×

Ásia | Mais de meio milhão de trabalhadores realizam jornada de greve na Coreia do Sul

Trabalhadores de diferentes setores, tais como construção civil, transporte e serviços, fazem uma greve nesta quarta-feira. A greve será acompanhada de manifestações nos principais centros urbanos.

quarta-feira 20 de outubro | Edição do dia

A Confederação Coreana de Sindicatos (KCTU), a maior organização sindical do país com mais de um milhão de membros, convocou a jornada de protestos com várias reivindicações, incluindo o fim do "trabalho irregular" (trabalho a tempo parcial, temporário ou contratado com poucos ou nenhuns benefícios) e a extensão da proteção trabalhista; mais poder aos trabalhadores nas decisões de reestruturação econômica em tempos de crise; e a nacionalização de indústrias-chave juntamente com a nacionalização de serviços básicos como educação e moradia.

A Coréia do Sul tem atualmente o terceiro maior volume de horas de trabalho anual e, em 2015, ficou em terceiro lugar em acidentes de trabalho entre os países membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Estima-se que mais de 40% de todos os trabalhadores estão "irregularmente empregados". Como em outros países, muitos desses trabalhadores precários trabalham na economia de aplicativos.

Com a economia e a sociedade dominadas por conglomerados empresariais conhecidos como chaebol, empresas como Samsung, Lotte, LG ou Hyundai se beneficiam da precariedade do trabalho no país. Os 10% dos maiores salários responderam por 45% da renda total do país em 2016, enquanto a especulação imobiliária levou a uma crise habitacional, juntamente com a privatização na educação e na saúde. A pandemia de coronavírus deu maior exposição a esta situação.

Como a pandemia do coronavírus perdeu força, o descontentamento dos trabalhadores começou a ser expresso. No início deste ano, os porteiros da LG Twin Towers (a sede da empresa) acamparam fora do prédio durante 136 dias no inverno para protestar contra demissões e péssimas condições de trabalho. A resposta da empresa foi enviar grupos de fura-greves.

Os mineiros de carvão da Korea Coal, uma empresa de mineração de carvão de propriedade do governo, estão sofrendo problemas de saúde devido à respiração do pó do carvão e ao excesso de trabalho. Um trabalhador relatou que "O governo reduziu a força de trabalho pela metade, portanto nossa unidade agora tem que fazer o trabalho de duas unidades. Portanto, todos estão doentes. Não há ninguém aqui que não esteja doente. Nossos salários deveriam ser aumentados, mas eles permaneceram iguais".

A greve de quarta-feira será uma expressão de que os trabalhadores querem seus direitos de volta, acabando com a precarização ao exigir o fim das leis trabalhistas que permitem aos empresários privar seus empregados de direitos básicos, tais como o direito de organização, acesso a benefícios e compensação por lesões relacionadas ao trabalho.

Eles também estão exigindo a nacionalização das indústrias que estão demitindo trabalhadores em massa, incluindo as indústrias aéreas, de fabricação de automóveis e de construção naval. Após décadas de austeridade, a greve e a mobilização convocada pela central sindical KCTU assume demandas básicas como garantia de moradia, assistência médica, assistência a idosos, assistência a crianças e educação para todos. Suas demandas incluem o aumento das unidades habitacionais públicas de 5% para 50% de todas as moradias disponíveis, tornando as aulas preparatórias para a faculdade gratuitas para todos, e que o Estado contrate pelo menos um milhão de trabalhadores para garantir o atendimento gratuito aos idosos e crianças para todas as famílias.

A resposta do governo coreano é a de criminalizar os protestos. Com a desculpa da pandemia, procura proibir a manifestação, como fez com os protestos durante os últimos meses. "Para a segurança da comunidade", disse o Primeiro Ministro Kim Bu-gyeom na terça-feira.

Seul está usando o atual distanciamento social de Nível 4 imposto na área metropolitana da capital, que impede todos os comícios sociais, exceto para fins corporativos ou oficiais essenciais, para tentar proibir a manifestação.

A Coréia do Sul foi considerada como um "modelo" a ser seguido, mas por trás deste modelo os trabalhadores que asseguraram a resposta à pandemia foram expostos a infinitas horas de trabalho e à precarização de seus direitos. A crise do coronavírus expôs uma realidade que já existia por trás do "modelo" sul-coreano que os trabalhadores estão começando a enfrentar.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias