RACISMO

Maioria da população, 3 em cada 4 que estão em pobreza extrema são negros

A pesquisa feita pelo IBGE também aponta que, em termos regionais, 27,2% da população vive no Nordeste. No contingente dos extremamente pobres, mais da metade, ou 56,8% vive na região.

sexta-feira 13 de novembro| Edição do dia

Imagem: Marcello Casal Jr.

O estudo do IBGE que trouxe dados sobre 51,7 milhões de brasileiros abaixo da linha da pobreza no ano passado ressalta ainda outras formas de desigualdade, como o fato de a pobreza atingir mais as mulheres e as pessoas de pele negra (preta ou parda). No caso da cor da pele, 56,3% do total da população se diz preto ou pardo, mas, entre os 13,689 milhões extremamente pobres, eles representam 76,7%.

"A pobreza atinge de forma mais forte as mulheres pretas ou pardas", afirmou Bárbara Cobo, analista do IBGE.

No Brasil, a opressão de raça e a exploração de classe se misturam de maneira cruel, afetando de maneira ainda mais dura as mulheres negras. É por isso que para lutar contra o racismo é preciso levantar bandeiras contra o capitalismo, que os negros precisam levantar as demandas dos trabalhadores e os trabalhadores dos negros.

Outra pesquisa do IBGE já apontava que Mulheres negras ganham menos da metade do salário de homens brancos. As mulheres negras são as principais afetadas pelas opressões do sistema capitalista, uma pesquisa do Instituto de ensino e pesquisa, Insper, aponta que os homens brancos com ensino superior têm um salário médio 159% maior do que o das mulheres negras com certificado de ensino superior. Essa pesquisa foi administrada pelos pesquisadores do Insper Bruno Komatsu, Beatriz Ribeiro e Naercio Menezes filhos com apoio nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) entre 2016 e 2018.

Leia Mais: Mulheres negras ganham menos da metade do salário de homens brancos, aponta IBGE

Informações Agencia Estado




Tópicos relacionados

Racismo Estrutural   /    Coronavírus e racismo   /    Racismo   /    Desemprego   /    [email protected]

Comentários

Comentar