×

Crise dos combustíveis | Lula e FUP fazem propostas sobre Petrobras e combustíveis que são utópicas com sua política de conciliação

Nesta terça-feira, Lula participou de um encontro organizado pela Federação Única dos Petroleiros para debater o absurdo preço dos combustíveis. Um dia após Bolsonaro fazer sua demagogia eleitoreira, demitindo o presidente da Petrobras, Lula buscou fazer sua própria campanha, igualando a reversão do desmonte da estatal a sua vitória nas eleições. Porém, é preciso dizer que uma Petrobras 100% estatal gerida pelos seus trabalhadores com controle popular, só será possível se enfrentando com o imperialismo e o capital financeiro, ao contrário da estratégia petista.

quinta-feira 31 de março | Edição do dia

A política de paridade de preços internacionais (PPI), criada com Temer e intensificada por Bolsonaro e Guedes, que vem arrochando o orçamento dos trabalhadores, fazendo com que tenhamos que pagar mais de R$ 7 no litro da gasolina ou mais de R$ 120 no botijão de gás, foi o centro do evento protagonizado por Lula junto da Frente Única dos Petroleiros (FUP), além de figurões petistas à frente da administração da Petrobras nos anos de governos do PT.

Os pesados efeitos dessa política são sentidos por toda a classe trabalhadora, seja nos combustíveis, ou até no preço dos alimentos, impactados pelo custo do frete e que devem arrastar a inflação para um patamar acima de 10% neste ano. Sendo assim, os petistas criticaram esse alinhamento aos preços praticados nos mercados globais como responsáveis pela perda da soberania nacional e por pavimentar o caminho das privatizações, maximizando o lucro de acionistas. Porém, para além da evidente constatação do desmonte da gigante estatal e da necessidade de baratear o preço dos combustíveis, não disseram como pretendem reverter a política de submissão ao imperialismo e ao capital financeiro. Com um discurso eleitoralista, para eles a saída termina com a vitória de Lula Como se fosse possível resolver algo que demanda luta de classes, enfrentamento com o capital financeiro internacional pode ser feito com métodos eleitorais e de mãos dadas com Alckmin e muitos pesos pesados do capital.

Lula não fez nenhuma promessa para reverter, através da reestatização, os objetivos finais da PPI, que foram a entrega a preço de banana das refinarias, oleodutos e subsidiárias, como a BR Distribuidora e a Liquigás, todos recursos estratégicos da área de energia que passaram para o controle estrangeiro. Um dirigente sindical baiano presente no evento chegou, inclusive, a manifestar a vontade de que a Petrobras retome a Refinaria Landulpho Alves (Rlam), que desde a sua privatização passou a vender a gasolina mais cara do país, mas é preciso ter claro que essa não é a política de Lula e do PT. Da mesma forma, que o ex-presidente citou em seu discurso as nocivas reformas trabalhista e da previdência, sem nenhuma intenção de revogá-las, ao mesmo tempo que se alia a golpistas como Geraldo Alckmin (PSB), garantidores dessa agenda. Evidências de como o petista se prepara para administrar a herança econômica do golpe institucional, sem confrontar essas posições avançadas pelo capital financeiro.

Ainda que, o ex-presidente da Petrobras, Sergio Gabrielli, tenha dito que é preciso enfrentar o capital financeiro, aqueles que enchem o bolso com os lucros bilionários da Petrobras, também deixou claro que se trata, na verdade, de conciliar os interesses dos acionistas com o da população, uma vez que seria possível “mudar [a política de preços] sem dar prejuízo aos acionistas, mas sim diminuindo os lucros”, e que se trata de travar essa conversa com clareza com os acionistas.

