Política

Covid-19

Lockdown para quem? Ônibus seguem lotados na Baixada Santista mesmo após decreto

Trabalhadores relatam que tem “medo de não ter ônibus para voltar [para casa]. A patroa falou para eu ficar em casa. Mas me sinto melhor garantindo meu emprego”

terça-feira 23 de março| Edição do dia

Foto: Arquivo Pessoal/Andréia dos Anjos

Primeiro dia de lockdown na Baixada Santista mostra que medida de restrição passou longe de ser cumprida. Na Ponte Barreiros, em São Vicente, o fluxo de carros, motos e até bicicletas no sentido Área Continental-Centro de São Vicente mostra que o “fique em casa” é impossível devido à falta de condições materiais necessárias e com o medo do desemprego.

7h30 da manhã e ponto de ônibus que passa o circular sentido a Santos na Avenida Quarentenário já chega lotado. A linha 943, que sai da Área Continental em direção a Santos retrata bem a situação, muita gente em pé e aglomerada no transporte, apesar de ter diminuído o número de passageiros.

Os trabalhadores relatam que tem “medo de não ter ônibus para voltar [para casa]. A patroa falou para eu ficar em casa. Mas me sinto melhor garantindo meu emprego”.

Os relatos como isso são incontáveis, como de outra trabalhadora que diz “É um perigo. Não sei como não peguei covid-19 ainda”.




Tópicos relacionados

MORTES COVID-19   /    Crise   /    Santos   /    Crise Sanitária   /    Quarentena   /    Crise na Saúde   /    COVID-19   /    Crise capitalista   /    Precarização do Transporte Público   /    João Doria   /    São Paulo   /    Transporte   /    Política   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar