JUVENTUDE COM OS RODOVIÁRIOS

Juventude Faísca vai à CARRIS apoiar trabalhadores contra o projeto de Marchezan

O Pacote enviado pelo prefeito Marchezan à Câmara de Vereadores será discutido e colocado em pauta nesta segunda feira (3). Desde madrugada, estudantes da juventude Faísca amanheceram nas garagens das empresas de ônibus para dialogar com os trabalhadores contra Marchezan e seu projeto escandaloso.

segunda-feira 3 de fevereiro| Edição do dia

Marchezan quer aprovar o projeto, demagógico e eleitoreiro, que coloca o fim dos cobradores de ônibus e mais de 3000 trabalhadores na rua sem empregos. As medidas do pacote visam diminuir o valor da passagem de ônibus de R$4,70 para R$2,00. Entre as medidas estão a imposição de tarifas à aplicativos de corrida, como Uber e 99, criação de um pedágio urbano para carros com placas de fora de Porto Alegre (R$ 4,70), cobrar uma taxa de mobilidade urbana para as empresas que empregam CLTistas (ao invés de cobrar vale transporte), acabar com a taxa de gestão da Câmara de Compensação Tarifária (que representa hoje 3% do valor da tarifa) e extinguir a obrigatoriedade dos cobradores, para piorar a situação da categoria e dos usuários, que terão motoristas sobrecarregados exercendo dupla função e o atraso das viagens.

Tudo isso em nome do lucro dos empresários do transporte! Marchezan mentiu e ainda mente sem parar. Mentiu ao dizer que não iria vender a Carris, mas tenta vendê-la desde seu primeiro dia de governo. Mentiu dizendo que não iria parcelar o salário dos servidores, mas já os atrasou várias vezes e nunca sequer repôs a inflação. Mente ao dizer que extinguir o cobrador é para "modernizar" a frota. Quer taxar boa parte dos trabalhadores de Porto Alegre e região, que são os que mais precisam.

Por que a prefeitura não taxa grandes fortunas para investir em transporte, saúde e educação na capital? Por que a prefeitura não acaba com as isenções fiscais das grandes empresas da capital? Por que empresas sonegadoras seguem atuando tranquilamente sem pagar os impostos bilionários que devem ao estado? Marchezan está fechado com a patronal. Sabemos que ele governa para os empresários e não para os trabalhadores da cidade. Com os trabalhadores organizados e fortalecidos é possível barrar os ataques da patronal e fazer os capitalistas pagarem pela crise, o transporte precisa ser 100% estatizado e sob controle dos rodoviários e passageiros.

Também apostamos na união da juventude com a classe trabalhadora pois sabemos que o sindicato não bancou e nem irá bancar de fato essa luta. Não buscou romper a paralisia e colocar a categoria em marcha e parar a cidade contra Marchezan e seu projeto de presentear o desemprego, apesar de terem prometido ações.

O único caminho é lutar! É necessária a força da categoria. Os rodoviários fizeram uma importante mobilização no ano passado para barrar essa medida absurda de extinção da obrigatoriedade dos cobradores. A câmara não conseguiu votá-la graças à força da categoria, bem como ao rechaço por parte de boa parte da população. Agora querem votar novamente a medida, “escondida” em meio a outras. É preciso organizar a categoria para barrar novamente esse grande ataque, bem como prestar apoio aos cobradores e encher a câmara municipal para declarar em alto e bom som que a população não vai aceitar esse ataque ao transporte público de Porto Alegre. Precisamos nos inspirar no exemplo dos trabalhadores de transporte da França, que estão a mais de 50 dias em greve contra os ataques à aposentadoria fazendo o governo tremer e recuar. Os trabalhadores precisam tomar essa luta nas próprias mãos!




Comentários

Comentar