×

Harmonia para atacar | Lançamento do manifesto de entidade patronais pedindo harmonia entre os poderes é adiado

Manifesto deixa implícito o desejo das patronais do país, em clamar pela unidade dos poderes para concentrar nos ataques à população. Frente a crise aberta pela ameaça do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal de deixarem a Febraban , o lançamento do manifesto assinado por mais de 200 entidades patronais é adiado para conter a crise.

segunda-feira 30 de agosto | Edição do dia

Foto: Reprodução / EPTV

O manifesto intitulado “A praça é dos três poderes”, que seria lançado na sexta-feira (27) com mais de 200 assinaturas de entidades patronais como a Febraban e a FIESP, teve seu lançamento adiado devido a uma crise aberta por parte do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal que ameaçam deixar a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) caso a entidade assine o manifesto.

Pedro Guimarães e Fausto de Andrade Ribeiro, presidentes do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal respectivamente, foram indicados por Bolsonaro pelo perfil privatizador dos administradores e apoiadores do presidente.

O presidente da Câmara Arthur Lira teria entrado em contato pessoalmente com Skaf para buscar minimizar a crise, a decisão é que o manifesto será lançado depois do dia 7 de setembro.

Pode interessar: STF mantém validade da lei que dá autonomia ao Banco Central e aprofunda submissão do país

O presidente da FIESP, Paulo Skaf do MDB, que capitaneia a construção do manifesto alegou que o adiamento não seria devido a crise com os bancos públicos mas que decidiu por adiar o lançamento do documento pois outras entidades tinham o interesse em assinar mas tinham que esperar os trâmites internos de cada entidade para tomar a decisão.

A Ameaça de saída dos dois bancos públicos da federação é também uma resposta ao posicionamento da própria Febraban que tem aumentado o tom disruptivo com o governo escalando o tom através de um manifesto que a federação escreveu contra o voto impresso em que faz críticas frontais a Bolsonaro e o governo.

Pode interessar: Enquanto aumenta a miséria e a fome, grandes bancos aumentam lucro em 64% no 2º trimestre

O manifesto das entidades patronais, apesar de um ataque político frontal ao governo, foi escrito com o cuidado de não citar nominalmente nem fazer críticas diretas a Bolsonaro ou a qualquer outro membro da equipe de governo e seus aliados, justamente para que ao mesmo tempo que golpeia o governo, sugere a união das forças burguesas através de uma maior harmonia entre os poderes para que se concentrem nos ataques necessários para a burguesia nacional e internacional conseguir aumentar suas margens de lucro no país às custas da população.

Editorial Esquerda Diário: 7 de setembro: enfrentar Bolsonaro, os ataques e a medida ditatorial de Doria nas ruas




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias