Sociedade

Mais privilégios: AGU defende que hospitais militares não atendam civis com Covid-19

Para a AGU o sistema de saúde militar seria apenas destinados para militares e suas famílias, e sua abertura para receber civis seria um “desvio de finalidade” e “violação da legislação” militar.

terça-feira 30 de março| Edição do dia

Foto: Divulgação

Em relatório do dia 22 de março, a Advocacia Geral da União (AGU), defendeu em resposta ao Tribunal de Contas da União (TCU) que os hospitais militares não deveriam receberem civis com Covid-19.

"Longe de ser um privilégio infundado, a assistência médico-hospitalar [especial e diferente do SUS] é um direito dos militares calcado justamente nas peculiaridades das atividades”, disse a AGU, que após a dança das cadeiras no ministérios, vai ser chefiada por André Mendonça, após a saída de José Levi.

Veja também: Entenda a reforma ministerial: a dança das cadeiras entre militares e o Centrão

Esse é mais um privilégio absurdo protagonizado pelas Forças Armadas, que em meio ao cenário de crise sanitária e econômica, onde a população morre por fome e por Covid, que já conta com mais de 310 mil mortes, fruto da gestão de Bolsonaro, junto com seus ministros, e os governadores.

Enquanto os militares esbanjaram gastos milionários do dinheiro público para a compra de produtos como filé mignon, cerveja e até mesmo bonecos do tipo rambo, a população amargam a catástrofe da pandemia, da fome e do desemprego.

Leia também: Uma crise militar no governo Bolsonaro?




Tópicos relacionados

MORTES COVID-19   /    COVID-19   /    Pandemia   /    Militares na política   /    Forças Armadas   /    Sociedade

Comentários

Comentar