Logo Ideias de Esquerda

Logo La Izquierda Diario

SEMANÁRIO

Lenin como tipo nacional

Leon Trotski

Lenin como tipo nacional

Leon Trotski

No aniversário do falecimento de Lenin, dirigente do Partido Bolchevique e da Revolução Russa de 1917, que completou 97 anos neste último 21 de janeiro, compartilhamos com os leitores do IdE o discurso que Leon Trótski proferiu na ocasião de seu cinquentenário, que foi publicado no jornal Pravda em 23 de abril de 1920. O mesmo é parte da coletânea publicada pelo Centro de Edições e Publicações León Trotsky (CEIP), publicada em 2009.

O internacionalismo de Lenin não precisa ser demonstrado. Manifesta-se admiravelmente na sua ruptura intransigente, nos primeiros dias da guerra mundial, com aquela falsificação do internacionalismo que dominou a Segunda Internacional. Os dirigentes oficiais do “socialismo”, desde a tribuna parlamentar, com argumentos abstratos inspirados no espírito dos antigos cosmopolitas, conciliaram os interesses da pátria com os interesses da humanidade. Na prática, tudo isso levou, como sabemos, a sustentar uma pátria de rapina usando para isso as forças do proletariado.

O internacionalismo de Lenin, longe de ser uma conciliação puramente verbal entre o espírito nacional e internacional, é uma fórmula de ação revolucionária estendida a todos os povos. O território mundial habitado pela chamada humanidade civilizada é considerado como um imenso e único campo de batalha no qual povos e classes se movem. Nenhuma questão importante pode ser encerrada em um marco nacional. Fios visíveis e invisíveis estabelecem uma ligação eficaz entre um evento que pode parecer nacional e dezenas de outros eventos que ocorrem em todas as partes do globo. Em sua apreciação dos fatores e forças internacionais, Lenin estava mais isento do que qualquer outro de qualquer parcialidade nacional.

Marx considerava que os filósofos haviam interpretado o mundo; para ele, o problema era transformá-lo. Mas ele, o brilhante pioneiro, não viveu o suficiente para testemunhar essa transformação. A transformação do velho mundo encontra-se em pleno desenvolvimento e Lenin é seu primeiro operário. Seu internacionalismo é uma apreciação prática dos acontecimentos históricos e uma intervenção em seu curso em escala internacional e com um propósito mundial. A Rússia e seu destino são apenas um elemento neste grande processo histórico, de cujo êxito depende o destino da humanidade.

Não, o internacionalismo de Lenin não precisa ser demonstrado. No entanto, o próprio Lenin é profundamente nacional. Tem as suas raízes na nova história russa, concentra essa história em si mesmo, dá a ela sua expressão mais profunda e, precisamente por isso, atinge o nível de ação e influência internacionais.

À primeira vista, a atribuição a Lenin de um caráter "nacional" pode surpreender; mas na realidade, é evidente. Para dirigir uma revolução sem precedentes na história dos povos, como a que se produz na Rússia, é obviamente necessário encontrar uma conexão orgânica indissolúvel entre o dirigente e as forças profundas da vida popular, uma conexão que nasce das origens mais profundas.

Lenin encarna o proletariado russo, uma classe jovem, que politicamente tem apenas a idade de Lenin e, além disso, uma classe profundamente nacional, porque nela se resume todo o desenvolvimento passado da Rússia e contém todo o futuro do país, porque nela a nação russa vive e é transformada. Sem rotina ou exemplo a seguir, livre de falsidade e transigência, mas firme no pensamento e intrépido para agir, com uma ousadia que nunca se torna temerária; Este é o proletariado russo e este é Lenin.

A natureza do proletariado russo, que hoje se tornou a força mais importante da revolução internacional, é o fruto de toda a história nacional da Rússia: a crueldade bárbara da autocracia, a insignificância das classes privilegiadas, o desenvolvimento febril do capitalismo ativado pela influência dos grandes bancos mundiais, o declínio da burguesia russa e de sua ideologia e a mediocridade de sua política. Nosso "terceiro Estado" não teve e não poderia ter sua Reforma ou sua Grande Revolução. É por isso que a tarefa revolucionária do povo russo era maior, mais universal. Nosso passado não nos deixou nem Lutero, nem Thomas Münzer, nem Mirabeau, nem Danton, nem Robespierre. É precisamente por isso que o proletariado russo tem seu Lenin. O que faltou em tradição foi ganho em energia revolucionária.

Lenin reflete a classe operária russa em si mesmo, não apenas em seu presente proletário, mas também em seu passado camponês ainda muito recente. Este homem, o mais indiscutível dos dirigentes do proletariado, não tem apenas o aspecto externo do mujique, mas também a sua forte natureza interna.

Diante do Smolny eleva-se a estátua do outro herói do proletariado mundial, Marx, em um pedestal, vestindo um redingote preto. Isso é apenas um detalhe, é claro: mas é absolutamente impossível imaginar Lenin vestindo um redingote preto. Em alguns retratos, Marx aparece com um peitilho largo sobre o qual pende uma espécie de monóculo. Que Marx não era um homem inclinado ao flerte, fica claro para quem o conheceu um pouco.

Mas Marx cresceu em uma base de cultura nacional distinta, ele respirou em uma atmosfera diferente, assim como todas as personalidades proeminentes da classe trabalhadora alemã, cujas origens não remontam às aldeias, o campesinato, mas ao artesanato, o guildas e a complicada cultura da cidade medieval.

O estilo de Marx, rico e flexível, combinando força e delicadeza, raiva e ironia, austeridade e refinamento, também denota o substrato ético e literário de toda a literatura socialista alemã antiga desde a Reforma e mesmo antes. O estilo literário e oratório de Lenin é extremamente simples, utilitário, ascético, como todo o seu jeito de ser. Mas neste ascetismo poderoso não há sombra de preconceito moralista. Isso não é um princípio, não é um sistema preconcebido e, naturalmente, não é uma pose: é simplesmente a expressão da concentração interna de forças destinadas à ação. É o espírito prático, é a economia interna do mujique - mas em um plano mais grandioso.

Marx está contido inteiramente no Manifesto Comunista, no prólogo de sua Crítica, n’O Capital. Mesmo que não tivesse sido o fundador da Primeira Internacional, sempre teria sido o que é. Lenin, por outro lado, certamente está engajado na ação revolucionária. Suas obras são simples exercícios preparatórios para a ação. Mesmo que não tivesse publicado um único livro, teria aparecido na história como aparece hoje: como o dirigente da revolução proletária, o fundador da Terceira Internacional.

Um sistema científico claro, uma dialética materialista, era necessário para a ação desenvolvida no plano histórico em que Lenin teve que trabalhar; Isso era necessário, mas não suficiente, era necessário aquele misterioso poder criativo chamado intuição: a capacidade de apreciar os acontecimentos com uma rapidez inaudita, distinguir o essencial e o importante do insignificante e supérfluo, completar os espaços vazios do tabuleiro com a imaginação, medir bem os pensamentos dos demais e acima de tudo antecipar até o final o do inimigo; a capacidade de unir todos esses elementos e, no momento em que a "fórmula" se concretiza em seu pensamento, desferir o golpe decisivo e alcança o objetivo. Esta é a intuição da ação. É a capacidade prática de um espírito inventivo.

Quando Lenin, piscando com o olho esquerdo, escuta a leitura de um relatório por rádio de um discurso parlamentar de um líder do imperialismo ou uma nota diplomática de interesse imediato - um documento onde se encontra a perfídia sanguinária combinada com a hipocrisia mais requintada -, ele parece um mujique de temperamento orgulhoso, que não se deixa enganar por discursos grandiloquentes. Ele é então o mujique inventivo e habilidoso, que atinge os limites da genialidade com as armas mais sofisticadas da ciência.

O jovem proletariado russo só poderá cumprir esta tarefa atual arrastando atrás de si a massa do campesinato, como quem arranca um pedaço de terra pelas raízes. Todo o nosso passado nacional preparou esse fato. Mas precisamente porque a história levou o proletariado ao poder, nossa revolução superou radicalmente o limitado espírito nacional, o muito limitado espírito provinciano da antiga história da Rússia. A Rússia Soviética torna-se não somente o refúgio da Internacional Comunista, mas também a expressão viva de seu programa e de seus métodos.

Pelos caminhos desconhecidos, ainda não explicados pela ciência, através dos quais se molda a personalidade do homem, Lênin tirou de seu meio nacional tudo o que precisava para realizar a maior ação revolucionária da história universal. É precisamente por isso que a revolução socialista, que há muito teve sua expressão teórica internacional, encontrou sua primeira encarnação nacional através de Lenin. Lenin transformou-se assim, no sentido mais direto e imediato, o dirigente revolucionário do proletariado mundial. Isso é o que posso dizer sobre ele, é isso o que alguém deve reconhecer nele no dia de seu aniversário.

veja todos os artigos desta edição
CATEGORÍAS

[III Internacional]   /   [Vladímir Lênin]   /   [Leon Trótski]   /   [Revolução Russa]

Leon Trotski

Comentários