Mundo Operário

LUTA NA LG

LG: acontece hoje ato em Taubaté-SP contra as demissões na fábrica

Trabalhadoras em greve da Suntech, Bluetech e 3C realizam manifestação contra o fechamento e demissões que a LG anunciou na semana passada.

segunda-feira 12 de abril| Edição do dia

Elas estão em greve desde a terça-feira (6) contra as ameaças de demissão que estão sofrendo após o anúncio de que a fábrica não produzirá mais celulares no Brasil. Os trabalhadores da própria LG deliberaram greve nesta manhã. O fechamento deste setor da LG impactará em pelo menos 830 postos de trabalho.

Essas fábricas são terceirizadas e majoritariamente femininas. São centenas de mulheres que, em meio à pandemia, estão ameaçadas de ficar sem sustento. Muitas mães solteiras podem ser colocadas na rua após terem dado o sangue e suor para garantirem os lucros da LG.

Por isso, é muito necessária a a solidariedade entre as categorias de trabalhadores e estudantes, para fortalecer esta e diversas outras lutas que ocorrem pelo país.

Por exemplo, os trabalhadores do Metrô de SP, que se reuniram em assembleia virtual para votar um indicativo de greve para o dia 20 de abril em defesa das vacinas para os trabalhadores do Metrô e dos transportes. Rodoviários, em diversos lugares estão se organizando contra as mortes, demissões, atrasos salariais e desespero que vivem, organizando paralisações, greves e ações, como em São Paulo, Maringá, Campos do Jordão, Bauru, DF e Maceió.

A responsabilidade pelas crises sanitária e econômica, que são descarregadas nas costas de trabalhadores, mulheres, negros, é de Bolsonaro, junto dos militares, e também do Congresso, STF e governadores, com as já mais de 4 mil mortes por dia, e também por estarem todos juntos na hora de atacar os trabalhadores com as reformas, como a Reforma da Previdência e Trabalhista. Se faz necessário a unificação das lutas já.

Veja também: Envie sua foto: campanha em apoio às trabalhadoras terceirizadas da LG em greve

A força está na unidade, para decidir os rumos da greve em assembleias conjuntas de todas as trabalhadoras dessas fábricas. Sendo assim, é papel das centrais sindicais, como a CUT, a CTB, dirigidas pelo PT e PCdoB, organizarem e potencializarem em cada local de trabalho a insatisfação crescente desses trabalhadores que vêm sofrendo cada vez mais com a precarização da vida e do trabalho, com a crise sanitária que os faz perder familiares e amigos, com a crise econômica e o preço dos alimentos lá no alto. É uma pena que a CUT tenha orientado seus trabalhadores a voltarem para casa depois da deliberação da greve, antes do início da manifestação. As direções dos sindicatos devem organizar com planos de luta, comissões em cada local de trabalho, unificando todos os trabalhadores e categorias nacionalmente, para exigir um plano emergencial para a pandemia e a anulação de todas as reformas que só atacam os trabalhadores.




Tópicos relacionados

Demissões na Ford   /    Bolsonaro   /    metroviários   /    Governo Bolsonaro   /    Demissão   /    rodoviários   /    Demissões   /    Metrô   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar