Logo Ideias de Esquerda

Logo La Izquierda Diario

SEMANÁRIO

Lutamos contra Trump, é hora de lutar contra Biden também

Tatiana Cozzarelli

Foto: Andrew Harnik

Lutamos contra Trump, é hora de lutar contra Biden também

Tatiana Cozzarelli

Finalmente, foi anunciado que Joe Biden derrotou Donald Trump para a presidência. Embora nenhum de nós fique triste com a partida de Trump, Joe Biden e Kamala Harris não são amigos da classe trabalhadora e dos oprimidos.

Após cinco dias da eleição, cinco dias de contagem de votos, cinco dias de mapas eleitorais da CNN e cinco dias acompanhando cada condado da Pensilvânia e da Geórgia, os Estados Unidos têm seu mais novo imperialista-chefe: Joe Biden.

Alguns celebrarão a derrota de Trump como uma vitória da democracia. Esta é a linha que o noticiário da TV a cabo vem defendendo há dias: que esta eleição mostra a força do processo democrático americano e que mesmo quando Trump entrou no Twitter para minar a validade do voto, a força das nossas instituições foi superior, contando todos os votos, e mostrando ao suposto autoritário a rua. Além deles, alguns liberais e esquerdistas afirmam que esta é uma vitória dos oprimidos. Nenhum deles está certo.

Pelo contrário, esta eleição é uma demonstração de falta de democracia. Estava claro na noite da eleição que Biden ganharia o voto popular, mas o colégio eleitoral racista e antidemocrático manteve todos esperando pelos resultados. E isso sem nem mesmo mencionar todos os outros aspectos antidemocráticos da democracia dos EUA, como o Senado antidemocrático e o fato de que muitos imigrantes e pessoas encarceradas (ou anteriormente encarceradas) não podem votar.

Apesar do fato de que a corrida agora foi dada por encerrada por todas as grandes redes de notícias, incluindo a Fox, Donald Trump não admitiu a derrota e entrou com vários processos para tentar contestar a eleição. Muitos deles foram indeferidos e os restantes provavelmente não terão impacto no resultado final. De fato, quando tudo estiver dito e feito, a margem de vitória de Biden no colégio eleitoral quase certamente apresentará uma colina muito alta para os desafios jurídicos de Trump escalarem.

Mas esta não é uma vitória completa para o Partido Democrata. Apesar de gastarem muito mais do que os republicanos, acabaram perdendo cadeiras na Câmara dos Representantes, provavelmente não ganharão o controle do Senado e levaram a presidência apenas por alguns pontos percentuais – não a diferença de 8 ou 9 pontos prometida pelos pesquisadores. Mais pessoas votaram em Donald Trump nestas eleições do que na anterior.

Em outras palavras, apesar de uma pandemia, crise econômica e agitação social massiva, o Trumpismo parece ter sobrevivido à eleição, mesmo que Trump não o tenha. Apesar de ser apoiado por todos, de Wall Street a líderes do Black Lives Matter e setores da liderança do DSA [1], Joe Biden e os democratas não obtiveram uma vitória retumbante. O país está polarizado e, como argumentamos no passado, era uma disputa acirrada entre a retórica populista de direita ou o neoliberalismo “de volta ao normal”, entre qual seria a melhor resposta ao atual momento de crise econômica, social e política.

Já existem comemorações em todo o país. Mas por melhor que seja se livrar de Trump, os trabalhadores não têm nada a comemorar com a vitória de Biden. Como podemos celebrar o segregacionista racista cuja resposta à violência policial é “atirem na perna”? Como podemos celebrar o autor do projeto explicitamente racista sobre o crime, de 1994, ou um dos principais atores nas votações para a guerra no Iraque?

Não, essa não é uma vitória para a classe trabalhadora

Alguns argumentarão que ter Kamala Harris como vice-presidente é uma vitória. Afinal, ela será a primeira mulher negra a ascender a uma posição de poder tão elevada. Na verdade, o fato de que ela conseguiu chegar até a Casa Branca é o resultado de anos de luta pelos direitos civis e pela igualdade. No entanto, representação não é libertação. Kamala “Top Cop” (em suas próprias palavras) Harris [2] não usou sua carreira para lutar pelos direitos das pessoas mais oprimidas e exploradas do país. Em vez disso, ela os trancou em prisões. Apesar de ser uma mulher negra, apesar da natureza histórica de sua ascensão à Casa Branca, ela não está do nosso lado.