Enquanto são antagônicos os interesses dos acionistas e da população trabalhadora, Gabrielli cinicamente quer fazer crer que é possível na base do diálogo fazer retroceder o ímpeto de submissão e maximização dos lucros que, a partir do golpe institucional, o imperialismo fez intensificar no país desde a Lava Jato, o governo Temer e agora com Bolsonaro no poder. O capital financeiro estrangeiro, que domina as ações da estatal (controlando 49,9% segundo a própria empresa) e cuja penetração na Petrobras começou a crescer em meio às gestões petistas, não vai aceitar de boa vontade a reversão da política que maximiza seus lucros. Como o PT bem sabe, por isso que, no Senado, o partido tratou de batalhar para aprovar um mecanismo - uma espécie de “bolsa diesel”- que garante o lucro dos acionistas, fazendo o Estado pagar a diferença entre o preço nacional e o preço internacional, através de verbas públicas que poderiam ir para a saúde ou a educação. Ou seja, faz todos brasileiros remunerarem esses acionistas milionários e bilionários.

Veja mais em:Efeitos da guerra: a crise dos combustíveis e alimentos no Brasil e a resposta dos trabalhadores

O próprio Gabrielli e Guilherme Estrella ressaltaram como o petróleo é um produto estratégico pelo qual os países imperialistas promovem guerras em defesa de seus interesses, citando a atual guerra na Ucrânia e anteriormente a guerra no Iraque, o que torna irrisória essa saída “pacifista” de pedir de bom grado aos acionistas que aceitem diminuir seus lucros. O que Lula, Gleisi Hoffmann, Marcelo Freixo, Lindhberg Farias e demais sequer disseram é que a própria ação da Lava Jato, que eles condenaram, foi mobilizada e orquestrada pelos interesses imperialistas e do capital financeiro, com os quais querem, novamente, conciliar. Justamente, a guerra na Ucrânia, mencionada, põe em relevo os contornos de guerras, crises e revoluções que caracterizam a época imperialista atual e fazem retomar ao primeiro plano os choques entre as nações.

O encontro, realizado no Rio de Janeiro, contou com a presença dos parlamentares petistas Lindhberg Farias e André Ceciliano, além de Marcelo Freixo (PSB), que também buscaram canalizar eleitoralmente o evento, dada a importância da Petrobras para a economia fluminense. Os políticos falaram do desmonte da indústria naval, com o desemprego nos estaleiros, para criticar a desigualdade no estado, uma das maiores do país. Porém, não disseram nenhuma palavra em apoio a mobilização da greve dos garis e dos rodoviários que no mesmo dia tomou a cidade carioca, e que é um exemplo da resistência dos trabalhadores ao arrocho salarial, da qual a crise dos combustíveis é parte. Setores como esse mostram a disposição da classe trabalhadora de se enfrentar contra a crise descarregada sob suas costas, e poderiam ser o ponto de apoio para uma política de unificação das lutas, como acontecem também em MG, na greve dos professores estaduais e municipais, além dos metroviários. Uma unidade que poderia tomar em suas mãos a única bandeira capaz de entregar combustível barato para a população, uma Petrobras 100% estatal gerida pelos seus trabalhadores com controle popular.

Por tudo isso, que defender uma Petrobras soberana, voltada para o interesse do povo, implica em tomar medidas elementares que revertam o desmonte em curso, como a Petrobras “vender” seu petróleo para si mesma ao preço do custo de extração, retomar todas unidades privatizadas e utilizar 100% da capacidade de refino. Porém, é necessário dizer aos petroleiros e à população que nenhuma dessas medidas poderão ser aprovadas através do diálogo com os acionistas, ou brigando nos conselhos de administração, controlados pelo governo mas à serviço dos acionistas privados. Para isso, será preciso mobilizar a categoria, o conjunto da classe trabalhadora e a população por uma Petrobras 100% estatal, sem indenizar os grandes bancos e fundos de investimento bilionários que tanto se enriqueceram às custas dos brasileiros. Somente uma Petrobras 100% estatal gerida pelos seus trabalhadores com controle popular pode fazer com que todos os recursos do petróleo sirvam aos interesses dos trabalhadores brasileiros.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias