Política

CASO DANIEL SILVEIRA

Lira coloca deputado favorável à prisão de Daniel Silveira para relatar sessão de amanhã

A Câmara dos Deputados anunciou que vai realizar sessão deliberativa nesta sexta-feira, 19, para votar se mantém ou não a prisão do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ). A decisão foi tomada após reunião de líderes realizada nesta tarde na residência oficial do presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL).

sexta-feira 19 de fevereiro| Edição do dia

Lira conversou com lideranças partidárias, e disse que a tendência é que a Câmara autorize a prisão do bolsonarista. Diante disso, escolheu o deputado Carlos Sampaio (PSDB), partido que se declarou de conjunto favorável à manutenção da prisão do deputado do PSL. O convite foi feito por Lira nesta quinta-feira, por telefone, logo após reunião de líderes.

"Em questão, está a conduta extrema de um parlamentar. Por isso mesmo, não pode ser avaliada de forma extrema. Portanto, o relatório será feito com equilíbrio e a sensatez que este caso merece", disse Sampaio ao G1

Daniel, carioca e cão de briga do bolsonarismo, gravou um vídeo defendendo as Forças Armadas contra o STF após as declarações hipócritas do ministro do STF, Edson Fachin, fingindo surpresa com a revelação recente do general Villas Boas, de que seu tweet de intimidação ao Supremo foi arquitetado por todo o Alto Comando. Imediatamente o STF, através do ministro Alexandre de Moraes, quis prostrar-se como defensor do Estado Democrático de Direito e, se valendo da Lei de Segurança Nacional, artefato da ditadura, declaram flagrante na prisão de Daniel.

Editorial: As disputas entre o STF e as Forças Armadas reatualizam a luta contra o regime do golpe institucional

Silveira está preso desde a noite de terça-feira, 16, por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). O pedido foi referendado pelo plenário do STF ontem, 17, por 11 votos a zero. A sessão deliberativa da Câmara foi confirmada após a audiência de custódia de Silveira, que ocorreu nesta tarde. O juiz Aírton Vieira, que atua no gabinete do ministro Alexandre de Moraes, decidiu manter o parlamentar preso até um pronunciamento oficial da Câmara sobre o caso.

Uma medida também autoritária do STF, cujo fundamento se deu no caráter de “infração permanente” sobre os posts nas redes sociais. Medidas como essa certamente virão com muito mais dureza contra a esquerda, as organizações dos trabalhadores, a quem cabe realmente o papel de derrotar a extrema-direita.

Hoje, Lira esteve no Palácio da Alvorada com Bolsonaro pela manhã e, no início da tarde, ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Após as reuniões, Lira disse que a retomada do auxílio emergencial e a votação da PEC emergencial foram o único assunto discutido.

"Todos os outros assuntos são laterais. Nossa democracia é forjada em firmeza de instituições e damos uma demonstração clara para a população de que enfrentaremos os problemas. Os problemas se acomodam com o tempo, mas pautas traçadas pelo governo continuarão firmes e sem obstáculos para que suas discussões e aprovações ocorram o mais rápido possível", afirmou Lira, sem citar o nome de Daniel Silveira.

Lira sabe que as renovadas chances de crise institucional podem interferir no encaminhamento da agenda de reformas e ataques em benefício do capital financeiro e oligarquias nacionais. Essa é a condição que impõem sobre a retomada do auxílio emergencial.

Editorial: As disputas entre o STF e as Forças Armadas reatualizam a luta contra o regime do golpe institucional




Tópicos relacionados

Daniel Silveira   /    Arthur Lira   /    Arthur Lira    /    bolsonarismo   /    STF   /    Política

Comentários

Comentar