Política

CENSURA

Lewandowski mantém censura a divulgação de dados do esquema de “rachadinhas” de Flávio Bolsonaro

Para preservar a imagem de Flávio Bolsonaro, Ricardo Lewandowski manteve decisão que impõe censura a veiculação de documentos do processo que investiga o esquema de “rachadinhas” do filho do presidente.

terça-feira 20 de outubro| Edição do dia

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, negou hoje (19/10) recurso apresentado pela emissora Globo, mantendo a proibição da emissora de veicular documentos ou partes do processo que investiga o esquema de “rachadinhas” na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), processo no qual Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) é investigado.

Conforme consta no despacho, Lewandowki afirma que o caso não pode ser analisado pelo Supremo Tribunal Federal pois ainda não se esgotaram os recursos em instâncias inferiores e que caberia ao Tribunal de Justiça do Rio julgar o recurso e decidir pela manutenção ou não da proibição imposta a TV Globo. Na decisão o ministro determinou que o recurso da emissora seja julgado pela 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça fluminense.

A censura a emissora Globo partiu de um pedido da defesa de Flavio Bolsonaro, alegando risco de dano à “imagem” do senador caso fossem divulgados pela TV Globo partes do processo do qual o senador faz parte. A censura foi decretada pela juíza Cristina Serra Feijó, da 33ª Vara Cível do Rio e referendado pelo desembargador Fábio Dutra da 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça Fluminense, numa mostra de como a justiça se dispõe a blindar a imagem do senador.

A decisão de Lewandowki reafirma o sentido de pacto entre STF e o clã Bolsonaro, visto que apesar de sua suposta rivalidade ambos atores políticos burgueses trabalham pela tentativa de estabilização do regime, tanto para descarregar ataques nos trabalhadores quanto para sua autopreservação, optando por salvaguardar a imagem de Flavio Bolsonaro.

Veja mais: O abraço do regime golpista e a necessária nova Constituinte




Tópicos relacionados

Governo Bolsonaro   /    Jair Bolsonaro   /    STF   /    Política

Comentários

Comentar