paradoxalmente, na mesma época da publicação deste estudo, o município enfrenta um surto da doença, que mais uma vez satura o sistema de saúde, gerando inúmeras mortes.


Gráfico da situação epidemiológica em Manaus: as linhas escuras representam dados em média a cada 7 dias. Fonte: The Lancet.

Quatro explicações possíveis

Recentemente, um artigo publicado no The Lancet oferece quatro explicações possíveis, não necessariamente exclusivas, do que pode estar acontecendo.

Primeiro, que a estimativa da porcentagem da população que foi infectada durante a primeira onda de Sars-CoV-2 foi superestimada. Em outras palavras, a população não atingiu o limite de imunidade do rebanho.

Um segundo fator que está sendo considerado é que a imunidade contra a reinfecção começou a diminuir em dezembro de 2020.

Outro fator é que as novas variantes do Sars-CoV-2 evitam a resposta imune. Em Manaus, justamente, a linhagem P.1 foi encontrada pela primeira vez e continua circulando (desde então chamada pela imprensa de "variante Manaus"), e também foi encontrado um caso de reinfecção associado a ela. Por outro lado, constatou-se que uma nova linhagem está circulando, a P.2, associada a dois casos de reinfecção (embora não em Manaus). A mutação E484K é encontrada nessas duas linhagens, que em estudos de laboratório tem a capacidade de reduzir a neutralização de alguns anticorpos.

Finalmente, um possível quarto fator é que essas novas linhagens são elas próprias mais transmissíveis. Ainda faltam informações, mas a linhagem P.1 compartilha muitas mutações com as variantes do Reino Unido e da África do Sul, que parecem favorecer uma maior transmissibilidade.

A multiplicidade do rebanho e a urgência das medidas de supressão do vírus

Como afirma na revista Science a equipe de cientistas que estimou a população atingida pelo vírus na primeira onda, Manaus dá informações sobre o que pode acontecer quando o vírus circula livremente. O mesmo defende o biólogo evolucionário e filogeógrafo Rob Wallace em relação à variante descoberta pela primeira vez na Inglaterra, que ele chama de Bo-Jo (de Boris Johnson): “junto com a imunidade de rebanho, agora precisamos introduzir a noção de multiplicidade de rebanho. Quanto mais pessoas forem infectadas, maior será a chance de o vírus desenvolver soluções para nossas várias intervenções. Minimizar a disseminação, então, deve ajudar a reduzir a combinação evolutiva sobre a qual o vírus pode fingir ser um cientista de
laboratório."

Isso mostra então, com urgência, a necessidade de encerrar o negócio de vacinas para vacinar toda a população mundial no menor tempo possível . Ou seja, eliminar patentes, e reconverter a indústria para poder produzir a quantidade necessária para toda a população.

Mas ao mesmo tempo mostra a ilusão de apostar apenas nas vacinas como solução mágica para a pandemia, e a importância de manter medidas não farmacológicas como testes em massa, rastreamento de contatos, uso de máscaras, distanciamento social e medidas que permitam o isolamento (como licenças de trabalho sem perda de salário e subsídios e moradias para que quem não tem emprego ou casa não tenha que se expor) cortar a corrente de transmissão o mais rápido possível.

O investimento de recursos também é necessário para aumentar a capacidade de realizar a vigilância genômica, para descobrir rapidamente quais variantes circulam, quais novas variantes estão aparecendo e quais os efeitos que podem produzir. São medidas que, mesmo com suas diferenças, ajudaram países como Nova Zelândia, Vietnã, Austrália, Taiwan, Coréia do Sul, entre outros, a reduzir ao mínimo suas taxas de infecção e mortalidade.

Obviamente, na prática, apostar na imunidade de rebanho não é uma estratégia válida para enfrentar essa pandemia. Na verdade, surge a questão de saber se pode ser válido mesmo teoricamente. Visto que se houver evidência da possibilidade de reinfecção (ficar infectado ou reinfectado com o vírus não implica desenvolver a doença, mas pode implicar na capacidade de transmitir o vírus a outra pessoa), se houver evidência do surgimento de variantes com a capacidade de escapar do sistema imunológico, se pode pensar que por acaso deixando o vírus circular nós chegaremos ao fim desta pandemia?

Concluindo, não existem receitas milagrosas, é preciso deixar de privilegiar os interesses da economia capitalista sobre a saúde da maioria. É a única maneira de tomar as medidas necessárias, como as já mencionadas, e assim acabar com a pandemia Covid-19.

Fonte: The Lancet : Ressurgimento do COVID-19 em Manaus, Brasil, apesar da alta soroprevalência.




Tópicos relacionados

Manaus   /    pandemia   /    Coronavírus   /    Ciência e Tecnologia   /    Sociedade

Comentários

Comentar