Joe Biden vai usar sua presidência para “resolver” a crise econômica nas costas da classe trabalhadora, assim como ele e Obama fizeram em 2009, resgatando Wall Street, mas não fazendo nada pela classe trabalhadora. Ele vai tentar resolver a crise econômica como o imperialismo americano sempre faz, com maior exploração da classe trabalhadora global, buscando relações comerciais mais vantajosas com outros países e aumentando a exploração imperialista de países semicoloniais.

Outro opressor está prestes a assumir os reinos do poder

“Nosso longo pesadelo nacional finalmente acabou”, milhões de pessoas estão dizendo a si mesmas. “Agora podemos finalmente voltar ao modo como a América deveria ser”, dirão Joe Biden e os democratas. Os liberais dizem que Joe Biden é a solução, mas até mesmo alguns socialistas dizem que Joe Biden é parte da solução.

O problema é que nenhum capitalista é a solução, e não devemos dar a ninguém a ilusão de que eles são. Porque os problemas que nos atormentam são muito, muito maiores do que qualquer pessoa. A razão de estarmos no meio de uma crise agora não é apenas que há uma pandemia mortal, mas porque a forma fundamental como organizamos nossa sociedade não nos permite enfrentá-la. O capitalismo é a crise. O capitalismo sempre foi a crise. E assim, nenhum capitalista jamais será capaz de nos tirar disso.

Claro, Trump com seu comportamento ofensivo, supremacista branco explícito e tweets “fake news” irão embora, mas o sistema que o criou, o apoiou e o capacitou ainda estará muito vivo e bem. Ainda estamos em uma crise de proporções históricas e Biden acaba de ser eleito ao prometer a seus doadores ultra-ricos que “nada mudará de fato”. Na verdade, assim como o Trumpismo cresceu como uma resposta da direita à crise do neoliberalismo sob Obama, outro populismo de direita pior poderá crescer a partir da crise do neoliberalismo sob Biden.

Entre a esquerda pró-Biden, havia um acordo generalizado: elege-o e depois protestamos. Essa estratégia é limitada pelo que já estamos vendo: milhões de pessoas estão vendo o momento não apenas como uma vitória, mas como uma conclusão. Nosso papel como socialistas é combater todas as ilusões do Partido Democrata, antes e depois das eleições. É para combater os burocratas sindicais e ONGs que querem que nós votemos para os democratas, enganando-nos e levando a acreditar que nosso único poder vem de votar pelo mal menor. Nosso papel como socialistas é interromper a relação vampiresca que o Partido Democrata tem com os movimentos sociais, sugando nossa vida e nos descartando quando terminarem.

A tarefa que temos pela frente é clara, mas difícil: devemos usar o desejo de mudança que milhões de pessoas demonstraram claramente para nos organizar como classe trabalhadora para lutar contra a causa raiz de nossa opressão. Devemos nos organizar em nossos locais de trabalho, em nossos movimentos e em nossas comunidades para criar uma organização nacional e internacional que possa unir nossas lutas a fim de resistir aos ataques que se aproximam para os trabalhadores.

Finalmente, nosso papel como socialistas é dizer que a classe trabalhadora e os oprimidos são fortes: fortes o suficiente para governar toda a sociedade, para esmagar a direita e para esmagar o neoliberalismo. É fornecer uma perspectiva política contra os dois partidos do capital, bem como contra todo o regime antidemocrático dos EUA. É lutar por uma democracia real por meio de um governo dos trabalhadores. Apenas a classe trabalhadora e os mais oprimidos têm o poder de criar isso.

Tradução: Caio Silva Melo

veja todos os artigos desta edição
FOOTNOTES

[1Democratic Socialists of America, no português Socialistas-Democratas da América, NdT

[2“Top Cop” significa “Melhor policial”, NdT
CATEGORÍAS

[Eleições EUA 2020]   /   [#BlackLivesMatter]   /   [Joe Biden]   /   [Imperialismo]   /   [Donald Trump]

Tatiana Cozzarelli

Comentários