MBL

Líder do MBL é denunciado por corrupção, fraude a licitação e tráfico de influência

Renan dos Santos, líder do Movimento Brasil Livre, que é composto por figuras golpistas de extrema-direita como Arthur do Val e Fernando Holiday, foi denunciado pelo Ministério Público de São Paulo. Ele é acusado de articular politicamente a contratação do empresário Alessander Monaco em troca de doações realizadas pelo “SuperChat” do YouTube.

segunda-feira 26 de outubro| Edição do dia

Foto: Divulgação

Segundo o MP, Alessander “trabalhou no sentido de articular fraudes em licitações e contratações de empresas através de dispensa e inexigibilidade de licitações”.

Uma das empresas contratadas foi a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), que por sua vez contratou a empresa de Alessander (Monaco Intelligent) por valores milionários, como retribuição de favor.

Segundo a denúncia, os integrantes do MBL, em especial Renan dos Santos, “conseguiram a contratação, através de tráfico de influência política pelo seu Presidente Nourival Pantano Jr., de Alessander Monaco Ferreira na IMESP (Imprensa Oficial de SP); em cargo comissionado – sem concurso público”.

A demagogia do MBL e seus integrantes com discurso “anti-corrupção” fica cada vez mais nítida, e não é de agora. Além de estar envolvido em diversas acusações, está claro que seu interesse é o de beneficiar os grandes empresários, aprovar ataques (como o Sampaprev, que teve Holiday como seu relator) e precarizar a vida dos trabalhadores, das mulheres, dos negros, LGBT’s e todos os setores oprimidos.

Veja Mais: Holiday toma invertida de Letícia Parks em debate sobre o movimento negro




Tópicos relacionados

Ultradireita   /    Extrema-direita   /    MBL   /    Corrupção

Comentários

Comentar